Facebook - OPAN Google+ - OPAN Twitter - OPAN Youtube - OPAN

Notcias

SELECT m.*, IF(LENGTH(fotos)<15 AND galeria=1,(SELECT id FROM w186_post_fotos WHERE post=m.id ORDER BY principal DESC, id LIMIT 1),fotos) AS fotoprinc FROM w186_post AS m WHERE m.id=437 - 437

A consolidao de um projeto

Por: Dafne Spolti/OPAN
Povo Deni do rio Xeru estabelece mtodos de trabalho e elabora projeto visando incluir alimentos dos roados na merenda escolar.

Foto: Renato Rodrigues Rocha/OPAN.

Itamarati (AM) – Durante uma oficina de cinco dias com o indígena André Baniwa, muito reconhecido por sua experiência com organizações indígenas no Rio Negro, o povo Deni conseguiu diagnosticar e planejar melhorias na Associação do Povo Deni do Rio Xeruã (Aspodex). Esta ação foi apoiada pelo projeto “Arapaima: redes produtivas”, executado pela OPAN com recursos do Fundo Amazônia. Junto com lideranças e moradores de todas as aldeias, eles escreveram, ainda, o projeto “Mahaniru – agricultura tradicional Deni” para compra de alimentos de seu próprio roçado para as escolas Deni. E estão dispostos a provocar a prefeitura de Itamarati para publicar um edital o quanto antes.

André Baniwa.jpg

André Baniwa. Foto: Renato Rodrigues Rocha/OPAN.

Para construir o projeto fizeram um mapa ecológico com os períodos do ano e que alimentos são produzidos, além das quantidades, por aldeia. A ideia é incluir produtos do roçado no Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) que paga R$ 0,60 de merenda (aluno/dia). O valor é mínimo, mas ajudaria os Deni a conseguir renda, até mesmo para contribuir financeiramente com sua associação, o que eles vêm buscando e pautando sempre.

1198.jpg

Prudução do roçado por aldeia. Foto: Renato Rodrigues Rocha/OPAN.

A iniciativa do projeto mostra bem o momento em que os Deni estão atualmente. “Hoje começaram a entender os direitos e estão avançando”, disse Baniwa. Ele lembrou que há um tempo eles eram explorados para extração de seringa e não podiam fazer roça, como observou na atividade em que construíram toda a linha do tempo desde o período mais antigo em que não conheciam os “brancos”, passando pelo contato, o tempo dos patrões, o de luta, o de direitos e o tempo atual. “Amigos, hoje estamos vivendo porque plantamos muita banana, macaxeira, mandioca e batata. Por isso que para nossa assembleia cada aldeia traz comida e não falta nada”, disse Baba Hava Deni, cacique da aldeia Boiador, reforçando ainda o papel de sua organização.

cartaz roçado.jpg

Cartaz sobre roçado para elaboração de projeto. Foto: Renato Rodrigues Rocha/OPAN.

A partir da construção da linha do tempo na oficina, os Deni avaliaram também as dificuldades e os êxitos obtidos, as parcerias conquistadas e quais os assuntos merecem sua atenção. Definiram que precisam lutar por uma Coordenação Técnica Local da Fundação Nacional do Índio (CTL/Funai) em Itamarati, por melhorias na educação e na saúde, pela destinação correta para o lixo (principalmente das pilhas usadas em lanternas) – temas que já vem sendo encaminhados em suas assembleias. Para terem mais sucesso, construíram um calendário de reuniões bimestrais e o planejamento de todo o ano. “A realização de um primeiro planejamento operacional para a Aspodex foi fundamental, pois abriu possibilidades para que a associação contribua de forma mais concreta na superação das demandas apresentadas pelo povo”, destacou o indigenista da OPAN Renato Rodrigues Rocha.

O caminho dos projetos para as associações indígenas

box.jpg

Sistematização de informações. Foto: Renato Rodrigues Rocha/OPAN.

As oficinas revelaram, também, outras necessidades do povo Deni. Uma das maiores lacunas, como apontou André Baniwa, foi a dificuldade de escrita em língua portuguesa para a elaboração do projeto, o que ele acredita que pode ser superado por meio de um trabalho articulado com outras atividades, assim como pelo envolvimento das secretarias de educação. Essas questões são comuns a outros povos e se tratam de dilemas centrais quando o assunto é a proposição de projetos a financiadores.

“Uma das principais dificuldades é entender os meios que os financiadores usam, os formatos dos editais, a interpretação desses processos. São muito técnicos, muito burocráticos”, explicou a coordenadora financeira da OPAN, Rochele Fiorini. Ela destacou a dificuldade, muito comum, que os povos têm para a associação ficar em dia, por mais que grande parte já tenha registro como pessoa jurídica. “Têm clareza do que querem, das conquistas desejadas, mas falta tempo para ir ao cartório, ao banco etc”, disse a coordenadora, mostrando que essa obrigação compete com outros afazeres dos povos, como ir para à roça, ir pescar e caçar, por exemplo.

André Baniwa também observou a questão e mencionou a importância das parcerias com outras organizações até que o povo tenha totais condições de fazer as propostas por si só (atividade complicada também para não indígenas). Fiorini destaca que além desse acompanhamento, é importante que os financiadores desenvolvam modelos e formulários mais apropriados para as associações. “Cada um tem um modo de gerenciar, de viver”, afirma.

Apesar de ver as dificuldades de povos indígenas, a coordenadora entende que os financiadores também têm que prestar contas a seus doadores, o que deve ser feito com apresentação de indicadores de sucesso bastante técnicos. Para ela isso pode ser solucionado, porém, a partir de uma tradução das informações trazidas pelos indígenas na maneira de narração exigida pelos financiadores.

Contatos com a imprensa

Dafne Spolti

dafne@amazonianativa.org.br

(65) 3322-2980

Matrias relacionadas

07/11/2017
Expanso do manejo sustentvel Paumari
11/10/2017
Luta ampliada no rio Xeru
19/09/2017
O peixe que era gente
06/10/2015
Um olho no peixe, outro no relgio
15/09/2015
Movimentando a poltica
31/07/2015
Na direo do manejo
23/06/2015
Arapaima: redes produtivas
25/12/2013
02/09/2017
A feira do pirarucu
02/09/2017
A pesca mais esperada
SELECT id, titulo, data, horario, fotos, post_sub_id AS post_sub_id, chamada, i_cadastro, arquivado FROM w186_post WHERE (i_publicacao<=NOW() OR i_publicacao=0) AND (i_expiracao>=NOW() OR i_expiracao=0) AND id!='437' AND post_sub_id=2 AND aprovado!=0 ORDER BY i_cadastro DESC LIMIT 0, 8
23/10/17 - PGTA: acordos para o futuro
Povo Paresi valida etnomapeamento elaborado nas aldeias, avanando na elaborao de seu plano de gesto territorial indgena.
07/11/17 - Expanso do manejo sustentvel Paumari
Pesca de pirarucu dos Paumari realizada em intercmbio de povos do Amazonas e do Acre.
11/10/17 - Luta ampliada no rio Xeru
Deni e Kanamari fortalecem gesto de suas terras e propem alternativas de proteo para comunidade vizinha.
03/10/17 - Avanos na RDS Cujubim
Com pesca manejada de pirarucu, extrativistas fortalecem sua associao.
19/09/17 - O peixe que era gente
Conhea a histria dos Deni sobre o ve'e, o pirarucu.
02/09/17 - A feira do pirarucu
Povo Deni do rio Xeru vende pirarucus em Itamarati, provocando o interesse pelo peixe e seu manejo.
02/09/17 - A pesca mais esperada
H anos realizando o manejo pirarucu, povo Deni realiza primeira pesca comercial com sucesso surpreendente.
16/08/17 - Sem dvida, a terra dos ndios
Aes de MT contra territrios tradicionais so derrubadas no STF.
Todos os direitos reservados para a Operação Amazônia Nativa - OPAN
Website Security Test