Facebook - OPAN Google+ - OPAN Twitter - OPAN Youtube - OPAN

Notcias

SELECT m.*, IF(LENGTH(fotos)<15 AND galeria=1,(SELECT id FROM w186_post_fotos WHERE post=m.id ORDER BY principal DESC, id LIMIT 1),fotos) AS fotoprinc FROM w186_post AS m WHERE m.id=434 - 434

Formao poltica para Myky e Manoki

Por: Catiscia Custodio e Giovanny Vera/OPAN
Processo fornece novas ferramentas para gerir seus territrios.

Brasnorte (MT) - Estudantes, professores, lideranças e comunidades Myky e Manoki participaram da 1ª Oficina de Direitos Indígenas e Política Indigenista, realizada na Aldeia Cravari da Terra Indígena (TI) Manoki, em Mato Grosso. Foram 65 os participantes deste início do processo de Formação de Jovens Indígenas na região noroeste do estado para os povos Manoki, Myky e Nambikwara, que terá uma duração de três anos, até 2018.

A primeira oficina abordou temas como a estrutura do Estado brasileiro e a história da legislação indigenista e ambiental. Nela foram discutidos e refletidos os fundamentos sociais, políticos e econômicos do Estado relacionados à temática indígena, o que foi fundamental para que os participantes compreendessem os trâmites burocráticos que envolvem a criação de leis e implementação de políticas públicas, principalmente aquelas que dizem respeito às populações indígenas no país.

b.jpg

Apostilas foram material fundamental para a formação dos participantes. Foto: Catiúscia Custodio 

As conquistas históricas do movimento indígena serviram como ponto referencial para o debate sobre a Constituição Federal de 1988 em seu capítulo VIII, ‘dos índios’. Também houveram discussões em torno das propostas legislativas que propõem retrocessos na política indigenista atual como a PEC 215 e a PEC 65. Foram momentos importantes que atualizaram os jovens participantes em torno da necessidade da formação de novos quadros políticos para continuar a luta em defesa e efetivação de seus direitos. Durante o evento os convidados puderam conhecer órgãos governamentais que tem a atribuição de defender seus territórios, suas culturas e organizações sociais como o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), a Fundação Nacional do Índio (Funai) e Ministério Público nas instâncias estaduais e federal.

A aplicação dos conhecimentos e experiências adquiridas foi parte importante da formação. Em um trabalho de grupo, os indígenas elaboraram um modelo de Protocolo de Consulta livre, prévia e informada sobre ações com impactos socioambientais diretos e indiretos em seus territórios, baseado na Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), da qual o Brasil é signatário. Eles também realizaram um diagnóstico de suas organizações sociais, culturais e políticas, no qual foi possível perceber desde o aumento demográfico de suas comunidades até o estado de fortalecimento cultural em torno da caça, pesca, coleta, rituais, línguas e vigilância e monitoramento territorial.

c.jpg

Durante a capacitação foi exibido o filme com a temática indígena e ambiental "Uma História de amor e fúria". Foto: Catiúscia Custodio

 Como parte da formação houve a exibição do filme “Uma história de amor e fúria”, que apresenta grupos sociais marginalizados na luta por igualdade e justiça social ao longo da história brasileira, que permitiu refletir o quanto do passado ainda persiste no presente. Logo depois os participantes realizaram uma análise crítica da conjuntura política nacional e uma autocrítica dos seus processos organizacionais.

O último dia do encontro foi um espaço para compartilhar um almoço tradicional (porco e macaco assados no jirau e biju) e o oferecimento ritual aos espíritos realizado pelos homens e meninos Myky e Manoki. Nesse dia também foi reconhecida pelas lideranças a participação das mulheres, demonstrando o empoderamento feminino indígena.

A ação formativa tem como objetivo empoderar jovens indígenas para a gestão de seus territórios e de seu futuro, promovendo o fortalecimento étnico-cultural, a conservação, o bom manejo e a aplicação da Política Nacional de Gestão Territorial e Ambiental (PNGATI). Além disso, o processo busca ampliar o diálogo e as relações entre a educação indígena tradicional e a educação escolar indígena, e propiciar um encontro intergeracional visando a produção e reprodução da cultura tradicional de cada povo aliadas à novas tecnologias como computadores, câmeras fotográficas e filmadoras, GPS, internet e redes sociais.

dedo.jpg

Foram três dias de formação com o grupo de jovens indígenas. Foto: Catiúscia Custodio.

“Foi muito importante essa formação porque ficamos sabendo de muitas coisas que nunca ouvimos falar, como a política lá fora, os nossos direitos e deveres. E a coisa mais importante é a organização, porque só unidos vamos conquistar muitas coisas”, foi uma das avaliações recebidas na oficina.

* Este processo de formação indígena é financiado pelo Fundo Amazônia através do projeto IREHI: Cuidando dos Territórios.

 

Contato com a imprensa

Giovanny Vera
gio@amazonianativa.org.br
(65) 3322-2980

Matrias relacionadas

04/08/2017
Uma aposta no trabalho coletivo
03/08/2015
Territrio feminino
06/07/2015
Omisso lesiva
01/06/2015
Imerso indigenista
11/11/2013
Com as prprias mos
16/09/2013
08/02/2017
A consolidao de um projeto
06/12/2016
Aprimorando prticas sustentveis
03/08/2016
Um teste de verdade
18/03/2016
Povo Manoki faz denncias relatora da ONU
SELECT id, titulo, data, horario, fotos, post_sub_id AS post_sub_id, chamada, i_cadastro, arquivado FROM w186_post WHERE (i_publicacao<=NOW() OR i_publicacao=0) AND (i_expiracao>=NOW() OR i_expiracao=0) AND id!='434' AND post_sub_id=2 AND aprovado!=0 ORDER BY i_cadastro DESC LIMIT 0, 8
16/08/17 - Sem dvida, a terra dos ndios
Aes do estado de MT contra territrios tradicionais so derrubadas no STF. Quilombolas e indgenas manifestam-se em Braslia e em Cuiab.
18/08/17 - Feliz aniversrio
Depois de retomado seu territrio tradicional, povo Xavante de Mariwatsd celebra novas conquistas e melhorias na sua qualidade de vida.
04/08/17 - Uma aposta no trabalho coletivo
Moradores da RDS Cujubim tomam novo impulso e fortalecem sua organizao visando leque de possibilidades no trabalho com recursos da floresta.
03/08/17 - Nossa histria no comea em 1988!
#MarcoTemporalNo!
28/07/17 - Roas Nambikwara: alimento e cultura
Cultivos tradicionais permitem melhorar a qualidade de vida e segurana alimentar, alm da realizao de festas e rituais.
24/07/17 - Nota pblica
Organizaes repudiam aprovao de parecer da AGU que incide diretamente sobre a demarcao e o usufruto de povos indgenas sobre suas terras.
14/07/17 - Nota de repdio
Leia aqui nota de organizaes em repdio a portarias do Ministrio da Justia que representam retrocesso e autoritarismo na poltica indigenista.
11/07/17 - S com preo justo
Durante seminrio manejadores no aceitam valor oferecido pelo pirarucu sustentvel, por ser muito baixo.
Todos os direitos reservados para a Operação Amazônia Nativa - OPAN
Website Security Test