Facebook - OPAN Google+ - OPAN Twitter - OPAN Youtube - OPAN

Direitos Indgenas

SELECT m.*, IF(LENGTH(fotos)<15 AND galeria=1,(SELECT id FROM w186_post_fotos WHERE post=m.id ORDER BY principal DESC, id LIMIT 1),fotos) AS fotoprinc FROM w186_post AS m WHERE m.id=381 - 381

Licenciamento a jato em discusso

Por: Dafne Spolti/OPAN
Sociedade repudia PEC 65 e avalia ameaas ao licenciamento ambiental

Leitura de moo de repdio - Sintema. Foto: Dafne Spolti/OPAN.

Cuiabá-MT – Dezenas de matérias legislativas em tramitação no Congresso Nacional buscam flexibilizar os processos do licenciamento ambiental, regulamentados hoje pelas resoluções 237/1997 e 001/1986 do Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama), que também estão postas em xeque por uma proposta de nova resolução. Uma das matérias mais questionadas é o Projeto de Emenda à Constituição (PEC) 65/2012. Em um parágrafo de quatro linhas, a ser acrescentado no capítulo 225, “Do Meio Ambiente”, ele acaba com o rito do licenciamento ao propor que a simples apresentação de um estudo de impacto ambiental seja o suficiente para uma obra começar a ser executada. Durante audiência pública, realizada dia 13 de junho no Ministério Público do Estado, em Cuiabá, a palavra “absurdo”, em referência à essa PEC, foi mencionada por agricultores familiares, profissionais, estudiosos, populações tradicionais, promotores de justiça, organizações da sociedade e até mesmo pelo setor empresarial.

“A PEC 65 é tão absurda que é difícil imaginar que seria proposta”, diz Marcelo Vacchiano, da Associação Brasileira dos Membros do Ministério Público de Meio Ambiente (Abrampa), questionando se ela não serviria apenas para encobrir outros textos em tramitação, como a PLS 654/2015, do senador Romero Jucá (PMDB) e a proposta de nova resolução do Conama.

Promotores.jpg
Marcelo Vacchiano e Patrick Ayala. Foto: Dafne Spolti/OPAN.

As diversas tentativas de alterar o licenciamento são pautadas pelo princípio de celeridade e tratam o procedimento como um direito do empreendedor e não um processo de tomada de decisão que pode ter resultado positivo ou negativo, como explicou o professor de direito ambiental Patrick Ayala, procurador-geral do Estado. Por considerarem os processos lentos, o que em partes é atribuído à morosidade dos órgãos licenciadores, as propostas excluem ou limitam enormemente a participação do Estado, que é colocado como coadjuvante dessa decisão. Patrick Ayala esclareceu, porém, que a demora em um processo de licenciamento não pode ser usada para conseguir um efeito positivo, a continuidade do empreendimento: “Não há, em hipótese alguma, possibilidade de que a partir do silêncio administrativo decorra o direito de se desenvolver a atividade econômica”, informou.

Além de limitar a participação dos órgãos licenciadores, as propostas retiram o espaço, que hoje já é bastante limitado, dos órgãos intervenientes. Estes são – ou deveriam ser – chamados a participar das etapas do processo, auxiliando as decisões dos órgãos licenciadores. É o caso do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), que avalia os patrimônios culturais das áreas. Francisco Stuchi, arqueólogo do IPHAN, enfatizou a importância da consulta ao órgão e lembrou que em Mato Grosso são registradas as mais antigas datas de ocupação humana do continente, devendo, mais ainda por este motivo, ser preservado. Ele entregou durante o evento moções do IPHAN (aqui) e da Sociedade de Arqueologia Brasileira contra a PEC 65.

Francisco.jpg
Francisco Stuchi. Foto: Dafne Spolti/OPAN.

Consulta às populações

Outro aspecto bem marcado durante a audiência foi a necessidade de consulta aos povos, o que está fragilmente garantido no processo vigente e é eliminado nas propostas em pauta. “Quero chamar a atenção para essa consulta à sociedade. Porque o agricultor e o indígena, as pessoas que são diretamente impactadas é que podem falar do licenciamento” disse João Andrade, do Instituto Centro de Vida (ICV) e do Fórum Teles Pires. Ele observou que hoje em dia só se escuta quem quer produzir energia e defendeu o fortalecimento do processo de licenciamento, incluindo a realização dessas consultas.

Andreia Fazeres, coordenadora do Programa de Direitos Indígenas da OPAN, que compõe a Rede Juruena Vivo, chamou a atenção dos presentes para a bacia do rio Juruena ao abrir um mapa (veja aqui) com mais de 100 empreendimentos hidrelétricos previstos para a região, sendo 85% dentro de terras indígenas ou em rios que fazem limite com essas áreas. Ela fez um apelo para que as comunidades sejam consultadas, durante todo o processo. “Ouvir as comunidades não é um anexo, isso faz parte do processo de licenciamento”, enfatizou. Além da consulta às populações, a coordenadora destacou que é preciso fazer o processo de licenciamento de forma integrada e intersetorial, com estudos aprofundados, que se comuniquem.

Andreia Fanzeres.jpg
Andreia Fanzeres. Foto: Dafne Spolti/OPAN.

Licenciamento no agronegócio

Apesar do licenciamento ambiental lembrar as grandes obras de infraestrutura, as lavouras e outras atividades do agronegócio também precisam passar por esse processo, como ficou claro durante a audiência.

Para Maria da Glória, agricultora familiar de Nossa Senhora do Livramento, a PEC 65 é contra a vida. Ela mencionou que hoje – mesmo com a resolução vigente – é muito difícil ficar livre dos agrotóxicos, presentes até mesmo nos alimentos da agricultura familiar pela proximidade com as grandes lavouras de monocultura. Maria da Glória contou que já foi banhada numa pulverização e viu até uma mãe perder seu filho por conta dos venenos, e por isso não pode aceitar a flexibilização no licenciamento ambiental.

Maria da Glória.jpg
Maria da Glória. Foto: Dafne Spolti/OPAN.

O médico e pesquisador Wanderley Pignati, professor do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), listou algumas das consequências do agronegócio, citando os 200 milhões de litros de agrotóxicos utilizados anualmente em Mato Grosso, os acidentes de trabalho no frigorífico e na atividade agropecuária (são mais numerosos e frequentes que na construção civil) e o alto nível de impacto dos curtumes. “Vamos acabar com os licenciamentos das grandes fazendas?”, questionou ele.

De MT para o Congresso

A partir das discussões da audiência pública, o Ministério Público do Estado e o Ministério Público Federal, que realizaram o evento como tem ocorrido em outros estados, irão fazer uma ata, anexando também os documentos que foram entregues na audiência, como cartas e moções de repúdio. Esse material será enviado ao Congresso Nacional, para mostrar o posicionamento da sociedade de Mato Grosso em relação às propostas de flexibilização do licenciamento ambiental.

Mais informações:

Olhos e ouvidos atentos
Rikbaktsa e moradores de Fontanillas reivindicam direito de consulta sobre hidrelétricas

Licença a jato
O fim do licenciamento fere o meio ambiente e os direitos civis de todos os brasileiros

Consulta a jato
Sociedade critica consulta no carnaval e envia centenas de sugestões sobre licenciamento. Conama amplia prazo.

Contato com a imprensa

Dafne Spolti - dafne@amazonianativa.org.br

Telefone: (65) 3322-2980 / 9223-2494

www.amazonianativa.org.br

Matrias relacionadas

14/07/2017
Nota de repdio
22/08/2015
Lbrea sedia debate sobre gesto territorial
11/05/2015
Por um dilogo mais aberto
06/05/2014
Dom Toms: descanse em paz, meu velho
20/06/2013
Mato Grosso e a cegueira programada
23/05/2017
Direito roubado
05/05/2017
No um abril qualquer
21/04/2017
Avaliao de impacto
11/03/2017
Juruena contaminado
08/02/2017
A consolidao de um projeto
SELECT id, titulo, data, horario, fotos, post_sub2_id AS post_sub_id, chamada, i_cadastro, arquivado FROM w186_post WHERE (i_publicacao<=NOW() OR i_publicacao=0) AND (i_expiracao>=NOW() OR i_expiracao=0) AND id!='381' AND post_sub2_id=9 AND aprovado!=0 ORDER BY i_cadastro DESC LIMIT 0, 8
06/05/16 - Concurso de reportagem
Rede Juruena lana concurso com o tema "hidreltricas e direitos humanos". Inscries at 01/09.
05/04/16 - Consulta a jato
Sociedade critica consulta no carnaval e envia centenas de sugestes sobre licenciamento. Conama amplia prazo.
11/03/16 - Um verdadeiro escndalo
Com 54 fazendas na TI Manoki, indgenas flagram ao de madeireiros e denunciam violaes.
18/01/16 - Muito alm dos pontos de vista
OPAN lana livro sobre mudanas climticas e a percepo indgena.
Todos os direitos reservados para a Operação Amazônia Nativa - OPAN
Website Security Test