Facebook - OPAN Google+ - OPAN Twitter - OPAN Youtube - OPAN

Arapaima

SELECT m.*, IF(LENGTH(fotos)<15 AND galeria=1,(SELECT id FROM w186_post_fotos WHERE post=m.id ORDER BY principal DESC, id LIMIT 1),fotos) AS fotoprinc FROM w186_post AS m WHERE m.id=482 - 482

Luta ampliada no rio Xeru

Por: Dafne Spolti/OPAN.
Deni e Kanamari fortalecem gesto de suas terras e propem alternativas de proteo para comunidade vizinha.

Assembleia dos Deni com grande participao dos Kanamari tambm do rio Xeru.
Foto de Tarsila dos Reis Menezes/OPAN.

Carauari (AM) – Atentos aos desmontes da política e aos impactos para os direitos indígenas, na assembleia da Associação do Povo Deni do rio Xeruã (Aspodex)* deste ano, os Deni e os Kanamari tomaram decisões importantes, unidos e sem titubear. A partir do encontro de três dias e meio, realizado ao final de setembro, informam as autoridades que não querem garimpo afetando as terras indígenas, propõem estratégias de proteção territorial na região do rio Xeruã e cobram transparência da prefeitura de Itamarati.

A discussão sobre o garimpo ocorreu por conta de dois projetos de prospecção no entorno das terras indígenas. Um da Cooperativa de Extrativismo Mineral da Amazônia; outro da Cooperativa de Garimpeiros do Rio Madeira (Coogarima). Os Deni e Kanamari pedem à prefeitura de Itamarati, onde se localizam as aldeias do rio Xeruã, esclarecimentos sobre o andamento dos projetos e pedem que não seja permitida a mineração. Também mostram ao Ministério Público Federal (MPF) que são contrários à atividade. “Não concordamos com a mineração próxima a nossa terra. Não fomos consultados sobre estes projetos. Esperamos que não aconteçam, se não eles vão causar impactos em nossa terra, rios, lagos, igarapés, na biodiversidade terrestre, dos anfíbios, mamíferos e nos seres humanos”, escreveram ao MPF.

Documentos.jpg

Elaboração de documentos a partir das decisões da assembleia. Foto: Tarsila dos Reis Menezes/OPAN.

Como em anos anteriores, os Deni falaram em assembleia sobre a conquista da terra e todos os avanços, preocupados dessa vez com as ameaças que se intensificaram contra os povos indígenas. Contaram que com a demarcação, finalizada em 2004, voltaram a ter fartura, construíram a vigilância territorial, plano de gestão e, mais recentemente, o manejo de pirarucu, que teve este ano sua primeira pesca para venda.

A partir da pesca manejada de pirarucu eles definiram no início do ano, que iriam utilizar os recursos para investir na próxima pesca e para seus projetos próprios voltados à melhoria da qualidade de vida na TI Deni, mas somente a partir de um montante que possibilite melhorias significativas. “Vamos pôr mais dinheiro na associação para o recurso aumentar”, explicou Pha’avi Hava Deni, da aldeia Boiador. Ele era o vice-presidente da Aspodex até a assembleia, quando decidiram que ele deveria assumir a frente da associação por ter condições e desenvoltura para isso.

Diferente deles e dos Kanamari, uma comunidade ribeirinha próxima à boca do rio Xeruã, o Chical, que compartilha o uso de um lago com os Deni, não tem o amparo de uma terra protegida o que inviabiliza a vigilância a manutenção dos seus estoques de peixe, de bichos de casco e da natureza. “O sr. Chical não tem nenhum documento que ajude ele a preservar esses lugares”, dizem os Deni em solicitação de apoio à prefeitura de Itamarati: “A Secretaria de Meio Ambiente pode criar um documento ou pedir à prefeitura um decreto municipal que transforme esse lago e essa praia em reservas para que no futuro a nova geração possa usufruir dessa riqueza natural”.

Rio Xeruã _ A Gambarini.jpg

Lago com pirarucu no rio Xeruã. Foto: Adriano Gambarini/OPAN.

Este ano os Deni novamente escreveram à Fundação Nacional do Índio (Funai) pedindo apoio material e técnico para monitoramento e proteção do seu território, para fazer abertura de picadas, que combinaram iniciar no mês de junho do ano que vem. Os Deni reivindicam da Funai uma Coordenação Técnica Local (CTL) em Itamarati porque a CTL de Lábrea fica muito distante. 

Na assembleia conversaram sobre o papel da prefeitura pois várias promessas não estão sendo cumpridas. Discutindo sobre suas escolas apontaram que a merenda escolar só veio uma vez este ano, em setembro. Diante da irregularidade, pedem esclarecimentos à Secretaria Municipal de Educação (Semed) quanto ao valor do repasse financeiro que é disponibilizado para a merenda dos 707 alunos matriculados nas aldeias Deni e Kanamari do rio Xeruã.

Observando os itens que foram para suas escolas – salsicha, sardinha e feijoada enlatadas e outras conservas – os Deni se questionaram ainda por que o projeto Mahaniru que visa levar alimentos saudáveis do roçado para a merenda não teve atenção da prefeitura de Itamarati.

A saúde dos Deni também teve problemas agravantes este ano com o aumento da malária, como vem ocorrendo em todo o Amazonas. Eles disseram que falta remédios para controlar essa e outras doenças e pediram aquisição de microscópios ou teste rápido de malária. Hoje só é possível fazer o exame no Polo Base de Saúde, na aldeia Morada Nova, muito distante das outras aldeias e principalmente da terra dos Kanamari, atendida no mesmo polo.

* As atividades voltadas à gestão territorial do povo Deni recebem apoio da OPAN por meio do projeto Arapaima: redes produtivas, executado com recursos do Fundo Amazônia.

Contatos com a imprensa

Dafne Spolti

dafne@amazonianativa.org.br

(65) 3322-2980 / 9 9223-2494

 

Matrias relacionadas

23/10/2017
PGTA: acordos para o futuro
07/11/2017
Expanso do manejo sustentvel Paumari
03/10/2017
Avanos na RDS Cujubim
19/09/2017
O peixe que era gente
08/10/2015
Uma fonte de gua limpa
06/10/2015
Um olho no peixe, outro no relgio
21/09/2015
Uma aposta promissora
15/09/2015
Movimentando a poltica
10/09/2015
Seminrio em Lbrea
22/08/2015
Lbrea sedia debate sobre gesto territorial
SELECT id, titulo, data, horario, fotos, post_sub2_id AS post_sub_id, chamada, i_cadastro, arquivado FROM w186_post WHERE (i_publicacao<=NOW() OR i_publicacao=0) AND (i_expiracao>=NOW() OR i_expiracao=0) AND id!='482' AND post_sub2_id=12 AND aprovado!=0 ORDER BY i_cadastro DESC LIMIT 0, 8
03/10/17 - Avanos na RDS Cujubim
Com pesca manejada de pirarucu, extrativistas fortalecem sua associao.
19/09/17 - O peixe que era gente
Conhea a histria dos Deni sobre o ve'e, o pirarucu.
02/09/17 - A feira do pirarucu
Povo Deni do rio Xeru vende pirarucus em Itamarati, provocando o interesse pelo peixe e seu manejo.
02/09/17 - A pesca mais esperada
H anos realizando o manejo pirarucu, povo Deni realiza primeira pesca comercial com sucesso surpreendente.
04/08/17 - Uma aposta no coletivo
Moradores da RDS Cujubim fortalecem sua organizao para trabalho com recursos da floresta.
11/07/17 - S com preo justo
Durante seminrio manejadores no aceitam valor oferecido pelo pirarucu sustentvel, por ser muito baixo.
21/06/17 - Todos ganham
Povo Deni vai contemplar os interesses coletivos com os benefcios da sua pesca de pirarucu.
08/02/17 - A consolidao de um projeto
Povo Deni do rio Xeru estabelece mtodos de trabalho e elabora projeto visando incluir alimentos dos roados na merenda escolar.
Todos os direitos reservados para a Operação Amazônia Nativa - OPAN
Website Security Test