Facebook - OPAN Google+ - OPAN Twitter - OPAN Youtube - OPAN

Notcias

SELECT m.*, IF(LENGTH(fotos)<15 AND galeria=1,(SELECT id FROM w186_post_fotos WHERE post=m.id ORDER BY principal DESC, id LIMIT 1),fotos) AS fotoprinc FROM w186_post AS m WHERE m.id=544 - 544

Muito alm de um clique

Por: Dafne Spolti/OPAN.
Belm+30 abre discusses sobre ferramentas tecnolgicas para proteo de povos e territrios.

Foto: Dafne Spolti/OPAN.

Belém, PA - Povos indígenas de diversas regiões da Amazônia estão dominando cada vez mais as ferramentas tecnológicas, não apenas para selfies, games e compartilhamento de posts, mas como instrumento político para seu fortalecimento. Usando os novos instrumentos com o conhecimento dos mais velhos, desenvolvem estratégias mais eficazes de gestão e proteção territorial. Uma gama delas foi apresentada na oficina “Povos da floresta: conexões e autodeterminação - ferramentas jurídicas e tecnológicas para a gestão territorial na Amazônia”, nos dias 6 e 7 de agosto de 2018, abrindo o Congresso Internacional de Etnobiologia e Etnoecologia – Belém+30.

“Não vamos abandonar nossos conhecimentos tradicionais, mas vamos usar essas ferramentas”, explicou Genisvan Melquior, do povo Macuxi, ao apresentar junto a Roiti Metuktire Kayapó o aplicativo Alerta Clima Indígena, desenvolvido pelo Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM) em parceria com eles. A partir do “app”, é possível ver áreas de desmatamento, queimadas e outras informações que possam mostrar ameaças às terras, de forma simples, e se proteger delas, inclusive envolvendo órgãos públicos como o Instituto Nacional de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e a Fundação Nacional do Índio (Funai).

Genisvan.jpg

Genisvan Melquior. Foto: Dafne Spolti/OPAN.

“A gente tem que ter um meio de divulgar a morte dos peixes”, disse Eliano Waro, do povo Munduruku. Ele disse que por conta da hidrelétrica de Teles Pires presenciaram morte de botos e jacarés, o que antes não acontecia a animais desse porte. Eliano e Cândido Waro apresentaram um outro aplicativo, o Proteja Amazônia, que reúne as informações sobre os impactos e andamentos dos processos judiciais envolvendo as hidrelétricas do Complexo Teles Pires. “Criamos nossos aplicativos para fortalecer nossas lutas”, disse ele.

No rio Negro, em cinco regiões de seus afluentes, os indígenas têm utilizado dispositivos também para registrar a dinâmica da natureza em suas terras, escrevendo sobre peixes, plantas e animais; períodos de floração e reprodução das espécies, épocas de plantio das roças. “Tudo é incluído no tablet ou em diários”, disse Ronaldo Apolinário, do povo Baniwa.

diário.jpg
Aplicativos não dispensam o uso de anotações em diários. Foto: Dafne Spolti/OPAN.

Atualmente são diversos os instrumentos tecnológicos construídos para e com as comunidades, facilitando o encaminhamento de denúncias, a visibilidade de seu olhar sobre as intervenções de infraestrutura planejadas ou em andamento, como a plataforma SOMAI e a Rede Xingu+. Entretanto, outras ferramentas essenciais à defesa dos direitos dessas populações foram motivo de uma engajada e rica discussão, como os planos de gestão territorial e os protocolos de consulta.

“Eu participo de um grupo de formação chamado ‘guerreiros da caneta’, mas não deixamos de usar a borduna”, avisa Marta Tipuici, do povo Manoki. Ela contou sobre as ameaças ao rio Juruena, em Mato Grosso, e citou que neste mês foram realizadas oficinas de comunicação para fortalecer sua atuação. Com esse movimento e com o reconhecimento entre os mais velhos de que é preciso dominar melhor essas tecnologias para pensar no futuro da água, dos rios e da cultura, os jovens começam a se envolver mais. “Quando a gente começa a se preocupar, a gente participa mais da nossa comunidade”, disse. Ela destacou a mobilização no Juruena e seu resultado para o Tapajós e outros rios: “É trabalho de base, na veia do Juruena para que essa aorta não pare de pulsar”, disse Marta.

Marta falando.jpg

Marta Tipuici falando sobre a Rede Juruena Vivo. Foto: Dafne Spolti/OPAN.

Contatos com a imprensa

Dafne Spolti
Operação Amazônia Nativa – OPAN
dafne@amazonianativa.org.br 
(92) 9 8405-1757
(65) 9 9223-2494

Matrias relacionadas

06/08/2018
Consultoria para coordenao e facilitaao grfica de oficina
27/08/2018
Divulgao de um trabalho mpar
21/08/2018
A parte mais viva de Mato Grosso
17/08/2018
Colocando as cartas na mesa
07/08/2018
Vaga para facilitao de oficina
04/08/2017
Uma aposta no coletivo
08/02/2017
A consolidao de um projeto
03/02/2017
Formao poltica para Myky e Manoki
06/12/2016
Aprimorando prticas sustentveis
03/08/2016
Um teste de verdade
SELECT id, titulo, data, horario, fotos, post_sub2_id AS post_sub_id, chamada, i_cadastro, arquivado FROM w186_post WHERE (i_publicacao<=NOW() OR i_publicacao=0) AND (i_expiracao>=NOW() OR i_expiracao=0) AND id!='544' AND post_sub2_id=2 AND aprovado!=0 ORDER BY i_cadastro DESC LIMIT 0, 8
19/10/18 - Em defesa do meio ambiente
Sociedade civil divulga manifesto contra propostas de campanha que atacam meio ambiente
19/10/18 - Um erro e muitas confuses
Reportagem equivocada sobre 1 turno de eleies em aldeia provoca onda de agresses contra indgenas.
16/10/18 - Ensaio sobre a cegueira
Com inspirao e licena potica, vamos falar sobre meio ambiente e povos indgenas nessas eleies.
03/09/18 - Nota de pesar sobre o incndio no Museu Nacional
03/09/18 - ndio Presente: a srie
Confira a entrevista com o diretor Srgio Lobato
29/08/18 - Edital: professor de lngua inglesa
OPAN abre processo seletivo para profissionais interessados em ministrar 15 aulas de ingls
17/08/18 - Colocando as cartas na mesa
No Belm + 30 indgenas apresentam seus protocolos de consulta e consentimento.
09/08/18 - Mais uma nota contra o parecer 001 da AGU
Organizaes repudiam o parecer e exigem sua revogao imediata.
Todos os direitos reservados para a Operação Amazônia Nativa - OPAN
Website Security Test