Facebook - OPAN Google+ - OPAN Twitter - OPAN Youtube - OPAN

Raizes do Purus

SELECT m.*, IF(LENGTH(fotos)<15 AND galeria=1,(SELECT id FROM w186_post_fotos WHERE post=m.id ORDER BY principal DESC, id LIMIT 1),fotos) AS fotoprinc FROM w186_post AS m WHERE m.id=276 - 276

Seguindo bons exemplos

Por: Carla Ninos/OPAN
Na TI Caititu, mais aldeias decidem implementar canteiros agroflorestais.

Cacique Marcelino Apurin mostra orgulhoso uma parte do seu canteiro agroflorestal.
Foto de Adriano Gambarini/OPAN

Lábrea (AM) – Depois de pouco mais de um ano de apoio à implementação de sistemas agroflorestais (SAFs) na Terra Indígena (TI) Caititu, mais quatro aldeias deram início à replicação espontânea da iniciativa. A experiência do plantio consorciado de espécies importantes para os Apurinã com técnicas agroecológicas já caminha com seus próprios passos. “Saber que as técnicas de SAFs estão sendo replicadas em outras aldeias, mostra que os resultados do nosso projeto têm sido significativos e úteis para o povo Apurinã”, comenta o coordenador do Programa Amazonas da OPAN, Gustavo Silveira.

Inicialmente, os SAFs foram implantados em quatro unidades piloto nas aldeias Novo Paraíso, Nova Esperança II, Idecorá e Tucumã. As famílias receberam orientações em oficinas, além de mudas e sementes de espécies florestais, frutíferas e hortaliças para iniciar seus canteiros. Esta atividade tem sido apoiada pelo projeto Raízes do Purus, realizado pela Operação Amazônia Nativa (OPAN) com o patrocínio da Petrobras.

Ao longo de 2014, tanto a OPAN quanto os próprios indígenas passaram a realizar mutirões dentro dessas unidades e a contar com a participação de outras aldeias no trabalho. Como os sistemas agroflorestais apresentaram rapidamente bons resultados e ainda ajudaram a recuperar o solo, os Apurinã começaram a replicar os canteiros em outras aldeias.

“Já colhemos banana, colorau e abacaxi. Com pouco mais de um ano, o canteiro agroflorestal já está produzindo”, comenta, satisfeito, Antônio Apurinã, da aldeia Idecorá. Ele informa, ainda, que na aldeia eles têm cerca de 40 espécies diferentes de madeira de lei plantadas no canteiro, como ipê, cedro, mogno e sumaúma.

Apurina_AG99463.JPG

Na aldeia Idecorá os mutirões já viraram rotina dos indígenas. Foto de Adriano Gambarini/OPAN

“Hoje, sabemos que as aldeias Copaíba, São Domingos, Irmã Cleusa e Paxiúba iniciaram seus SAFs apenas pegando informações técnicas no escritório da OPAN em Lábrea e participando de oficinas e mutirões nas unidades pilotos. Agora, outras aldeias já demonstram interesse em iniciar seus canteiros”, informa Magno dos Santos, indigenista da OPAN.

Os sistemas agroflorestais têm grande importância para o povo Apurinã. Além de levar um novo conceito de uso e manejo do território e de favorecer a recuperação produtiva de solos degradados, melhoraram a organização social e têm potencial para se tornar uma alternativa econômica para os indígenas. No mercado local é difícil encontrar os produtos cultivados nos modelos de SAFs.

Estudando o mercado e analisando todo o ciclo agroecológico, é possível pensar em atuar futuramente com mini-indústrias que trabalhem o beneficiamento dos produtos oriundos dos SAFs. ”Desidratar as frutas, por exemplo, é um tipo de beneficiamento que agrega muito valor e que tem boa saída de mercado”, explica Magno dos Santos. Hoje, na feira livre de Lábrea, um cacho de banana custa entre R$ 10,00 e R$ 15,00. Mas, se a banana for desidratada até virar uma banana-passa, é possível agregar cerca de 50% sobre o valor desse produto. O potencial é enorme. “Lábrea é uma cidade considerada a capital do Médio Purus, com uma rotatividade muito grande de pessoas de outras regiões e estados, que demandam produtos orgânicos e naturais, mas o mercado local não oferece”, conclui o indigenista da OPAN.

Apurina_AG99028.jpg

Sistema agroflorestal da aldeia Novo Paraíso é uma das unidades pilotos implantadas no início do projeto. Foto de Adriano Gambarini/OPAN

Com a produção agroecológica dos Apurinã, e expectativa de melhora na qualidade nutricional dos indígenas, o mercado local poderá conhecer e valorizar produtos que vêm de dentro de uma terra indígena, oriundos do fortalecimento da organização comunitária, oferecendo ao consumidor um produto orgânico, saudável e sem agrotóxicos.

 

Contatos com a imprensa

Carla Ninos – carla@amazonianativa.org.br

Telefones: 65 9958-6109 e 65 3322-2980

www.amazonianativa.org.br

www.facebook.com/raizesdopurus

SELECT id, titulo, data, horario, fotos, post_sub2_id AS post_sub_id, chamada, i_cadastro, arquivado FROM w186_post WHERE (i_publicacao<=NOW() OR i_publicacao=0) AND (i_expiracao>=NOW() OR i_expiracao=0) AND id!='276' AND post_sub2_id=13 AND aprovado!=0 ORDER BY i_cadastro DESC LIMIT 0, 8
22/02/19 - Agricultura tradicional da Amaznia
Indgenas Apurin se renem a povos amaznicos da trplice fronteira Brasil-Peru-Colmbia para trocar experincias sobre agricultura sustentvel.
09/11/18 - A maior pesca Paumari
Com o manejo consolidado, povo Paumari do rio Tapau pesca 30 toneladas de pirarucu.
16/10/18 - As escolhas coletivas do povo Deni
Em assembleia, os Deni do rio Xeru falam sobre conquistas e desafios, construindo planos futuros para fortalecer a gesto de sua terra.
27/08/18 - Divulgao de um trabalho mpar
Manejo de pirarucu apresentado no congresso internacional Belm+30.
21/02/18 - Comea nova fase do Razes do Purus
Trabalho amplia aes para o Mdio Juru, junto ao povo Deni do rio Xeru.
10/09/15 - Seminrio em Lbrea
Povos indgenas e extrativistas do Mdio Purus demandam por gesto compartilhada das reas protegidas.
22/08/15 - Lbrea sedia debate sobre gesto territorial
Povos indgenas e extrativistas vo trocar experincias sobre gesto territorial e ambiental.
25/05/15 - Manejo Paumari vence prmio
Foi o reconhecimento por aes de fortalecimento da organizao indgena e manejo do pirarucu.
Todos os direitos reservados para a Operação Amazônia Nativa - OPAN
Website Security Test