Facebook - OPAN Google+ - OPAN Twitter - OPAN Youtube - OPAN

Notcias

SELECT m.*, IF(LENGTH(fotos)<15 AND galeria=1,(SELECT id FROM w186_post_fotos WHERE post=m.id ORDER BY principal DESC, id LIMIT 1),fotos) AS fotoprinc FROM w186_post AS m WHERE m.id=450 - 450

No um abril qualquer

Por: Dafne Spolti/OPAN
Em todo pas indgenas se manifestam contra decises do governo e o clima de incitao violncia.

Mobilizao Nacional Indgena no Acampamento Terra Livre. Foto: Giovanny Vera/OPAN.

Cuiabá-MT – “Querem acabar com os povos indígenas”, afirmou Damião Paridzané durante palestra da Semana dos Povos Indígenas, realizada na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) em abril. A fala lúcida resume uma conhecida ideia, disseminada aos quatro cantos neste período histórico em que já não há mais pudor em anunciar opiniões nefastas. Se a força desses grupos opressores é forte, maior ainda, porém, é a mobilização dos povos, que deram um show de vitalidade em todo o país durante o mês de abril. Nas aldeias, em pequenas cidades ou em Brasília no 14º Acampamento Terra Livre, onde enfrentaram cavalaria e bombas de gás lacrimogênio, povos de mais de 200 etnias foram para as ruas em defesa da terra e de seus direitos.

2 - Damião.jpg

Damião Paridzané na Semana dos Povos Indígenas falando junto a seu filho Cosme Rité. Foto: Dafne Spolti/OPAN.

Os indígenas estão ameaçados não apenas por propostas que tramitam no legislativo, como a PEC 215, mas por uma sequência de medidas do poder executivo: a nomeação de um ruralista e um pastor – agora exonerado – para o Ministério da Justiça (MJ) e a Fundação Nacional do Índio (Funai), a qual está subordinada, respectivamente, e de um militar para a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai); as sequenciais ações de desmonte da Funai como cortes de gastos e a publicação das portarias 68 (revogada) e depois a 80 do MJ, que fragilizam o processo de demarcação executados pela instituição; uma CPI estranha que tem servido para criminalizar indígenas, antropólogos, missionários, procuradores e indigenistas; e o recente fechamento de coordenações técnicas locais (CTLs) da Funai pelo decreto 9.010/2017. Decisões que fragilizam a presença do Estado junto aos povos e abrem o caminho para o acirramento de conflitos com consequências imprevisíveis.

Foi por este motivo que ocorreu uma das primeiras manifestações do mês de abril, na cidade de Tabatinga (AM), à margem do rio Solimões, onde com o fechamento da CTL um público de 25 mil pessoas deixará de ser atendido. Somada à de Santo Antônio do Içá, também fechada e que englobava 15 mil pessoas, a Coordenação Regional (CR) Alto e Médio Solimões vai ficar ainda mais sobrecarregada no atendimento total a 85 mil pessoas em sua área de abrangência.

3 CTL Tabatinga em frente ao MPF.jpeg

Manifestações em frente ao Ministério Público Federal (MPF) em Tabatinga (AM). Foto: Arquivo/CR Alto e Médio Solimões.

Sem dar conta do trabalho, os servidores – leia aqui carta publicada por eles – que restam em campo não evitarão a vulnerabilidade desses povos na região do município de Tabatinga onde fica a Coordenação Regional, local de grandes distâncias e com o complicador de atividades ilegais como tráfico de drogas e a violência decorrente delas, como avaliou sua coordenadora Mislene Mendes, indígena Tikuna. De acordo com ela, a ausência da Funai nas aldeias – que neste desmonte aprofundado do governo Temer já não tem nem mesmo combustível para chegar às comunidades – os indígenas acabarão permanecendo mais tempo na cidade em busca de fazer documentos (que demoram de um a dois meses para ficar prontos) ou adquirir seus benefícios sociais, muitas vezes sem ter onde ficar e estando mais suscetíveis ao consumo de bebida e a serem vítimas de violência. “A Funai vai estar possibilitando a exposição dos indígenas à própria sorte”, destacou ela.

Mislene Mendes e a equipe de cinco pessoas da CR, estão questionando qual foi o critério para o fechamento da CTL. “Não levam em consideração essa CR ser uma das maiores do país. Foram dois golpes. O do decreto e a distribuição das CTLs atingidas”, afirmou, comparando a uma outra CTL que atende – muito menos, mas também não pouco – 12 mil pessoas.

No município de Jutaí, descendo o rio Solimões, a CTL que foi criada em 2014 jamais chegou a funcionar e os indígenas vivem sem apoio do Estado. Com isso, o Conselho dos Povos Indígenas de Jutaí (Copiju), movimento indígena que atua no município, acaba recorrendo à CR de Tabatinga em suas demandas. Mas agora, diante do enfraquecimento, vai ficar muito mais difícil serem atendidos. “O governo que tinha que nos apoiar, está nos invalidando”, avaliou Josimar Lopes de Oliveira, presidente do Copiju. Sempre questionando a perda de direitos e se pautando pela Constituição Federal de 1988, a Convenção 169 da OIT, o Copiju e centenas de indígenas da cidade foram a público apresentar suas reivindicações para as autoridades, sobretudo em relação à educação – o assunto local que mais está preocupando os indígenas – , contra a PEC 2015 e os demais retrocessos.

4 Jutaí Foto Antônio Neto.jpg

Mobilização dos povos indígenas de Jutaí. Foto: Antônio Miranda Neto/OPAN.

Além de Santo Antônio do Içá e Jutaí, o Amazonas teve manifestações em outros municípios como Itamarati (assista ao vídeo), São Paulo de Olivença e Manaus. País afora também participaram de suas ou de outras manifestações, aderindo por vezes até à greve geral de trabalhadores.

Agora o mês de abril terminou. Maio teve início violento contra o povo Gamela, no Maranhão. Mas os povos indígenas continuam. Fortes. E contando com apoio da sociedade, como canta Letícia Sabatella – letra de Carlos Rennó – no vídeo “Demarcação já”, as perspectivas podem mudar: “Por um mundo melhor ou pelo menos um mundo por vir, por um futuro melhor. Oxalá algum futuro para eles, para nós, por todos nós. Que nesse barco todo mundo junto está. Demarcação, já! Demarcação já!”.

Contatos com a imprensa

Dafne Spolti

dafne@amazonianativa.org.br

(65) 3322-2980 / 9 9223-2494

 

Matrias relacionadas

02/09/2017
A feira do pirarucu
21/10/2016
Nota de repdio da FEPOIMT
25/09/2015
Uma coisa puxa a outra
10/09/2015
Seminrio em Lbrea
22/08/2015
Lbrea sedia debate sobre gesto territorial
03/08/2015
Territrio feminino
17/07/2015
Vaga aberta para contratao de indigenista
18/06/2015
Um giro de 360 graus
01/06/2015
Imerso indigenista
06/03/2015
Seleo de indigenista para AM
SELECT id, titulo, data, horario, fotos, post_sub2_id AS post_sub_id, chamada, i_cadastro, arquivado FROM w186_post WHERE (i_publicacao<=NOW() OR i_publicacao=0) AND (i_expiracao>=NOW() OR i_expiracao=0) AND id!='450' AND post_sub2_id=2 AND aprovado!=0 ORDER BY i_cadastro DESC LIMIT 0, 8
16/08/17 - Sem dvida, a terra dos ndios
Aes de MT contra territrios tradicionais so derrubadas no STF.
03/08/17 - Nossa histria no comea em 1988!
#MarcoTemporalNo!
24/07/17 - Nota pblica
Organizaes repudiam aprovao de parecer da AGU que incide diretamente sobre a demarcao e o usufruto de povos indgenas sobre suas terras.
14/07/17 - Nota de repdio
Leia aqui nota de organizaes em repdio a portarias do Ministrio da Justia que representam retrocesso e autoritarismo na poltica indigenista.
08/06/17 - Vaga para coordenador de campo
OPAN lana edital para a contratao de um(a) coordenador(a) de campo para o Programa Mato Grosso. Inscries at 18 de junho.
23/05/17 - Direito roubado
Avaliao de indgenas e indigenistas sobre perda de direitos territoriais e regime de exceo do pas.
03/05/17 - ATL: Brasil, terra de indgenas
Povos indgenas reunidos em Braslia exigem direitos e protestam contra polticas anti-indgenas.
21/04/17 - Avaliao de impacto
No Abril Indgena, UFMT recebe discusso sobre direitos e hidreltricas.
Todos os direitos reservados para a Operação Amazônia Nativa - OPAN
Website Security Test