Facebook - OPAN Google+ - OPAN Twitter - OPAN Youtube - OPAN

Notcias

SELECT m.*, IF(LENGTH(fotos)<15 AND galeria=1,(SELECT id FROM w186_post_fotos WHERE post=m.id ORDER BY principal DESC, id LIMIT 1),fotos) AS fotoprinc FROM w186_post AS m WHERE m.id=518 - 518

Sementes de esperana em Mariwatsd

Por: Giovanny Vera/OPAN
Atividade tradicional de coleta fortalece mulheres Xavante na gesto de seu territrio.

Mulheres Xavante durante uma expedio de coleta.
Foto de Adriano Gambarini/OPAN

Terra Indígena Marãiwatsédé, Bom Jesus do Araguaia, MT – Os Xavante da Terra Indígena (TI) Marãiwatsédé, no Mato Grosso, vivem em uma área que desde a década de 1960 foi invadida por projetos agropecuários, tendo sua vegetação devastada por posseiros, quando recebeu o título de terra indígena mais desmatada em 2011. Em 2013, os Xavante receberam a posse definitiva de seu território e novos acordos foram estabelecidos para sua gestão. Dentro deste contexto, as mulheres de Marãiwatsédé se destacam no trabalho com as sementes, lutando e resistindo dia a dia mediante o uso tradicional de seus recursos e a ocupação de seu território. 

A TI Marãiwatsédé, com 165.241 hectares, retomada pelo povo Xavante em 2004, foi considerada em 2011 a terra indígena mais devastada da Amazônia Legal: teve 71,5% de sua superfície desmatada, de acordo com o Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal (Prodes). Com o intuito de reverter essa situação, desde 2009 diversas iniciativas de reflorestamento, fortalecimento das roças tradicionais e quintais em apoio à soberania alimentar e cultural do povo vêm sendo realizadas pelos indígenas junto com a OPAN. Atualmente a terra indígena ainda apresenta um cenário de áreas degradadas, com antigos pastos e sem a mata original.

É nesta paisagem que hoje em dia as mulheres Xavante realizam a coleta de sementes florestais, entre elas jatobá, urucum, jenipapo, inajá, tucum, pequi, caju, baru, xixá, feijão-guandu, carvoeiro e outras, que tradicionalmente são usadas para alimentação e rituais da comunidade. A novidade é que uma parte delas é vendida para a Associação Rede de Sementes do Xingu (ARSX), instituição parceira criada pelo Instituto Socioambiental (ISA) composta por grupos de indígenas e camponeses que coletam sementes da floresta e do Cerrado e as comercializa, com intuito de recuperar áreas degradadas.

coleta.jpg

Mulheres e crianças retornando da mata depois de coletar sementes. Foto: Arquivo OPAN

Com esta iniciativa, as coletoras de Marãiwatsédé mantêm e promovem sua cultura, garantem a alimentação das famílias e apoiam a gestão e o uso de seu território tradicional, enquanto geram uma pequena renda para a comunidade indígena.

Esperança nas sementes

A Associação Rede de Sementes do Xingu (ARSX) é formada por grupos de indígenas e camponeses que coletam sementes da floresta e do Cerrado e as comercializa, com intuito de recuperar áreas degradadas e gerar renda para os coletores.

Tudo começou em 2011, paradoxalmente o ano do maior desmatamento na terra indígena, quando coletores da ARSX visitaram Marãiwatsédé e apresentaram seu trabalho aos Xavante. Nessa ocasião foram mostrados os benefícios que a coleta oferece para a recuperação e reflorestamento de áreas degradadas e também o ganho social para os grupos coletores, como melhorias na alimentação das famílias e a geração de renda. Esta ação esteve acompanhada por um processo de sensibilização e debates entre os Xavante, indigenistas e técnicos para discutir as possibilidades de Marãiwatsédé de participar da iniciativa.

Depois desse trabalho as mulheres Xavante formaram o grupo Pi’õ Romnhá Ma’ubu’mrõiwa - que significa ‘Mulheres Coletoras de Sementes’ - com as primeiras 16 mulheres interessadas em participar. Logo iniciaram uma parceria com a ARSX, e, já organizadas, participaram de oficinas de formação em variados temas, como técnicas de manejo de espécies, etnomatemática, pesagem e outros, recebendo acompanhamento técnico. Como resultado desse primeiro ano, elas conseguiram entregar 30 quilos de sementes coletadas em Marãiwatsédé.

grupo-mulheres.jpg

Grupo das Pi’õ Romnhá Ma’ubu’mrõiwa na aldeia central da TI Marãiwatsédé. Foto: Arquivo OPAN.

“No começo eram poucas mulheres, a maioria anciãs”, disse Carolina Rewaptu, cacique da aldeia Madzabzé e elo do grupo de coletoras. “Mas com o tempo outras foram se animando porque viram que tinham resultados e que é importante para [a TI] Marãiwatsédé”, acrescentou.

Em 2012 e 2013 mais mulheres foram se incorporando ao grupo de coletoras, animadas pelos resultados mostrados pelas outras participantes. Com as capacitações e melhor organização, as coletas foram sendo aprimoradas e a produção mais eficiente.

O papel das coletoras de Marãiwatsédé se destaca tanto pelo histórico da luta pela terra como pelo papel da mulher nesta atividade, sendo uma peça fundamental para a conquista da soberania alimentar na comunidade. A coleta também se materializou em uma ferramenta de autonomia das mulheres Xavante, uma opção para a geração de renda e para a valorização de seu território, conforme explicou Carolina.

sementes-vermelha-preta.jpg

As sementes colhidas pelas Xavante de Marãiwatsédé são entregues com alta qualidede e limpeza. Foto: Arquivo OPAN.

Para Claudia Alves de Araújo, uma das diretoras da ARSX, além das coletoras apoiarem diretamente na gestão de seu território, ocupando-o, elas promovem o cuidado e a recuperação das áreas desmatadas. “É dessa vegetação que elas extraem as sementes que hoje alimentam seus filhos, que vai alimentar também amanhã, e elas sabem muito bem disso”, afirmou. Claudia destacou que a coleta é realizada de forma sustentável, para que a extração de sementes não seja prejudicial e para que produza ainda mais, considerando a precária situação da vegetação em Marãiwatsédé.

A coleta

Antigamente os Xavante realizavam expedições de caça e coleta em seu território que podiam durar entre duas semanas e três ou quatro meses, chamadas Dzomöri, e hoje em dia duram menos dias, explica a indigenista Sayonara da Silva em sua dissertação Alimentos, Restrições e Reciprocidade no Ritual Xavante do Wapté mnhõno (Terra Indígena Marãiwatsédé, Mato Grosso).

Atualmente as coletoras fazem a chamada Abahi, que é a coleta realizada na terra indígena e em seu entorno durante apenas um dia, e acontece normalmente em épocas secas (junho, julho, agosto, setembro), quando a maioria das sementes está amadurecendo.

A muvuca é uma técnica de semeadura direta com variedades de sementes que germinam simultaneamente e adubação verde, que é usada na recuperação de áreas degradadas.

Desde que participam da ARSX, o grupo de mulheres Pi’õ Romnhá Ma’ubu’mrõiwa elabora no final do ano uma lista potencial de produção de sementes disponíveis no território, na qual estimam quanto pretendem coletar para o ano seguinte. Os dados são enviados para a ARSX, que os compatibiliza com os pedidos dos compradores interessados nas sementes para suas muvucas. Posteriormente, a ARSX faz seu pedido de sementes para o semestre, definindo a quantidade de quilos por espécie que quer comprar. 

No mês de março de 2017, as coletoras de Marãiwatsédé apresentaram à ARSX seu potencial de coleta, e em maio a associação solicitou o pedido de sementes de 27 espécies.

Quando o pedido da ARSX chega, o grupo de mulheres realiza reuniões onde são mostradas fotos das espécies solicitadas, tanto da casca, da semente e da árvore, o nome da espécie na língua Xavante, e cada mulher escolhe as que quer coletar, a partir das sementes que há nas proximidades de suas aldeias. Uma dificuldade encontrada é sobre o entendimento relacionado a pesos e medidas, para o qual foi proposto o uso de garrafas PET com diferentes tamanhos e pesos distintos.

pet.jpg

As garrafas PET são usadas para armazenas as sementes coletadas. Foto: Arquivo OPAN.

Em agosto, setembro, outubro e novembro de 2017 foram realizadas reuniões para acompanhamento da coleta, pesagem e entrega de sementes pelas coletoras nas aldeias de Marãiwatsédé, de acordo com o pedido da Associação Rede de Sementes do Xingu. Em total as mulheres Xavante entregaram 769 kg de sementes, e o restante foi armazenado na Casa de Sementes como reserva para o próximo pedido. Parte deste estoque já foi incorporado na venda de sementes deste ano.

Exemplos na região

As coletoras da TI Marãiwatsédé participam ativamente de eventos onde compartilham conhecimentos e experiências conseguidos na ARSX. Nesses encontros também acontecem trocas de sementes que permitem que os grupos possam conseguir novas espécies ou sementes melhoradas, além de estabelecer e reafirmar relacionamentos que fortalecem suas instituições.

redexingu.jpg

Apresentação das coletoras de Marãiwatsédé durante um encontro da Rede de Sementes do Xingu. Foto: Arquivo OPAN.

Em 2017, as coletoras Xavante receberam o troféu Sementes da Resistência por terem conseguido o primeiro lugar na coleta de sementes de toda a ARSX no ano de 2016. “As Xavante normalmente saem para a mata para procurar e coletar o que a natureza lhes oferece. A coleta está presente na alimentação, cultura e tradição dos Xavantes”, explicou Carolina Pinheiro, indigenista da OPAN.

O engajamento das coletoras e os resultados conseguidos promoveram o destaque e reconhecimento para o grupo na comunidade, fortalecendo a autonomia das mulheres, sua cultura e conhecimento tradicional, além de ampliar a participação da mulher dentro da terra indígena como fora dela. Lídia, liderança da aldeia A'õpá, frisou que “a coleta de sementes valoriza a cultura do nosso povo, e com a venda de parte das sementes que coletamos, a gente pode ter o nosso dinheirinho para comprar café, roupa, sabonete, bolsa, facão”.

A coleta é mais um elemento na reconquista e valorização do território Xavante, é parte da história e também do futuro de Marãiwatsédé, “Começamos o trabalho para recuperar o nosso território que estava todo desmatado, tinha poucas sementes. A volta das matas e dos frutos para colher é importante para a cultura do nosso povo”, reconhece Carolina Rewaptu.

Contato com a imprensa 
Giovanny Vera
gio@amazonianativa.org.br 
(65) 3322-2980

Matrias relacionadas

12/08/2015
Mariwatsd em chamas
02/07/2015
Uma luz sobre Mariwatsd
18/06/2015
Um giro de 360 graus
10/06/2015
Sementes que inspiram
06/04/2015
Etnozoneamento em Mariwatsd
20/02/2015
Dois anos e grandes desafios
22/02/2013
Sem gua, sem sade
18/11/2014
Apurin realizam mutiro
13/10/2014
Mariwatsd dos Xavante!
12/08/2014
Um territrio em transformao
SELECT id, titulo, data, horario, fotos, post_sub_id AS post_sub_id, chamada, i_cadastro, arquivado FROM w186_post WHERE (i_publicacao<=NOW() OR i_publicacao=0) AND (i_expiracao>=NOW() OR i_expiracao=0) AND id!='518' AND post_sub_id=2 AND aprovado!=0 ORDER BY i_cadastro DESC LIMIT 8, 8
16/10/18 - Contratao de comunicador/jornalista
Busca-se jornalista com experincia em comunicao popular/indigenista
16/10/18 - Contratao de comunicador em audiovisual
Busca-se profissional com experincia em comunicao popular/indigenista
16/10/18 - Ensaio sobre a cegueira
Com inspirao e licena potica, vamos falar sobre meio ambiente e povos indgenas nessas eleies.
11/10/18 - Nota de protesto do Povo Myky
Indgenas rebatem publicao que afirma que teriam recebido Exrcito com flechadas durante eleies.
03/10/18 - Navegar preciso
Barco com estrutura de armazenamento e pr-beneficiamento reduz gastos e proporciona maior autonomia a manejadores do Mdio rio Juru.
22/09/18 - Xavante ocupa espao na poltica local
Pela primeira vez na regio do vale do Araguaia, um indgena Xavante assumiu a presidncia de uma Cmara Municipal.
17/09/18 - Um manejo colorido de urucum
Relato da Indigenista Tarsila dos Reis Menezes sobre a pesca manejada do povo Deni
17/09/18 - Infogrficos: o manejo de pirarucu
Dados mostram benefcios e desafios da atividade no Amazonas
Todos os direitos reservados para a Operação Amazônia Nativa - OPAN
Website Security Test