Facebook - OPAN Google+ - OPAN Twitter - OPAN Youtube - OPAN

Notcias

SELECT m.*, IF(LENGTH(fotos)<15 AND galeria=1,(SELECT id FROM w186_post_fotos WHERE post=m.id ORDER BY principal DESC, id LIMIT 1),fotos) AS fotoprinc FROM w186_post AS m WHERE m.id=545 - 545

Colocando as cartas na mesa

Por: Dafne Spolti/OPAN
No Belm + 30 Wajpi, Munduruku, Juruna e quilombolas do Abacatal apresentam seus protocolos de consulta e consentimento.

Alessandra Korap Munduruku falando sobre o protocolo de consulta para proteo territorial. Foto: Dafne Spolti/OPAN.

Belém, PA – Pioneiros na construção de estratégias de gestão territorial para se proteger de impactos causados por não indígenas, os Wajãpi, da Terra Indígena Waiãpi, no Amapá, foram protagonistas também na elaboração de um protocolo de consulta e consentimento, que orienta o Estado quanto à maneira como os indígenas devem ser consultados de forma livre, prévia e informada, como determina a Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), instrumento que tem sido usado por diversos povos para dar visibilidade sobre as implicações de grandes empreendimentos. Wajãpi, Munduruku, Juruna da Volta Grande do Xingu e quilombolas do Quilombo do Abacatal, na região metropolitana de Belém, compartilharam suas experiências na construção desses instrumentos na oficina “Povos da floresta: conexões e autodeterminação - ferramentas jurídicas e tecnológicas para a gestão territorial na Amazônia”*, no Congresso Internacional de Etnobiologia e Etnoecologia – Belém+30.


Painel prot consulta.jpg

Painel criado por Karla Dilascio durante a oficina. Foto: Dafne Spolti/OPAN.

“O governo tem que explicar bem o que vai afetar. Tem que explicar o projeto com calma para que todos entendam”, disse Viseni Wajãpi. Ele contou que em sua terra, que tem 94 aldeias e 1500 pessoas, não há um cacique geral, nem um cacique que representa uma aldeia, mas sim vários chefes, e que os Waijãpi são formados por cinco subgrupos. Dessa forma, concordaram que num processo legítimo teriam que ser ouvidos todos os chefes. “Um chefe não manda no outro chefe e nem representa todos os Wajãpi”, disse ele. Neste momento, o protocolo de consulta dos Wajãpi está sendo usado no processo de diálogo com o governo sobre um projeto de assentamento previsto para o entorno da terra indígena. “Sabemos que os vizinhos vivendo muito perto vão causar impactos sociais e ambientais para os Wajãpi. Por isso estamos sendo consultados”, explicou. Para criar o protocolo em 2014 eles fizeram oficinas e reuniões com os Wajãpi de todas as aldeias.


Viseni ok.jpg

Viseni Wajãpi. Foto: Dafne Spolti/OPAN.

Um dos casos mais conhecidos sobre resultados do protocolo de consulta e consentimento é o dos Munduruku. Eles conseguiram impedir a instalação da usina hidrelétrica São Luiz do Tapajós usando seu protocolo, onde estabelecem que todo o povo tem que ser escutado. Alessandra Korap Munduruku contou, porém, o quanto a luta foi difícil, que eles não queriam a usina porque traria destruição, mas ficavam sendo acuados em tentativas de cooptação, especialmente as lideranças. “Chegou uma mala de dinheiro para o cacique e ele disse ‘quem decide é o meu povo porque eles é que vão sofrer, meus filhos vão sofrer’”. Ela destacou o papel deles na proteção de todas as vidas que moram na terra, não só das pessoas, mas também dos bichos falando do tatu, da onça, e reforçou que não vão concordar com o que os destrói: “Nós não assinamos papel contra nosso povo, contra nosso território. O que vale é nosso protocolo de consulta”, disse ela.

Também no Pará, para a construção da usina de Belo Monte, muitos povos foram enganados, como destacou o Gilliarde Juruna, em referência a seu próprio povo, que mudou todo seu modo de vida e ficou dividido por conta da hidrelétrica. “Por isso fizemos nosso protocolo, como uma forma da gente não se separar”, contou. Ele disse que agora, com o protocolo, tiveram força para barrar a instalação da mineradora canadense Belo Sun. “Fomos o primeiro grupo a barrar uma mineradora”, disse Gilliarde, lembrando de uma recente e importante decisão do TRF-1 que suspendeu o processo de licenciamento da mineradora por desrespeito ao direito de os indígenas serem consultados.

Gilliarde.jpg

Juruna falando sobre seu protocolo de consulta e consentimento. Gilliarde à esquerda. Foto: Dafne Spolti/OPAN.

Vívia e Francisdalva Cardoso apresentaram um contexto diferente dos indígenas, mas também de muitas ameaças sobre o Comunidade Remanescente de Quilombo do Abacatal, que existe há 308 anos em Ananindeua, que sofre por várias pressões, como loteamentos, falta de saneamento, rodovias, além de perseguição religiosa. Recentemente, a comunidade participou da revisão do Plano Diretor de Ananindeua exigindo o cumprimento das etapas do seu protocolo de consulta e consentimento.


Viviá e Fran.jpg

Viviá e Francisvalda apresentando protocolo de consulta e consentimento. Foto: Dafne Spolti/OPAN.

Segundo Vívia, no protocolo de consulta a associação, que é composta por nove mulheres e um homem, é escutada antes e, depois, o restante da comunidade: primeiro as mulheres, então os homens, crianças, pessoas com deficiência, velhos, religiosos, todos, por meio de reuniões. Vívia destacou, ainda, a importância de as pessoas estarem unidas. “A gente tem que entrar em consenso sempre porque usamos a mesma água, a mesma floresta, a mesma terra”, disse ela.

Ângela Kaxuyana, da Terra Indígena Kaxuyana/Kanayana, que é da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia (Coiab), lembrou que com ou sem protocolo os povos devem ser ouvidos e que o instrumento foi criado para facilitar a comunicação com os kariva [não indígenas], que, segundo ela, não entendem de oralidade. “Nossos protocolos sempre existiram. Não é uma escrita”, disse, destacando que a consulta aos povos já é um direito garantido.

* Leia aqui sobre o uso de ferramentas tecnológicas para gestão territorial.

Contatos com a imprensa

Dafne Spolti
dafne@amazonianativa.org.br
(92) 3213-5088 / 9 8405-1757
(65) 9 9223-2494 - WhatsApp

Matrias relacionadas

21/08/2018
A parte mais viva de Mato Grosso
16/08/2018
Muito alm de um clique
12/03/2018
UHE Castanheira: repetio de equvocos
23/11/2017
Uma rede mais madura
16/06/2016
Licenciamento a jato em discusso
05/04/2016
Consulta a jato
SELECT id, titulo, data, horario, fotos, post_sub2_id AS post_sub_id, chamada, i_cadastro, arquivado FROM w186_post WHERE (i_publicacao<=NOW() OR i_publicacao=0) AND (i_expiracao>=NOW() OR i_expiracao=0) AND id!='545' AND post_sub2_id=2 AND aprovado!=0 ORDER BY i_cadastro DESC LIMIT 0, 8
03/09/18 - Nota de pesar sobre o incndio no Museu Nacional
03/09/18 - ndio Presente: a srie
Confira a entrevista com o diretor Srgio Lobato
29/08/18 - Edital: professor de lngua inglesa
OPAN abre processo seletivo para profissionais interessados em ministrar 15 aulas de ingls
16/08/18 - Muito alm de um clique
Belm+30 abre discusses sobre ferramentas tecnolgicas para proteo de povos e territrios.
09/08/18 - Mais uma nota contra o parecer 001 da AGU
Organizaes repudiam o parecer e exigem sua revogao imediata.
07/08/18 - Vaga para facilitao de oficina
Inscries at dia 10 de agosto.
17/07/18 - Edital de seleo pblica - Repartio de Benefcios do Mdio Juru
Inscries abertas at 21 de setembro de 2018.
13/06/18 - Sem PSC e bancada ruralista
Servidores da Funai se manifestam contra loteamento de cargos, pelo fim dos retrocessos, em prol do fortalecimento da instituio.
Todos os direitos reservados para a Operação Amazônia Nativa - OPAN
Website Security Test