05 de maio de 2011

Por: Comunicação OPAN NOTA PÚBLICA Na esteira das atrocidades cometidas pelos deputados estaduais mato-grossenses e pelo governador Silval Barbosa, que aprovaram o substitutivo 3 da proposta de zoneamento socioeconômico e ecológico do estado (ZEE-MT), a OPAN vem a público manifestar sua indignação em relação à exclusão sumária de 13 terras indígenas que constavam na primeira […]

Por: Comunicação OPAN

NOTA PÚBLICA

Na esteira das atrocidades cometidas pelos deputados estaduais mato-grossenses e pelo governador Silval Barbosa, que aprovaram o substitutivo 3 da proposta de zoneamento socioeconômico e ecológico do estado (ZEE-MT), a OPAN vem a público manifestar sua indignação em relação à exclusão sumária de 13 terras indígenas que constavam na primeira versão do projeto de zoneamento, esta sim discutida e avalizada pela sociedade.

Das 69 terras indígenas em Mato Grosso listadas na primeira proposta de zoneamento, apenas 56 constam na versão aprovada pelo governador no dia 19 de abril, o que configurou mais um duro golpe aos povos indígenas em pleno Dia do Índio.

Ao analisar informações sobre as terras indígenas excluídas pelo governo de Mato Grosso, a OPAN identificou uma profusão de equívocos. Há terras indígenas desenhadas no mapa da proposta, mas não citadas no projeto de lei. Para a OPAN, isso evidencia mais que uma total falta de critério por parte dos parlamentares e do executivo estadual. Mostra que as terras indígenas foram usadas como meros recursos cartográficos no zoneamento, assim como são os rios, as estradas, as cidades.

Este foi o caso da TI Irantxe e da TI Batovi, que já estão inclusive registradas. Ou seja, tiveram o processo de criação concluído. De modo algum elas poderiam ser limadas como se não existissem e ao bel-prazer de interesses ruralistas. Ainda assim, lembramos que só pelo fato de haver um processo de criação em curso, que envolve as etapas de estudo, identificação, declaração, demarcação, homologação e finalmente registro, a legislação federal reconhece formalmente o direito dos povos indígenas sobre esses territórios em todas as fases.

Tabela 1: Status de criação das terras indígenas eliminadas da proposta de zoneamento aprovada em Mato Grosso.

Terras indígenas excluídas da proposta de zoneamento de MT Povo indígena Status de criação (fonte: Funai) Município
TI Baía dos Guatós Guató Declarada Barão de Melgaço e Poconé
TI Batelão Kaiabi Declarada Juara, Nova Canaã do Norte, Tabaporã
TI Batovi Waurá Registrada Gaúcha do Norte
TI Cacique Fontoura Karajá Declarada Luciara e São Félix do Araguaia
TI Estação Parecis Pareci Identificada Diamantino e Nortelândia
TIManoki/Irantxe Irantxe Registrada, em processo de ampliação Brasnorte
TI Kayabi Kayabi Declarada Apiacás
TI Kawahiva do Rio Pardo Isolados Identificada Colniza
TI Pequizal do Naruvôtu Naravute Declarada Canarana e Gaúcha do Norte
TI Piripkura Isolados Restrição de uso Colniza e Rondolândia
TI Ponte de Pedra Pareci Declarada Campo Novo do Parecis, Diamantino e Nova Maringá
TI Portal do Encantado Chiquitano Declarada Pontes e Lacerda, Porto Esperidião e Vila Bela da Santíssima Trindade
TI Uirapuru Pareci Declarada Campos de Julio e Nova Lacerda

As terras indígenas eliminadas somam aproximadamente 2 milhões de hectares, sendo que sua maior parte está em excelente estado de conservação ambiental. Curiosamente, as áreas excluídas localizam-se em municípios que sofrem forte influência política dos mesmos deputados que deturparam a versão original do zoneamento. Essas zonas estão em avançado processo de degradação ambiental para conversão de paisagens naturais em monocultura de grãos e pecuária, à revelia de direitos indígenas nessas regiões.

A OPAN, assim como outras organizações de interesse social de Mato Grosso, só teve acesso aos mapas e aos anexos do zoneamento aprovado graças à pressão que as entidades fizeram junto ao Ministério Público, pois essas informações, públicas, e que ameaçam de forma tão grave os povos indígenas, não estavam disponíveis para a sociedade até duas semanas após a sanção do governador.

O zoneamento, tal como foi aprovado, abre precedentes para a consolidação de modelos predatórios de ocupação nessas áreas em litígio, o que poderá se constituir como empecilho definitivo à posse e domínio indígenas uma vez concluídos os trâmites legais para o estabelecimento de seus territórios previstos na Constituição do país.

Diante disso, reforçamos nossa posição de repúdio à versão final do zoneamento sancionada pelo governador Silval Barbosa e conclamamos o Ministério Público Federal, o governo federal e demais organizações socioambientais a agir em prol da defesa dos direitos constituídos das populações indígenas do Mato Grosso.

OPERAÇÃO AMAZÔNIA NATIVA

OPAN

A OPAN foi a primeira organização indigenista fundada no Brasil, em 1969. Atualmente suas equipes trabalham em parceria com povos indígenas do Amazonas e do Mato Grosso, desenvolvendo ações voltadas à garantia dos direitos dos povos, gestão territorial e busca de alternativas de geração de renda baseadas na conservação ambiental e na manutenção das culturas indígenas.

Contatos com imprensa

Andreia Fanzeres: +55 65 33222980 / 81115748

Email: comunicacao@amazonianativa.org.br

OPAN – Operação Amazônia Nativa

http://www.amazonianativa.org.br

COMO EVITAR A SAVANIZAÇÃO DA AMAZÔNIA

05 Set, 2022

Iniciativas de manejo sustentável de produtos da sociobiodiversidade são soluções que protegem a floresta, enquanto geram renda justa para comunidades indígenas.

Brô Mc’s: conheça o primeiro grupo de rap indígena a pisar no Rock in Rio

01 Set, 2022

Maior festival de música do mundo terá palco demarcado pela resistência indígena. Nos bastidores, grupo vai trazer mensagem especial sobre os isolados, indígenas que rejeitam contato com o restante da sociedade.

Vale do Javari: associação entre crimes ambientais e narcotráfico atualiza modus operandi do sistema seringalista

26 Ago, 2022

Apesar do histórico de massacres, exploração de recursos naturais e mão de obra escravizada, a região já vivenciou momentos de maior estabilidade quando o Estado se fez presente.
Nossos Parceiros
Ver Mais