10 de maio de 2011

Por: Comunicação OPAN. São Félix do Araguaia (MT) – Os índios Xavante da TI Marãiwatsédé participaram de uma oficina com coletores da Rede de Sementes do Xingu, com o objetivo de conhecer a estrutura e o funcionamento da iniciativa tendo em vista a formação de um grupo de indígenas capacitados para a atividade. O evento foi […]

Por: Comunicação OPAN.

São Félix do Araguaia (MT) – Os índios Xavante da TI Marãiwatsédé participaram de uma oficina com coletores da Rede de Sementes do Xingu, com o objetivo de conhecer a estrutura e o funcionamento da iniciativa tendo em vista a formação de um grupo de indígenas capacitados para a atividade. O evento foi apoiado pela OPAN e contou com a parceria da Associação de Educação e Assistência Social e de agricultores dos assentamentos D. Pedro, em São Félix Araguaia, e Manah, em Canabrava do Norte, na região do baixo Araguaia.

A Rede de Sementes do Xingu realiza um processo continuado de formação de coletores de sementes nas cabeceiras do rio Xingu para colocar nos mercados local e regional – com elevado passivo ambiental – espécies da flora nativa para recuperação de áreas degradadas. Pretende ainda estabelecer uma plataforma de troca e comercialização de sementes, valorizando seus usos culturais diversos, o diálogo e a geração de renda para agricultores familiares e povos indígenas.

A inserção dos Xavante nesta proposta pode ser estratégica para a sustentabilidade do povo que vive na TI Marãiwatsédé, considerada a terra indígena mais devastada da Amazônia, com cerca de 85% de sua área natural convertida em pastagens e lavouras de soja. Eles poderão buscar alternativas de geração de renda e de uso sustentável dos recursos naturais, como forma de apoio à permanência dos jovens na terra e ao fortalecimento de práticas tradicionais, como a coleta de frutos feita pelas mulheres. “Foi uma oportunidade de contato com um projeto interessante que articula a questão ambiental com a geração de renda”, relata Carolina Delgado de Carvalho, indigenista da OPAN.

Ao final do evento, cinco mulheres coletoras formaram um grupo, que passará a participar dos eventos regionais da Rede com intenção de realizar sua primeira venda de sementes ainda este ano.

OPAN

A OPAN foi a primeira organização indigenista fundada no Brasil, em 1969. Atualmente suas equipes trabalham em parceria com povos indígenas do Amazonas e do Mato Grosso, desenvolvendo ações voltadas à garantia dos direitos dos povos, gestão territorial e busca de alternativas de geração de renda baseadas na conservação ambiental e na manutenção das culturas indígenas.

Contatos com imprensa

Andreia Fanzeres: +55 65 33222980 / 81115748

Email: comunicacao@amazonianativa.org.br

OPAN – Operação Amazônia Nativa

http://www.amazonianativa.org.br

 

COMO EVITAR A SAVANIZAÇÃO DA AMAZÔNIA

05 Set, 2022

Iniciativas de manejo sustentável de produtos da sociobiodiversidade são soluções que protegem a floresta, enquanto geram renda justa para comunidades indígenas.

Brô Mc’s: conheça o primeiro grupo de rap indígena a pisar no Rock in Rio

01 Set, 2022

Maior festival de música do mundo terá palco demarcado pela resistência indígena. Nos bastidores, grupo vai trazer mensagem especial sobre os isolados, indígenas que rejeitam contato com o restante da sociedade.

Vale do Javari: associação entre crimes ambientais e narcotráfico atualiza modus operandi do sistema seringalista

26 Ago, 2022

Apesar do histórico de massacres, exploração de recursos naturais e mão de obra escravizada, a região já vivenciou momentos de maior estabilidade quando o Estado se fez presente.
Nossos Parceiros
Ver Mais