09 de junho de 2011

Lábrea (AM) Uma das principais demandas de povos indígenas, ribeirinhos e extrativistas do sul do Amazonas, a sustentabilidade da atividade pesqueira, será tema de um grande evento que acontece entre os dias 15 e 17 de junho, em Lábrea: “Seminário sobre Pesca Sustentável”, promovido pelo Projeto Aldeias, um consórcio OPAN e Visão Mundial. Durante o […]

Lábrea (AM)

Uma das principais demandas de povos indígenas, ribeirinhos e extrativistas do sul do Amazonas, a sustentabilidade da atividade pesqueira, será tema de um grande evento que acontece entre os dias 15 e 17 de junho, em Lábrea: “Seminário sobre Pesca Sustentável”, promovido pelo Projeto Aldeias, um consórcio OPAN e Visão Mundial.

Durante o evento, representantes da Colônia de Pescadores Z-11 de Lábrea, da Associação de Pescadores (APEL), da Associação dos Trabalhadores Agroextrativistas do Médio Purus (Resex Médio Purus e Resex Ituxi) e indígenas do rio Tapauá terão a oportunidade de expor as questões mais relevantes em relação à pesca, e propor alternativas para a solução de disputas na região. Essas representações, assim como a Federação das Organizações e Comunidades Indígenas do Médio Purus (FOCIMP), o Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB), Conselho Nacional dos Seringueiros (CNS), Comissão Pastoral da Terra (CPT), Coordenação Regional da Funai Purus e Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), constituem um grupo de trabalho formado após a passagem da Operação Arco Verde, que nos últimos meses têm tido importantes discussões sobre estratégias visando a sustentabilidade da pesca.

Também confirmaram presença integrantes do Ministério da Pesca, ICMBio, Funai e Núcleo de Pesca da Secretaria de Desenvolvimento Sustentável do Amazonas (SDS), que debaterão a regulamentação, as leis e as perspectivas de acordos de pesca no Médio Purus.

Lábrea tem enorme potencial para o aproveitamento da pesca dentro e fora de terras indígenas e reservas extrativistas, que cercam a zona urbana da cidade. No entanto, não há registro de licenciamento ambiental para a atividade pesqueira, situação que requer regulamentação para o uso responsável dos recursos naturais na região. Por este motivo, as discussões do seminário envolverão mais do que apenas a regularização do setor, mas o modelo de desenvolvimento que se deseja para o sul do Amazonas, que tem apresentado taxas alarmantes de desmatamento para expansão da fronteira agropecuária.

“O seminário pretende dar os primeiros passos no processo de fortalecimento e da sustentabilidade da cadeia pesqueira do Médio Purus, diante das transformações sociais e econômicas que incidem sobre esta região”, explica Miguel Aparicio, gestor executivo do Projeto Aldeias.

Confira a programação:

Dia 15 de junho (quarta-feira)

MANHÃ

08:00-09:00 – Credenciamento
09:00-09:30 – Abertura do Seminário
MESA 1: Situação da Pesca Sob Uma Perspectiva dos Atores Locais
09:30-12:00
· Colônia de Pescadores Z-11 de Lábrea
· Associação dos Pescadores de Lábrea (APEL)
· Associação dos Trabalhadores Agroextrativistas do Médio Purus (RESEX Médio Purus)
· Representantes indígenas da Foz do rio Tapauá
12:00 – Almoço

TARDE
MESA 2: Apresentação de Diagnósticos da Pesca na Região
14:00 – 16:15
· Ministério da Pesca e Aqüicultura (MPA – Brasília)
· Operação Amazônia Nativa (OPAN)
· Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SDS/AM)
16:15-16:30 – Intervalo
16:30-17:00 – Apresentação Zoneamento – SDS/AM
17:00-17:15 – Debate
17:30-18:00 – Considerações Finais e Encerramento do Primeiro Dia
Dia 16 de Junho (quinta-feira)
MANHÃ
MMESA 3: Regulamentação, Leis e Perspectivas sobre Acordos de Pesca na Região do Purus
08:00-10:30
ICMBio
· FUNAI
· IBAMA
· IPAAM
10:30-10:45 – Intervalo
10:45-12:00 – Debate
12:00 – Almoço
TARDE
MESA 4: Infraestrutura para a Cadeia Sustentável da Pesca
14:00-14:30 – Sustentabilidade X Projetos de Infraestrutura
14:30-15:00 – Arco Verde
15:00-15:30 – Secretaria Municipal de Produção de Lábrea/AM
15:30-16:00 – Debate
16:00-16:15 – Intervalo
16:15-16:45 – Câmara Municipal
16:45-17:15 – Banco do Amazonas
17:15-17:45 – SEPA/SEPROR
17:45-18:00 – Encerramento do Segundo Dia
Dia 17 de Junho (sexta-feira)
MANHÃ
MESA 5: Experiências em Busca da Sustentabilidade
08:00-10:30
· OPAN
· Instituto Piagaçu-Purus
· Acordo de Pesca Médio Solimões – Colônia de Pesca Z-23
10:30-10:45 – Intervalo
10:45-12:00 – Continuação das Apresentações
12:00 – Almoço

TARDE
Sistematização, Síntese e Encaminhamentos
14:00 – Sistematização, Síntese e Encaminhamentos à | Grupos de trabalho | Debates | Propostas de Continuação dos Trabalhos e Diálogo entre as Instituições |
17:00 – Encerramento

Projeto Aldeias

O Projeto Aldeias desenvolve-se em sete terras indígenas do estado do Amazonas, nas bacias dos rios Purus, Juruá e Jutaí. É uma iniciativa da OPAN em parceria com Visão Mundial, iniciada em outubro de 2008, e que conta com o apoio da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID). Os dois objetivos principais do programa são: apoio à conservação da biodiversidade e ao manejo de recursos naturais nas terras indígenas Katukina do Biá, Deni, Paumari do Rio Cuniuá, Paumari do Lago Paricá e Paumari do Lago Manissuã; e o fortalecimento das organizações indígenas de base, organizações locais e organizações regionais. Há também uma componente desenvolvida em parceria com a Coordenação de Índios Isolados e de Recente Contato (FUNAI/ CGIIRC), de proteção etnoambiental dos povos indígenas Hi Merimã e Suruaha, no marco da Frente Purus de Proteção Etno-ambiental.

Contatos com imprensa

Andreia Fanzeres: +55 65 33222980 / 81115748

Email: comunicacao@amazonianativa.org.br

OPAN – Operação Amazônia Nativa

http://www.amazonianativa.org.br

Flores, lágrimas e força

28 Nov, 2022

Países insulares seguem sendo grandes propulsores de avanços no debate sobre clima no mundo. Povos indígenas exigem participação em fundo sobre perdas e danos.

A PNGATI e a esperança por dias melhores

09 Nov, 2022

De diversas regiões da Amazônia, representantes indígenas compartilham na COP27 reflexões e experiências sobre a PNGATI à luz do novo governo no Brasil.

Brasil dá seu recado no Egito

05 Nov, 2022

Delegação da Amazônia brasileira abre trabalhos na COP27 com contribuições técnicas na reunião da Plataforma Indígena da UNFCCC. Barreira do idioma ainda é desafio.
Nossos Parceiros
Ver Mais