27 de junho de 2011

Aldeia Japuíra, TI Myky (MT) O povo Myky comemorou com festa e homenagens os 40 anos do contato com não indígenas, realizado em 13 de junho de 1971. Dois dos quatro integrantes da expedição que marcou as primeiras comunicações com os índios estavam presentes na aldeia Japuíra para a celebração: o padre jesuíta Thomaz de […]

Aldeia Japuíra, TI Myky (MT)

O povo Myky comemorou com festa e homenagens os 40 anos do contato com não indígenas, realizado em 13 de junho de 1971. Dois dos quatro integrantes da expedição que marcou as primeiras comunicações com os índios estavam presentes na aldeia Japuíra para a celebração: o padre jesuíta Thomaz de Aquino Lisbôa, coordenando a equipe da Missão Anchieta, e o índio Maurício Tupxi, da etnia Manoki. Os Myky agradeceram o contato respeitoso e pacífico, que foi determinante para a recuperação populacional e cultural numa época marcada por massacres aos povos indígenas que se encontravam no caminho das frentes de ocupação do noroeste do Mato Grosso, quando foram contactadas apenas 23 pessoas dessa etnia na região do rio Papagaio. Hoje, os Myky somam 110 integrantes.

Na véspera do quadragésimo aniversário do encontro, os índios caçaram, pescaram, prepararam bijus e chichas para os convidados. Na manhã do dia seguinte, todos se apresentaram pintados com urucum e jenipapo para festa. Sob a sombra de uma árvore no centro do pátio da aldeia, Thomaz e Maurício observaram a saída de um grupo composto por homens, mulheres, idosos e crianças da casa tradicional, cantando e dançando. Os homenageados ouviram também discursos emocionantes, como de Inocêncio, Paulínia, Claudio, Nilo, Janaxí e Celso, que demonstraram gratidão pelos serviços prestados ao povo durante todos esses anos, além de tristeza e respeito na lembrança dos antepassados. Depois disso, os Myky prepararam uma farta refeição com biju e carne de caça, peixe e chicha.

Todos os anos a data do contato é lembrada pelo povo Myky, mas este ano as homenagens foram especiais. As equipes de saúde e do Projeto Berço das Águas, da OPAN, assistiram às celebrações na aldeia e foram cumprimentados pelos índios pelo apoio que a instituição tem dado ao povo. Os parentes Manoki também participaram da celebração, que se tornou uma oportunidade de reafirmação da cultura e transmissão de conhecimentos tradicionais aos mais novos.

O povo Myky vive em uma única aldeia na TI Menkü, que tem 47 mil hectares, no município de Brasnorte. Como outras terras indígenas na região, seu território encontra-se extremamente pressionado pelas frentes de desmatamento, tendo havido registros de furto de madeira, queimadas e corte raso em áreas consideradas sagradas, mas ainda não incorporadas legalmente à área protegida. O padre Thomaz de Aquino Lisbôa vive entre os Myky desde 1976.

Dica de leitura:

Entre o povo Menkü – Thomaz de Aquino Lisbôa

OPAN

A OPAN foi a primeira organização indigenista fundada no Brasil, em 1969. Atualmente suas equipes trabalham em parceria com povos indígenas do Amazonas e do Mato Grosso, desenvolvendo ações voltadas à garantia dos direitos dos povos, gestão territorial e busca de alternativas de geração de renda baseadas na conservação ambiental e na manutenção das culturas indígenas.

Contatos com imprensa

Andreia Fanzeres: +55 65 33222980 / 81115748

Email: comunicacao@amazonianativa.org.br

OPAN – Operação Amazônia Nativa

http://www.amazonianativa.org.br

Indígenas da bacia do Juruena participam de festival de cinema em Brasília

02 Dez, 2022

Foram selecionadas duas produções audiovisuais do Coletivo Ijã Mytyli de Cinema Manoki e Myky e uma do povo Enawenê-Nawê

Flores, lágrimas e força

28 Nov, 2022

Países insulares seguem sendo grandes propulsores de avanços no debate sobre clima no mundo. Povos indígenas exigem participação em fundo sobre perdas e danos.

A PNGATI e a esperança por dias melhores

09 Nov, 2022

De diversas regiões da Amazônia, representantes indígenas compartilham na COP27 reflexões e experiências sobre a PNGATI à luz do novo governo no Brasil.
Nossos Parceiros
Ver Mais