23 de março de 2012

Livro conta detalhes sobre a história de luta do povo Xavante e dos 20 anos de espera pela devolução de seu território. Por: Comunicação OPAN Cuiabá (MT) – Os contornos desiguais do debate sobre o domínio da Terra Indígena Marãiwatsédé, no nordeste de Mato Grosso, motivaram uma verdadeira força-tarefa para registro, pesquisa e edição de uma […]

Livro conta detalhes sobre a história de luta do povo Xavante e dos 20 anos de espera pela devolução de seu território.

Por: Comunicação OPAN

Cuiabá (MT) – Os contornos desiguais do debate sobre o domínio da Terra Indígena Marãiwatsédé, no nordeste de Mato Grosso, motivaram uma verdadeira força-tarefa para registro, pesquisa e edição de uma obra que já nasce como referência para as discussões sobre o povo Xavante. Com apoio da Articulação Xingu Araguaia (AXA), acaba de ser lançado Marãiwatsédé – Terra de Esperança, um livro que reúne elementos históricos, culturais, jurídicos e antropológicos para a compreensão do que está em jogo quando os Xavante afirmam que de sua terra não vão mais sair.

O livro, de 58 páginas, foi escrito pelo indigenista Marcos de Miranda Ramires, que viveu entre os Xavante entre 2009 e 2011, realizando levantamentos e reunindo documentos essenciais na região sobre o processo articulado com apoio de políticos para a invasão do território de Marãiwatsédé após o anúncio de que aquela terra seria devolvida aos indígenas que haviam sido retirados à força de lá nos anos 60, durante a ditadura militar. Graças a este movimento organizado de grilagem e conversão de florestas em pastagens e lavouras, Marãiwatsédé ficou marcada como a Terra Indígena mais desmatada da Amazônia brasileira.

De maneira bem clara e objetiva, o texto traz também características da cultura Xavante, dados e mapas atuais sobre a situação ambiental no território, além de imagens emocionantes do cotidiano de Marãiwatsédé tiradas por diversos colaboradores e pelo renomado fotógrafo Adriano Gambarini.

A publicação deste livro marca o início da campanha que cobra o cumprimento das promessas feitas 20 anos atrás, durante a Eco 92, quando o governo brasileiro e a empresa italiana Agip Petróleo, que ocupava o território Xavante, se comprometeram a devolver o território aos seus legítimos donos. Mesmo após a sentença judicial proferida no Tribunal Regional Federal da 1ª Região, em 2010, que reconheceu o direito dos Xavante ao território e considerou que os ocupantes não indígenas entraram na área de má-fé, até agora ninguém foi retirado. E, lamentavelmente, os Xavante seguem sofrendo ameaças à sua integridade física, cultural e territorial, só podendo circular por cerca de 10% da área homologada pelo presidente da República desde 1998.

Marãiwatsédé – Terra de Esperança pode ser adquirido na sede da OPAN em Cuiabá pelo preço de R$ 40 ou através dos contatos 65 33222980 e  e-mail comunicação@amazonianativa.org.br .

Sobre a Terra Indígena Marãiwatsédé

A Terra Indígena Marãiwatsédé tem 165 mil hectares nos municípios de Alto Boa Vista, Bom Jesus do Araguaia e São Félix do Araguaia, no nordeste de Mato Grosso. Pertence às bacias do Araguaia e do Xingu. Atualmente o povo Xavante de Marãiwatsédé vive em uma aldeia com cerca de 800 pessoas. Nos anos 60, os Xavante foram retirados à força de sua área tradicional pelo governo militar, por isso hoje sua principal luta é pela recuperação da soberania alimentar e territorial em uma área que, apesar de homologada desde 1998, permanece invadida por latifundiários produtores de grãos e gado.

Contatos com a imprensa
comunicacao@amazonianativa.org.br
(65) 3322-2980

Indígenas da bacia do Juruena participam de festival de cinema em Brasília

02 Dez, 2022

Foram selecionadas duas produções audiovisuais do Coletivo Ijã Mytyli de Cinema Manoki e Myky e uma do povo Enawenê-Nawê

Flores, lágrimas e força

28 Nov, 2022

Países insulares seguem sendo grandes propulsores de avanços no debate sobre clima no mundo. Povos indígenas exigem participação em fundo sobre perdas e danos.

A PNGATI e a esperança por dias melhores

09 Nov, 2022

De diversas regiões da Amazônia, representantes indígenas compartilham na COP27 reflexões e experiências sobre a PNGATI à luz do novo governo no Brasil.
Nossos Parceiros
Ver Mais