16 de outubro de 2012

Iniciativa apoia também atividades produtivas com subgrupos Nambiquara neste território. Por: Comunicação OPAN Comodoro (MT) – O povo indígena Nambiquara/Sabanê recebeu com entusiasmo a equipe do Projeto Berço das Águas para a primeira oficina de elaboração do plano de gestão territorial. As atividades aconteceram entre os dias 11 e 15 de setembro na Terra Indígena Pirineus […]

Iniciativa apoia também atividades produtivas com subgrupos Nambiquara neste território.

Por: Comunicação OPAN

Comodoro (MT) – O povo indígena Nambiquara/Sabanê recebeu com entusiasmo a equipe do Projeto Berço das Águas para a primeira oficina de elaboração do plano de gestão territorial. As atividades aconteceram entre os dias 11 e 15 de setembro na Terra Indígena Pirineus de Souza (28 mil hectares), no município de Comodoro, em área de transição entre o Cerrado e a floresta amazônica.

O objetivo desta etapa do trabalho foi realizar um diagnóstico rápido participativo das atividades de caça, pesca, roça e coleta, citadas pelos indígenas como diretamente ligadas à produção local de alimentos, artesanatos, utensílios, instrumentos musicais e renda. Esses recursos são amplamente dominados pelos indígenas quanto à sua diversidade, localização e o manejo. Eles foram convidados a elaborar mapas temáticos sobre os recursos utilizados e apresentaram desenhos ricos em detalhes. Esses materiais serão importantes para a composição de seu plano de gestão territorial, cujas reflexões para sua elaboração já tiveram início.
 
“Isso vai ser muito bom. Ninguém conhece a gente, estamos escondidos. O plano vai ser muito bom para as pessoas conhecerem a gente”, disse um dos líderes, Leonel Tawandê. Por outro lado, na Terra Indígena Pirineus de Souza, o projeto chega também com a vertente de apoiar a realização de atividades produtivas, neste caso contribuindo para aumentar a quantidade e variedade de espécies da agricultura dos próprios Sabanê. O Projeto Berço das Águas é executado pela Operação Amazônia Nativa (OPAN) e patrocinado pela Petrobras, através do Programa Petrobras Ambiental.
Os Sabanê estão divididos em sete pequenas aldeias, totalizando 309 pessoas. São falantes da língua Sabanê, pertencente à família linguística nambiquara. Cultivam roças de mandioca, feijões, batata, milho, cará, entre outros. Mas o destaque para a geração de renda tem sido a produção de banana, atualmente vendida na cidade de Vilhena (RO), a cerca de 20 quilômetros da terra indígena. Os Sabanê costumam, ainda, realizar expedições de caça para os rituais e coletam frutos como o patuá, buriti e tucum, importantes para alimentação e artesanato. Reconhecem em seu território diferentes unidades de paisagens como mata alta e baixa, cerrado alto, campos, vargem (campos alagados), cavernas, patuazal e taquaral.
 
Projeto Berço das Águas
O quê: Projeto para elaborar planos de gestão territorial em terras indígenas da bacia do rio Juruena e fomentar cadeias produtivas de frutos nativos do Cerrado e da Amazônia para fins de geração de renda e sustentabilidade ambiental dos territórios.
Para quê: Apoiar a gestão territorial e a melhoria das condições de vida dos povos Manoki, Myky, Nambiquara/Sabanê.
Quando: 2011-2012
Quem: Operação Amazônia Nativa (OPAN), com patrocínio da Petrobras através do Programa Petrobras Ambiental
Onde: Terras Indígenas Myky e Manoki, no município de Brasnorte, Tirecatinga, no município de Sapezal e Pirineus de Souza, no município de Comodoro (MT).

OPAN
A OPAN foi a primeira organização indigenista fundada no Brasil, em 1969. Atualmente suas equipes trabalham em parceria com povos indígenas do Amazonas e do Mato Grosso, desenvolvendo ações voltadas à garantia dos direitos dos povos, gestão territorial e busca de alternativas de geração de renda baseadas na conservação ambiental e no fortalecimento das culturas indígenas.

Contatos com imprensa
Andreia Fanzeres:                         +55 65 33222980             / 84765620
Email: comunicacao@amazonianativa.org.br
OPAN – Operação Amazônia Nativa
http://www.amazonianativa.org.br

Indígenas da bacia do Juruena participam de festival de cinema em Brasília

02 Dez, 2022

Foram selecionadas duas produções audiovisuais do Coletivo Ijã Mytyli de Cinema Manoki e Myky e uma do povo Enawenê-Nawê

Flores, lágrimas e força

28 Nov, 2022

Países insulares seguem sendo grandes propulsores de avanços no debate sobre clima no mundo. Povos indígenas exigem participação em fundo sobre perdas e danos.

A PNGATI e a esperança por dias melhores

09 Nov, 2022

De diversas regiões da Amazônia, representantes indígenas compartilham na COP27 reflexões e experiências sobre a PNGATI à luz do novo governo no Brasil.
Nossos Parceiros
Ver Mais