01 de julho de 2013

Os Rikbaktsa, ocupantes imemoriais do Vale do Rio Juruena, enfrentaram nos últimos 50 anos o desafio de reinventar a sua própria existência mediante um contexto de conflitos, epidemias e deslocamento geográfico forçado, que resultou em decréscimo populacional e perdas territoriais. A chegada das frentes colonizadoras ao médio e baixo curso do Vale do rio Juruena […]

Os Rikbaktsa, ocupantes imemoriais do Vale do Rio Juruena, enfrentaram nos últimos 50 anos o desafio de reinventar a sua própria existência mediante um contexto de conflitos, epidemias e deslocamento geográfico forçado, que resultou em decréscimo populacional e perdas territoriais.

A chegada das frentes colonizadoras ao médio e baixo curso do Vale do rio Juruena e a “pacificação” realizada pela Missão Jesuíta, forçaram um processo de territorialização que, após circunstâncias de alteração acelerada da paisagem regional, culminou na delimitação de três terras indígenas reservadas para a ocupação por este povo. Longe de alcançar a amplitude geográfica do território de ocupação tradicional, as três áreas resguardaram apenas uma parcela deste.

Neste artigo, o contexto de reconfiguração do território Rikbaktsa é discutido, destacando-se o processo de regularização de uma das três terras indígenas demarcadas, a saber, a Terra Indígena Escondido; analisando os fatores que determinaram do ponto de vista dos indígenas, estratégias e prioridades estabelecidas no processo de reivindicação da demarcação.

Da análise da re-existência Rikbaktsa conclui-se que a articulação entre os jovens transferidos para o internato religioso – que passam a retornar para o território Rikbaktsa a partir de um processo de reorientação da atuação missionária – e os adultos e idosos transferidos para os postos de atendimento da missão jesuíta, bem como a articulação dos conhecimentos tradicionais aos novos conhecimentos; foi elemento central dentro da dinâmica de reivindicação pelo reconhecimento jurídico de parte do território imemorial como terra indígena.

Sônia Guajajara assume ministério e anuncia política com protagonismo indígena

12 Jan, 2023

Em histórico discurso de posse, Sônia Guajajara destacou o início de uma política indígena e não mais indigenista. Também reforçou a importância dos povos originários no combate à crise climática e cravou que o futuro é ancestral.

OPAN manifesta apoio a ministérios e à Fundação Nacional dos Povos Indígenas, a nova Funai

03 Jan, 2023

Ministério dos Povos Indígenas, Funai e Secretaria Especial de Saúde Indígena serão dirigidos por importantes lideranças do movimento indígena.

Começou a mudança histórica

02 Jan, 2023

Sônia Guajajara, Joenia Wapichana, Wibe Tapeba, Célia Xakriabá, cacique Raoni Metuktire e outras lideranças são recebidos pelos servidores da Funai. Em ato marcante, falam dos desafios frente aos novos cargos no Legislativo e agora também no Executivo.
Nossos Parceiros
Ver Mais