07 de novembro de 2013

Por: Ximena Morales Leiva Lábrea, AM – Após dois anos de atividades no sul do Amazonas no âmbito do Projeto Conservação da Biodiversidade em Terras Públicas na Amazônia, os povos Apurinã e Paumari encerraram a etapa de diagnóstico territorial da Terra Indígena (TI) Caititu, com a elaboração de uma publicação e um etnomapa que serão importantes […]

Por: Ximena Morales Leiva

Lábrea, AM – Após dois anos de atividades no sul do Amazonas no âmbito do Projeto Conservação da Biodiversidade em Terras Públicas na Amazônia, os povos Apurinã e Paumari encerraram a etapa de diagnóstico territorial da Terra Indígena (TI) Caititu, com a elaboração de uma publicação e um etnomapa que serão importantes subsídios para a discussão do futuro plano de gestão territorial – ação que será desenvolvida pela Federação das Organizações e Comunidades Indígenas do Médio Purus (Focimp), em parceria com o Projeto Demonstrativo de Povos Indígenas (PDPI), do Ministério do Meio Ambiente (MMA), seleção pública 2013.

Os materiais foram distribuídos para as 18 aldeias da TI Caititu que participaram dos trabalhos conduzidos pela OPAN. Também fizeram parte das atividades a Fundação Nacional do Índio (Funai) e a Focimp.

Como esta terra indígena está pressionada entre o perímetro urbano do município de Lábrea e as frentes de desmatamento que avançam desde Rondônia rumo ao sul do Amazonas, os Apurinã e os Paumari enfrentam grandes desafios no que tange à gestão territorial.

Foi por meio da realização de reuniões, encontros, conversas nas aldeias e organização de duas grandes assembleias que os indígenas compreenderam melhor o contexto atual de seu território e tiveram acesso a ferramentas que podem garantir a manutenção de sua integridade.

Para contribuir na elaboração do etnomapa, os Apurinã e os Paumari  realizaram uma expedição ao limite sul da sua terra. Em maio deste ano, a equipe da OPAN e nove indígenas navegaram até as cabeceiras do rio Puciari e passaram por locais de “campos da natureza.” Ficou evidente que essa parte da TI Caititu está mais protegida e que há abundância de frutos e caça. À medida que ia percorrendo a mata, o grupo localizou estradas de seringa e castanha, assim como vestígios de índios isolados.

“Após a expedição, os Apurinã e os Paumari se deram conta da riqueza que há no sul  da TI Caititu  e estão discutindo formas de como protegê-la  e explorá-la de forma sustentável”, observa Vinicius Benites, indigenista da OPAN. Segundo Luiz Vicente da Silva, da aldeia Boa Vista, “eu vou para o Puciari se Deus quiser, o fim de minha vida vai ser lá e vou levar todo meu pessoal pra lá.”

Feito em uma parceria entre a equipe de indigenistas da OPAN, os Apurinã e os Paumari e a Focimp, o Diagnóstico Territorial da TI Caititu destacou o potencial que a terra possui e as pressões impostas pelo seu entorno, como o desmatamento que leva à retirada ilegal de madeira, e a consequente instalação de pastagens de gado e lavouras de soja. Outro ponto de atenção é a prática de caça e pesca predatórias por invasores.

A publicação também traz um censo populacional da terra, calendário ecológico e um quadro de lideranças. Os indígenas refletiram sobre o estado atual da saúde, educação e infraestrutura no local,  apresentando algumas demandas.

 

Contatos com a imprensa

Operação Amazônia Nativa (OPAN)

Ximena Morales Leiva

ximena@amazonianativa.org.br

Telefones: 55 65 3322 2980
55 65 8466- 8689

www.amazonianativa.org.br

www.facebook.com/amazonianativa

www.twitter.com/amazonianativa

Entenda em seis pontos as diretrizes do CNJ para os povos indígenas no acesso ao Judiciário

06 Mai, 2022

O ato recomendatório traz procedimentos para garantir o pleno exercício dos direitos dos povos indígenas na Justiça. Saiba o que pode ser exigido em um processo judicial quando há pessoas e povos originários envolvidos.

Estela Ceregatti homenageia cacica xavante em novo álbum

28 Abr, 2022

Carolina Rewaptu é a primeira cacica Xavante de Mato Grosso e faz parte do grupo de mulheres que coletam sementes nativas para o reflorestamento de áreas desmatadas.

Garimpo ilegal vitimou mais de 100 indígenas Yanomami em 2021 

26 Abr, 2022

Exploração sexual, fome, contaminação e destruição ambiental são as principais causas de mortes. Este é considerado o pior momento de invasão desde a demarcação do território.
Nossos Parceiros
Ver Mais