23 de junho de 2014

Por: Carla Ninos/OPAN Lábrea, AM – É grande a expectativa entre os Paumari para a segunda pesca manejada do pirarucu já realizada em uma terra indígena do estado do Amazonas. Este ano ela deve ser realizada no mês de setembro. Os preparativos começaram nos meses de abril e maio, com a construção de dois flutuantes. O […]

Por: Carla Ninos/OPAN

Lábrea, AM – É grande a expectativa entre os Paumari para a segunda pesca manejada do pirarucu já realizada em uma terra indígena do estado do Amazonas. Este ano ela deve ser realizada no mês de setembro.

Os preparativos começaram nos meses de abril e maio, com a construção de dois flutuantes. O primeiro é grande, foi completamente reformado e se encontra na aldeia Terra Nova, na TI Paumari do Lago Paricá. O segundo é todo novo e menor, e já está na aldeia Manissuã, na TI Paumari do Lago Manissuã, no rio Tapauá.

O coordenador do Programa Amazonas da OPAN, Gustavo Silveira, explica que para a realização do manejo do pirarucu “os flutuantes são importantes para que se tenha um local estavél, de fácil higienização, sombreado e espaçoso”.

Os flutuantes serão utilizados para receber os peixes abatidos nos lagos onde os Paumari têm realizado, nos últimos cinco anos, ações de conservação dos lagos e atividades preparatórias para o manejo do pirarucu, com o apoio da OPAN, da Funai, da Conservação Estratégica (CSF Brasil) e do Instituto Piagaçu. Depois da pesca em si, os peixes serão levados para os novos flutuantes, onde serão pesados e medidos inteiros, eviscerados, lacrados e pesados novamente. Será feito também o registro do sexo e do estágio gonadal, para então serem higienizados. Após esses procedimentos, serão gelados no barco que estará atracado no flutuante, ficando prontos para comercialização.

Para os Paumari, melhorar a logística para a despesca é uma consolidação das ações do manejo pesqueiro, que envolve desde a organização comunitária, vigilância, recuperação do estoque pesqueiro até chegar a pesca manejada. “É o reconhecimento externo do trabalho que os Paumari estão desenvolvendo e mais um avanço nas ações de manejo”, reforça Silveira.

Este ano, os Paumari solicitaram autorização para pesca manejada de 80 peixes – número estabelecido a partir da contagem dos lagos antes da primeira despesca, em 2013. Este número equivale a 17% dos pirarucus nos lagos manejados e está bem abaixo do limite permitido, que é de até 30% dos peixes adultos acima de 1,5 metros vistados na última contagem. A expectativa é que a nova licença do Ibama deva sair ainda em junho deste ano.

Além de apoiar a pesca, os flutuantes servirão para bases de apoio à vigilância e para reuniões. Esta atividade está sendo apoiada pelo Projeto Raízes do Purus, executado pela OPAN com patrocínio da Petrobras.

Contatos com a imprensa

Carla Ninos – carla@amazonianativa.org.br

Telefone: 65 33222980

www.amazonianativa.org.br

www.facebook.com/raizesdopurus

 

Entenda em seis pontos as diretrizes do CNJ para os povos indígenas no acesso ao Judiciário

06 Mai, 2022

O ato recomendatório traz procedimentos para garantir o pleno exercício dos direitos dos povos indígenas na Justiça. Saiba o que pode ser exigido em um processo judicial quando há pessoas e povos originários envolvidos.

Estela Ceregatti homenageia cacica xavante em novo álbum

28 Abr, 2022

Carolina Rewaptu é a primeira cacica Xavante de Mato Grosso e faz parte do grupo de mulheres que coletam sementes nativas para o reflorestamento de áreas desmatadas.

Garimpo ilegal vitimou mais de 100 indígenas Yanomami em 2021 

26 Abr, 2022

Exploração sexual, fome, contaminação e destruição ambiental são as principais causas de mortes. Este é considerado o pior momento de invasão desde a demarcação do território.
Nossos Parceiros
Ver Mais