30 de junho de 2014

Por: Carla Ninos/OPAN Lábrea, AM – Durante os dias 13 e 22 de junho, em reunião geral, cerca de 80 Jamamadi revisaram, discutiram e validaram os acordos e demandas do povo que foram elaboradas em reuniões anterioes nas aldeias Buritirana, Carapananzal, Embaúba, São Francisco, Pauzinho, Morada Nova, Jatobá e Poço Grande, na Terra Indígena Jarawara/Jamamadi/Kanamanti, no […]

Por: Carla Ninos/OPAN

Lábrea, AM – Durante os dias 13 e 22 de junho, em reunião geral, cerca de 80 Jamamadi revisaram, discutiram e validaram os acordos e demandas do povo que foram elaboradas em reuniões anterioes nas aldeias Buritirana, Carapananzal, Embaúba, São Francisco, Pauzinho, Morada Nova, Jatobá e Poço Grande, na Terra Indígena Jarawara/Jamamadi/Kanamanti, no sul do Amazonas. Respeitando a autonomia de cada aldeia para escolher o que é importante para o povo durante esse processo de elaboração do Plano de Gestão Territorial. Esta foi mais uma etapa do projeto Raízes do Purus, executado pela OPAN, com patrocínio da Petrobras.

Até o momento, os Jamamdi escolheram discutir em seu plano de gestão sobre lixo, roçado, copaiba, andiroba, bebida alcoolica, artesanato e cipó.

“Já fizemos várias discussões nas aldeias. O processo para a elaboração do plano de gestão territorial e ambiental é feito de forma coletiva pelos indígenas, quando eles dizem a maneira que vivem e como querem continuar vivendo, tendo em vista a preocupação em garantir os recursos naturias e culturais para as futuras gerações”, explica o indigenista da OPAN, Vinicius Benites Alves.

“O Jamamadi tem que pensar em como vai cuidar da sua terra”, reitera o cacique da aldeia Embaúba, Silva Jamamadi.

“Todo ano, Jamamadi faz roçado novo para não faltar farinha e frutas. Porque Jamamadi é diferente, não mora na cidade e não compra rancho. Tem que fazer o roçado”, diz Ricardo Jamamadi, cacique da aldeia Carapananzal, ao explicar a importância da terra para o povo durante a reunião.

O Plano de Gestão Territorial Jamamadi vai ser bilingue, em português e em jamamadi, língua que pertence à família Arawá da Amazônia Ocidental. Por isso, durante todos os encontros, a equipe da OPAN conta com o apoio dos professores e lideranças para fazer a tradução e a mediação com o povo.

“Durante a reunião geral, conforme os assuntos eram apresentados, analisados e discutidos e, em alguns casos, refeitos ou retirados do documento, era grande a participação dos anciãos, caciques, homens, mulheres e jovens. E quando foram discutidos temas como roçado e artesanato, tivemos uma representação muito significativa por parte das mulheres. Elas foram na frente e levantaram questões importantes para discussão”, ressalta o indigenista da OPAN, Magno dos Santos.

Próximos passos

Atualmente, há cerca de 373 Jamamadi distribuídos em 8 aldeias dentro da TI Jarawara/Jamamadi/Kanamanti, localizada na bacia do rio Purus, no estado do Amazonas. Eles são exímios caçadores e grandes produtores.

Esse diálogo e aproximação com o povo é permanente, não só através de atividades específicas sobre a elaboração do plano, mas através das ações  de intervenção indigenista, como as aplicações de oficinas de boas práticas de manejo para a extração de produtos florestais não madeireiros, como a extração do óleo de copaíba, que é destaque no mercado regional, andiroba e cipó titica, além de expedições ao território, onde os Jamamadi elaboraram o etnomapeamento, que serviu de base para as discussões do plano de gestão.

Em setembro de 2014, a equipe da OPAN terá outra reunião com o povo para discutir e validar para o Plano de Gestão Territorial as demandas sobre educação, saúde, futebol, caça, pesca, coleta de frutos, vigilância, e o que mais for sugerido.

 

Contatos com a imprensa

Carla Ninos – carla@amazonianativa.org.br

Telefones: 65 9958-6109 e 65 3322-2980

www.amazonianativa.org.br

www.facebook.com/raizesdopurus

COMO EVITAR A SAVANIZAÇÃO DA AMAZÔNIA

05 Set, 2022

Iniciativas de manejo sustentável de produtos da sociobiodiversidade são soluções que protegem a floresta, enquanto geram renda justa para comunidades indígenas.

Brô Mc’s: conheça o primeiro grupo de rap indígena a pisar no Rock in Rio

01 Set, 2022

Maior festival de música do mundo terá palco demarcado pela resistência indígena. Nos bastidores, grupo vai trazer mensagem especial sobre os isolados, indígenas que rejeitam contato com o restante da sociedade.

Vale do Javari: associação entre crimes ambientais e narcotráfico atualiza modus operandi do sistema seringalista

26 Ago, 2022

Apesar do histórico de massacres, exploração de recursos naturais e mão de obra escravizada, a região já vivenciou momentos de maior estabilidade quando o Estado se fez presente.
Nossos Parceiros
Ver Mais