01 de dezembro de 2014

A Chapada dos Parecis, no Noroeste do Mato Grosso, é constituinte do divisor das bacias amazônica e platina, e identifica geograficamente a região do Rio Sacuriuiná, onde há a Ponte de Pedra, o lugar de origem do povo Haliti. A narrativa mítica que se apresenta abaixo sobre a origem desse povo foi contada por um homem, na […]

A Chapada dos Parecis, no Noroeste do Mato Grosso, é constituinte do divisor das bacias amazônica e platina, e identifica geograficamente a região do Rio Sacuriuiná, onde há a Ponte de Pedra, o lugar de origem do povo Haliti. A narrativa mítica que se apresenta abaixo sobre a origem desse povo foi contada por um homem, na língua portuguesa, na sua casa, no dia vinte e três de fevereiro de mil novecentos e noventa e seis (23/02/1996), na Aldeia Seringal, na Terra Indígena (T.I.) Paresi, quando lá ele morava. Entretanto, é importante sublinhar que o domínio da língua portuguesa pelas gerações atuais coexiste com a vigência da língua materna, classificada como pertencente à família linguística Aruak.

Na versão registrada aqui, reincidem os fenômenos relatados noutras versões ouvidas quando com eles morei. Antes, esclareço que estive inserida num projeto de intervenção indigenista junto ao povo Paresi entre 1995 e 1997, através da Operação Amazônia Nativa (OPAN), uma organização não governamental sediada em Cuiabá, Mato Grosso, Brasil. Por registrar em diários de campo as experiências vividas na relação com as famílias desse povo, foi possível construir estas reflexões no campo da Antropologia. Muitas informações aqui contidas vieram da interação com pessoas Haliti, e outras a partir da sistematização de informações extraídas da pesquisa bibliográfica.

Exposto isso, compartilho a narrativa mítica e as interpretações construídas, reconhecendo que este texto pode ser revisitado e aberto para uma continuidade dele, incorporando outras experiências históricas na trajetória da interação do povo Haliti com o não indígena.

OPAN contrata indigenista para o Programa MT

11 Ago, 2022

É necessário morar em Cuiabá e ter disponibilidade para fazer viagens a campo na região noroeste de Mato Grosso

Homenagem à indigenista Silvia Maria Gasperini Bonotto

18 Jul, 2022

Nota da OPAN diante do falecimento de Silvia Maria Gasperini Bonotto, parceira das causas e povos indígenas do Brasil.

OPAN contrata profissional da área administrativa

15 Jul, 2022

A Operação Amazônia Nativa está contratando um profissional da área administrativa para se integrar à equipe do Setor Administrativo/Financeiro da instituição com sede em Cuiabá, Mato Grosso (MT).
Nossos Parceiros
Ver Mais