01 de dezembro de 2014

Por: Keka Werneck/OPAN Montes Claros, MG – Entre iniciativas consideradas relevantes para a mudança do cenário socioambiental no país, o Projeto Berço das Águas, patrocinado pela Petrobras, foi convidado a participar do X Simpósio Brasileiro de Etnobiologia e Etnoecologia, realizado entre 22 e 26 de novembro de 2014, em Montes Claros, Minas Gerais. A coordenadora do […]

Por: Keka Werneck/OPAN

Montes Claros, MG – Entre iniciativas consideradas relevantes para a mudança do cenário socioambiental no país, o Projeto Berço das Águas, patrocinado pela Petrobras, foi convidado a participar do X Simpósio Brasileiro de Etnobiologia e Etnoecologia, realizado entre 22 e 26 de novembro de 2014, em Montes Claros, Minas Gerais. A coordenadora do projeto executado pela Operação Amazônia Nativa (OPAN), Artema Lima, junto com lideranças indígenas, apresentou os resultados da iniciativa.

Os indígenas de Mato Grosso compuseram a mesa do dia 22 – “Encontro de Povos e Comunidades Tradicionais”. Conforme Artema Lima, “o objetivo principal da mesa foi propiciar um fórum político para o fortalecimento das articulações e empoderamento das comunidades tradicionais e indígenas em nível nacional, trazendo maior aproximação entre a academia e as demandas postas por tais atores sociais, comumente vistos sob a ótica de sujeitos de pesquisa”.

O cacique Manoel Kanunxi, que vive na aldeia Asa Branca, na Terra Indígena Irantxe, no noroeste de Mato Grosso, relatou que seu povo já tem plano de gestão territorial e hoje está lutando para que o os rios não sejam destruídos. “A nossa terra ainda precisa ser homologada e precisamos de aliados que nos ajude nessa luta para que o governo possa nos ouvir. Já recebemos pesquisadores na nossa aldeia e queremos que as pessoas voltem e se envolvam com a nossa luta e com a nossa cultura”, destacou.

Além de Manoel, também participaram do debate outras lideranças indígenas de Mato Grosso: Valdir Sabanê, Carolina Rewaptu e Lázaro Xavante, além de Erivelton Tawandê. “Estou muito feliz de estar aqui falando para os acadêmicos, nunca pensei que vocês tivessem interesse em saber como vivem os índios e sobre as nossas lutas pelos territórios”, disse Erivelton.

O Projeto Berço das Águas também participou de debates na mesa “Troca de Saberes”, em que trataram sobre os planos de gestão territorial, rede de sementes, a migração forçada e territorialidade. “Neste espaço, os indígenas tiveram a possibilidade de relatar um pouco mais sobre suas vidas e evidenciar como o contato com a academia e pesquisadores de diferentes áreas do conhecimento modificou a sua realidade. Foi um rico momento para uma reflexão compartilhada sobre ‘como’, ‘porque’ e para ‘quem’ são realizadas as pesquisas científicas”, explica Artema Lima.

Conheça o site do projeto Berço das Águas

 

Contatos com a imprensa
comunicacao@amazonianativa.org.br
(65) 3322-2980

 

COMO EVITAR A SAVANIZAÇÃO DA AMAZÔNIA

05 Set, 2022

Iniciativas de manejo sustentável de produtos da sociobiodiversidade são soluções que protegem a floresta, enquanto geram renda justa para comunidades indígenas.

Brô Mc’s: conheça o primeiro grupo de rap indígena a pisar no Rock in Rio

01 Set, 2022

Maior festival de música do mundo terá palco demarcado pela resistência indígena. Nos bastidores, grupo vai trazer mensagem especial sobre os isolados, indígenas que rejeitam contato com o restante da sociedade.

Vale do Javari: associação entre crimes ambientais e narcotráfico atualiza modus operandi do sistema seringalista

26 Ago, 2022

Apesar do histórico de massacres, exploração de recursos naturais e mão de obra escravizada, a região já vivenciou momentos de maior estabilidade quando o Estado se fez presente.
Nossos Parceiros
Ver Mais