06 de abril de 2015

Por: Mel Mendes/OPAN São Félix do Araguaia (MT) – A OPAN realizou entre os dias 17 e 19 de março de 2015 a primeira oficina de etnozoneamento na Terra Indígena (TI) Marãiwatsédé. A atividade é mais uma etapa da construção do Plano de Gestão Territorial da TI Marãiwatsédé e contou com mais de 60 indígenas, com […]

Por: Mel Mendes/OPAN

São Félix do Araguaia (MT) – A OPAN realizou entre os dias 17 e 19 de março de 2015 a primeira oficina de etnozoneamento na Terra Indígena (TI) Marãiwatsédé. A atividade é mais uma etapa da construção do Plano de Gestão Territorial da TI Marãiwatsédé e contou com mais de 60 indígenas, com destaque para a participação ativa dos anciãos da comunidade e das mulheres, presentes em grande número.

Durante a primeira fase da reunião, realizada na escola da comunidade, o grupo relembrou todos os passos do processo de etnomapeamento na terra indígena, iniciado em 2013, desde as oficinas de elaboração dos calendários sazonais às expedições de caça e coleta (dzo’omori). Além de fortalecer a vigilância territorial e o monitoramento dos recursos naturais, todos esses momentos serviram para levantar as informações dos mapas temáticos apresentados posteriormente na atividade.

Na fase seguinte, foram formados grupos (de mulheres, professores indígenas, jovens e conselho de anciãos) para discutir e validar mapas temáticos. A partir desses vários olhares, iniciou-se a discussão sobre o etnozoneamento, com o objetivo preliminar de auxiliar a comunidade a se apropriar desse instrumento e seus possíveis usos.

A indigenista e consultora da OPAN, Sayonara Silva, que facilitou a oficina, explica que o etnozoneamento tem o objetivo de identificar regiões no território, como as áreas sagradas, zonas de uso para roças, caça e etc. “Existem critérios próprios das comunidades para definição dessas zonas, e a partir delas também são estabelecidos acordos futuros de uso pensando na melhor gestão dos recursos e do território”, informou Sayonara.

 

(Re)conhecendo o território

Há apenas dois anos os Xavante de Marãiwatsédé passaram a poder circular com liberdade por toda a terra indígena. O processo de desintrusão foi iniciado em novembro de 2012 e finalizado em janeiro de 2013, após 20 anos de ocupação irregular por não indígenas. Os Xavante, retirados compulsoriamente de seu território tradicional em 1966, só conseguiram voltar à área em 2004, e até a desintrusão ficaram restritos a cerca de 10% da terra homologada. Agora, no processo de reocupação, eles enfrentam o grande desafio de se adaptar a um território intensamente degradado. Nesse aspecto, a comunidade aponta as discussões e atividades relacionadas à gestão territorial como ferramentas para a melhoria da sua qualidade de vida.

“Antes a mata era grande e tinha muita riqueza. A gente comia raízes, frutas, batatas, tudo da terra e não tinha doença. Depois veio o homem branco e destruiu tudo. Por isso, agora é importante conhecer o território, saber onde ainda tem alimento tradicional, onde tem caça e pesca, e registrar para o futuro o uso e conhecimento da terra para o povo viver melhor”, afirmou Dário, ancião de Marãiwatsédé.

Além disso, a construção dos mapas é um valioso processo de transmissão de conhecimento dos mais velhos aos jovens da aldeia. “Os mais jovens ainda estão conhecendo a terra. O material vai servir para ensinar as crianças no dia a dia e também na escola e para fortalecer o povo”, destaca Carolina Rewaptu, professora e representante do grupo de coletoras de sementes Piõ Rómnha Ma´ubumrõi´wa.

O trabalho do etnozoneamento de Marãiwatsédé vai continuar durante todo o ano de 2015. O próximo passo é a construção dos acordos coletivos de uso do território, levando em consideração o contexto de reterritorialização recente e a necessidade de atualização dos mapas e das informações na medida em que o processo de reocupação da TI for se consolidando. “Os Xavante estão se apropriando desses instrumentos de gestão territorial e a grande participação da comunidade nesse processo demonstra interesse em refletir e pensar no futuro, fortalecendo a luta e autonomia do povo”, conclui Sayonara.

 

Contatos com a imprensa

Mel Mendes – mel@amazonianativa.org.br

Telefones: 65 9984-8334 e 65 3322-2980

www.amazonianativa.org.br

www.facebook.com/amazonianativa

Flores, lágrimas e força

28 Nov, 2022

Países insulares seguem sendo grandes propulsores de avanços no debate sobre clima no mundo. Povos indígenas exigem participação em fundo sobre perdas e danos.

A PNGATI e a esperança por dias melhores

09 Nov, 2022

De diversas regiões da Amazônia, representantes indígenas compartilham na COP27 reflexões e experiências sobre a PNGATI à luz do novo governo no Brasil.

Brasil dá seu recado no Egito

05 Nov, 2022

Delegação da Amazônia brasileira abre trabalhos na COP27 com contribuições técnicas na reunião da Plataforma Indígena da UNFCCC. Barreira do idioma ainda é desafio.
Nossos Parceiros
Ver Mais