25 de abril de 2015

Esta pesquisa propõe uma análise do processo de apropriação de ferramentas audiovisuais entre os Manoki, povo indígena de tronco isolado que vive ao noroeste de Mato Grosso, e suas correlações com os discursos nativos sobre a história. A partir de uma etnografia mediada pelo vídeo – utilizado pelos indígenas de forma proeminentemente prospectiva em estratégias […]

Esta pesquisa propõe uma análise do processo de apropriação de ferramentas audiovisuais entre os Manoki, povo indígena de tronco isolado que vive ao noroeste de Mato Grosso, e suas correlações com os discursos nativos sobre a história. A partir de uma etnografia mediada pelo vídeo – utilizado pelos indígenas de forma proeminentemente prospectiva em estratégias de registro e autorrepresentação –, chega-se a diversos temas próprios da etnologia indígena, como relações intergeracionais, concepções sobre tempo, ritual e escatologia. Ao conjugar as abordagens antropológicas sobre audiovisual e povos ameríndios, a análise pretende levar em consideração a perspectiva nativa a propósito das transformações em seu mundo e o papel que o registro audiovisual pode ter para os Manoki.

Dissertação de mestrado de André Luis Lopes Neves

Flores, lágrimas e força

28 Nov, 2022

Países insulares seguem sendo grandes propulsores de avanços no debate sobre clima no mundo. Povos indígenas exigem participação em fundo sobre perdas e danos.

A PNGATI e a esperança por dias melhores

09 Nov, 2022

De diversas regiões da Amazônia, representantes indígenas compartilham na COP27 reflexões e experiências sobre a PNGATI à luz do novo governo no Brasil.

Brasil dá seu recado no Egito

05 Nov, 2022

Delegação da Amazônia brasileira abre trabalhos na COP27 com contribuições técnicas na reunião da Plataforma Indígena da UNFCCC. Barreira do idioma ainda é desafio.
Nossos Parceiros
Ver Mais