11 de maio de 2015

Povo deve finalizar seu plano de gestão territorial em agosto. Por: Carla Ninos/OPAN Lábrea (AM) – O povo Jamamadi da Terra Indígena (TI) Jarawara/Jamamadi/Kanamanti vem se destacando regionalmente na economia do município de Lábrea, resultado do trabalho de boas práticas na extração de produtos florestais não madeireiros, que elevaram a qualidade do óleo de copaíba. Há […]

Povo deve finalizar seu plano de gestão territorial em agosto.

Por: Carla Ninos/OPAN

Lábrea (AM) – O povo Jamamadi da Terra Indígena (TI) Jarawara/Jamamadi/Kanamanti vem se destacando regionalmente na economia do município de Lábrea, resultado do trabalho de boas práticas na extração de produtos florestais não madeireiros, que elevaram a qualidade do óleo de copaíba. Há dois anos, os Jamamadi vendiam o quilo da copaíba a R$ 12,00 e, hoje, o produto já chega aos mercados nacional e internacional a R$ 30,00 o quilo.

“A gente fura a copaibeira para extrair o óleo, depois tampa o buraco para ele não ficar derramando e para a madeira da árvore não morrer. Desse jeito, dá para extrair a copaíba no outro ano”, explica o professor Eliseu Jamamadi, da aldeia Buritirana.

Em 2014, só a Cooperativa Mista Agroextrativista Sardinha (Coopmas), sediada em Lábrea, comercializou 1.600 quilos de óleo de copaíba do povo Jamamadi, que produzem durante o ano todo e têm outros compradores na região.

Astrogildo Oliveira durante reunião administrativa na Coopmas.
Foto de Carla Ninos/OPAN

A Coopmas é uma importante parceira dos ribeirinhos e dos povos indígenas do Médio Purus. “A cooperativa foi criada para atender aos povos produtores, em especial, os extrativistas. A gente trabalha com beneficiamento para agregar valor e facilitar a comercialização de produtos como a castanha-do-Brasil, nosso carro chefe, e também os óleos vegetais – copaíba, andiroba, murumuru, tucumã, dentre outros. Trabalhamos, ainda, com o pescado de manejo”, explica Astrogildo Oliveira, diretor presidente da Coopmas.

Extração de óleos é destaque no plano de gestão

O apoio ao manejo da copaíba e da andiroba é uma importante ação do projeto Raízes do Purus, realizado pela Operação Amazônia Nativa (OPAN) com o patrocínio da Petrobras. É também um dos temas discutidos pelo povo Jamamadi em seu plano de gestão territorial e ambiental. Este documento vem sendo elaborado pelos Jamamadi desde o ano passado, a partir do que cada aldeia aponta como prioridade para o povo.

Os óleos Jamamadi são os mais valorizados da região do Purus, segundo a Coopmas.
Foto de Adriano Gambarini/OPAN

“A gente observa que nesse período de elaboração do plano de gestão, em que eles pensam e discutem como querem gerir seu território, o povo Jamamadi já está colocando em prática os seus combinados”, informa indigenista da OPAN, Magno dos Santos. A dinâmica de elaboração é um processo contínuo de empoderamento, capacitações e discussões. Hoje, os Jamamadi veem o plano como um meio para atingir seus objetivos, que são lutar por melhorias para o povo, conquistar seus direitos, fortalecer a organização interna, refinar a relação com quem vive no entorno de suas terras.

“O plano de gestão é um documento que o Jamamadi está fazendo sobre a nossa terra. Nele a gente conta como o Jamamadi faz roçado, planta mandioca, macaxeira, batata, pupunha, etc.”, conta Badá Jamamadi, cacique da aldeia São Francisco.

Até o lançamento do plano de gestão, previsto para agosto de 2015, ainda devem ser feitas mais duas reuniões gerais, com a presença de representantes de todas as aldeias, para discutir e validar os combinados elaborados pelo povo.

Contatos com a imprensa

Carla Ninos – carla@amazonianativa.org.br

Telefones: 65 9958-6109 e 65 3322-2980

www.amazonianativa.org.br

www.facebook.com/raizesdopurus

Flores, lágrimas e força

28 Nov, 2022

Países insulares seguem sendo grandes propulsores de avanços no debate sobre clima no mundo. Povos indígenas exigem participação em fundo sobre perdas e danos.

A PNGATI e a esperança por dias melhores

09 Nov, 2022

De diversas regiões da Amazônia, representantes indígenas compartilham na COP27 reflexões e experiências sobre a PNGATI à luz do novo governo no Brasil.

Brasil dá seu recado no Egito

05 Nov, 2022

Delegação da Amazônia brasileira abre trabalhos na COP27 com contribuições técnicas na reunião da Plataforma Indígena da UNFCCC. Barreira do idioma ainda é desafio.
Nossos Parceiros
Ver Mais