13 de maio de 2015

PG-KATUKINA Na nossa cultura, quando vamos abrir um roçado, primeiro o tuxaua cheira rapé à noite. Depois, faz reunião e conversa com todos da aldeia. Se todo mundo concordar, o tuxaua escolhe o lugar e começamos a brocar juntos. Ele vai remando na frente e todos os homens o acompanham. A cada dia, o trabalho fica mais animado. Quando […]

PG-KATUKINA

Na nossa cultura, quando vamos abrir um roçado, primeiro o tuxaua cheira rapé à noite. Depois, faz reunião e conversa com todos da aldeia. Se todo mundo concordar, o tuxaua escolhe o lugar e começamos a brocar juntos. Ele vai remando na frente e todos os homens o acompanham. A cada dia, o trabalho fica mais animado. Quando termina de derrubar a mata, esperamos o verão chegar. Quando chega um verão bonito, um verão grande, todos vamos colocar fogo no roçado para então começarmos o plantio. Todo mundo trabalhando vai rápido, mas se tuxaua trabalha sozinho, ele fica bravo. Primeiro plantamos mandioca, depois milho, banana, pupunha, abacaxi, goiaba, caju e outras coisas. Quando vai caçar e vê terra boa, o tuxaua já escolhe o local para fazer o roçado. Terra com árvore muito alta e grossa, cheia de buraco, não presta. Terra boa é aquela que quando chove não ficam buracos cheios d’água.

Povo Indígena Katukina do Rio Biá

Indígenas da bacia do Juruena participam de festival de cinema em Brasília

02 Dez, 2022

Foram selecionadas duas produções audiovisuais do Coletivo Ijã Mytyli de Cinema Manoki e Myky e uma do povo Enawenê-Nawê

Flores, lágrimas e força

28 Nov, 2022

Países insulares seguem sendo grandes propulsores de avanços no debate sobre clima no mundo. Povos indígenas exigem participação em fundo sobre perdas e danos.

A PNGATI e a esperança por dias melhores

09 Nov, 2022

De diversas regiões da Amazônia, representantes indígenas compartilham na COP27 reflexões e experiências sobre a PNGATI à luz do novo governo no Brasil.
Nossos Parceiros
Ver Mais