13 de maio de 2015

PG-KATUKINA Na nossa cultura, quando vamos abrir um roçado, primeiro o tuxaua cheira rapé à noite. Depois, faz reunião e conversa com todos da aldeia. Se todo mundo concordar, o tuxaua escolhe o lugar e começamos a brocar juntos. Ele vai remando na frente e todos os homens o acompanham. A cada dia, o trabalho fica mais animado. Quando […]

PG-KATUKINA

Na nossa cultura, quando vamos abrir um roçado, primeiro o tuxaua cheira rapé à noite. Depois, faz reunião e conversa com todos da aldeia. Se todo mundo concordar, o tuxaua escolhe o lugar e começamos a brocar juntos. Ele vai remando na frente e todos os homens o acompanham. A cada dia, o trabalho fica mais animado. Quando termina de derrubar a mata, esperamos o verão chegar. Quando chega um verão bonito, um verão grande, todos vamos colocar fogo no roçado para então começarmos o plantio. Todo mundo trabalhando vai rápido, mas se tuxaua trabalha sozinho, ele fica bravo. Primeiro plantamos mandioca, depois milho, banana, pupunha, abacaxi, goiaba, caju e outras coisas. Quando vai caçar e vê terra boa, o tuxaua já escolhe o local para fazer o roçado. Terra com árvore muito alta e grossa, cheia de buraco, não presta. Terra boa é aquela que quando chove não ficam buracos cheios d’água.

Povo Indígena Katukina do Rio Biá

Guia Socioambiental da Imprensa: informação a serviço da democracia

19 Out, 2021

Material reúne dados, reflexões, tira-dúvidas e um guia de fontes para apoiar comunicadores na produção de conteúdos relacionados aos povos tradicionais e assuntos socioambientais

Guia de Fontes

13 Out, 2021

O objetivo desse pequeno Guia de Fontes é reunir indicações confiáveis de instituições e porta-vozes que podem fornecer informações seguras, fidedignas e de qualidade sobre os povos indígenas.

Discussão amarga, mas necessária

13 Out, 2021

Tema do 3º encontro do curso sobre mudanças climáticas, regulamentação do mercado de carbono na COP26 enseja preocupação quanto à garantia de respeito aos direitos indígenas
Nossos Parceiros
Ver Mais