01 de junho de 2015

OPAN realiza semana de formação para aprimorar o trabalho de suas equipes. Por: Dafne Spolti/OPAN Cuiabá, MT – A OPAN promoveu, de 13 a 19 de maio, uma semana de formação temática para atuação indigenista. Membros da instituição e convidados participaram de um curso em que foram abordados temas como mudanças climáticas, cadeias produtivas, diálogos interculturais […]

OPAN realiza semana de formação para aprimorar o trabalho de suas equipes.

Por: Dafne Spolti/OPAN

Cuiabá, MT – A OPAN promoveu, de 13 a 19 de maio, uma semana de formação temática para atuação indigenista. Membros da instituição e convidados participaram de um curso em que foram abordados temas como mudanças climáticas, cadeias produtivas, diálogos interculturais com sociedades indígenas, além das ações desenvolvidas na instituição e sua lógica de funcionamento. A formação tem o objetivo de problematizar e discutir questões presentes no trabalho das equipes e de apoiar os novos integrantes, contando para isso com uma etapa especial para os recém-contratados: a semana do “Bakté”, realizada entre 4 e 12 de maio.

De acordo com a coordenadora técnica da OPAN, Lola Rebollar, um dos principais papéis da formação é preparar o indigenista para um diálogo profundo, provocando um refinamento do olhar para que ele se abra à compreensão de outras cosmovisões. Ela explicou que esse papel está relacionado a um projeto político muito claro que é apostar em um Brasil pluriétnico, que respeita e cuida da diversidade.

Segundo Lola Rebollar, a formação indigenista é uma das características mais marcantes da OPAN. A coordenadora disse também que seu formato é pautado pelas propostas dos indígenas, equipes e ações que a instituição desenvolve. Na formação deste ano, a programação foi influenciada pela abertura de um novo projeto na região do Médio Juruá e Médio Solimões visando o fortalecimento de cadeias produtivas de óleos vegetais e manejo pesqueiro e pela emergência da discussão das mudanças climáticas.

Mudanças climáticas e as alterações nos modos de produção e consumo

Tasso Azevedo, do Observatório do Clima, fala sobre as projeções climáticas para os próximos anos. Foto de Dafne Spolti/OPAN

Este ano, na oficina sobre mudanças climáticas, o engenheiro florestal Tasso Azevedo, ativista social e coordenador do Sistema de Estimativa de Emissões de Gases do Efeito Estufa (SEEG), do Observatório do Clima, demonstrou, com as informações do Painel Intergovernamental em Mudanças Climáticas (IPCC), que a emissão desenfreada de gases já provocou o aquecimento do planeta e desequilíbrios climáticos que se expressam, de forma cada vez mais frequente, por calores e frios extremos, chuvas concentradas, grandes secas.

De acordo com Tasso, para conseguirmos viver sob um aumento de temperatura de no máximo 2ºC até o fim deste século – o que ainda permitiria à humanidade condições de se adaptar às mudanças do clima – devemos, entre outras coisas, eletrificar a humanidade (trocar os combustíveis fósseis por energia elétrica limpa), desativar termoelétricas (não renovando as autorizações para que funcionem), precificar o carbono globalmente, criar sistemas de armazenamento de carbono e zerar o desmatamento.

Agora, o desafio é tratar deste importante tema institucionalmente. “Temos que pensar sobre a importância das mudanças climáticas na vida dos povos indígenas, nos seus calendários sazonais, que estão diretamente ligados aos ritmos da natureza e como essas alterações climáticas os afetam”, diz Lola Rebollar.

Cadeias produtivas sustentáveis para a preservação da floresta

Felipe Rossoni, do Instituto Piagaçu, destaca os benefícios das cadeias produtivas sustentáveis na Amazônia. Foto de Lola Rebollar/OPAN
Parceiro da OPAN na atuação na bacia do Purus, o pesquisador Felipe Rossoni, do Instituto Piagaçu (IPI), foi convidado para conversar sobre cadeias produtivas. Ele problematizou os ataques à Amazônia com a exploração excessiva dos recursos, o avanço do desmatamento, e os desequilíbrios biológicos. E observou que a população tradicional da região amazônica também está alterando a forma de lidar com os recursos naturais. No caso da pesca, a facilidade de conservação proporcionada pelo comércio de gelo e a disseminação do fio de plástico acentuou a retirada de peixes, sem seleção e em maior escala. Aliado a dificuldades de fiscalização, esses fatores têm tido consequências como a redução dos recursos pesqueiros.

Felipe Rossoni apresentou aos participantes a iniciativa de manejo do pirarucu com o povo Paumari do rio Tapauá, que reconheceu a OPAN como vencedora do Prêmio Nacional da Biodiversidade na categoria sociedade civil. Citou também os trabalhos do IPI com peixe ornamental acará-disco, como contrapontos às práticas exploratórias. Ele destacou que o estabelecimento das cadeias produtivas sustentáveis é importante não apenas pela questão financeira, mas especialmente pela questão simbólica, pela melhoria na autoestima das pessoas que fazem o manejo e mantém o rio com fartura de peixes a partir do uso sustentável de seus recursos.

Plácido Costa, coordenador do projeto Pacto das Águas, apresentou o manejo da castanha no noroeste de Mato Grosso com povos indígenas e extrativistas, realizado desde o Programa Integrado da Castanha (PIC) – que deu origem ao atual projeto. Ele ressaltou a organização e as escolhas feitas pelas comunidades, assim como os desafios relativos à comercialização, ao estoque e à periodicidade da produção. Durante sua fala, ele voltou sua atenção para os indígenas e a relação com o trabalho das organizações sociais. Alertou que um ponto fundamental na relação com os povos indígenas é o respeito aos compromissos pactuados.

O diálogo intercultural

Na oficina sobre a escuta e o olhar para o diálogo intercultural com sociedades indígenas, a educadora Severiá Maria Idioriê Xavante fez uma palestra singular provocando a sensibilidade para a relação com o próximo. Os participantes deixaram um pouco de lado o caderno, a caneta, o computador e praticaram a convivência com o outro. Severiá Xavante incentivou as pessoas a conhecer mais a fundo a história do colega, do que gosta, como são as suas famílias. Também orientou os indigenistas a tomar cuidado para não serem invasivos e a manterem o respeito com o próximo.

O professor da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Darci Secchi, que já foi membro da OPAN, trabalhou a questão da alteridade e da qualidade que deve ter a atuação indigenista. Ele focou na ativação dos sentidos humanos e desenhou uma escala com que, normalmente, utilizamos os nossos sentidos (visão, audição, olfato, tato e, por último, paladar). Quanto mais se utilizam os sentidos de proximidade, maior é a inserção com determinado povo. Esta conversa contribuiu para que os novos indigenistas observassem as melhores maneiras de se portar em meio a outra cultura, para não cometer gafes e construir um vínculo positivo nas aldeias.

Dário Kopenawa apresenta as experiências de lutas e conquistas do povo Yanomami durante formação da OPAN. Foto de Dafne Spolti/OPAN.
Dário Kopenawa, filho do líder indígena Davi Kopenawa, representou o povo Yanomami na semana de formação e contou sobre a necessidade de visibilidade dos povos indígenas. Enfatizou que a sociedade dos não-indígenas se refere a esses povos com preconceitos (na mídia, na educação e em outros espaços). Dário Kopenawa gostaria que houvesse uma aproximação entre pessoas dessas diferentes sociedades: “eu conheci os não-indígenas. O contrário também poderia acontecer”, defendeu. Ele explicou sobre sua cultura e os problemas que sofrem em decorrência do garimpo e da ameaça de instalação de uma usina hidrelétrica em seu território. Deixou claro que seu povo está organizado para a defesa dos seus direitos.Além das palestras externas, foram promovidas na semana de formação oficinas sobre a história da OPAN, sua estrutura e os trabalhos que desenvolve. Foi um processo de imersão nos temas considerados estratégicos e nas metodologias de intervenção indigenista, características desta instituição que aposta no engajamento de todos e de cada um.

 

 
Contatos com a imprensa
comunicacao@amazonianativa.org.br
(65) 3322-2980
 

COMO EVITAR A SAVANIZAÇÃO DA AMAZÔNIA

05 Set, 2022

Iniciativas de manejo sustentável de produtos da sociobiodiversidade são soluções que protegem a floresta, enquanto geram renda justa para comunidades indígenas.

Brô Mc’s: conheça o primeiro grupo de rap indígena a pisar no Rock in Rio

01 Set, 2022

Maior festival de música do mundo terá palco demarcado pela resistência indígena. Nos bastidores, grupo vai trazer mensagem especial sobre os isolados, indígenas que rejeitam contato com o restante da sociedade.

Vale do Javari: associação entre crimes ambientais e narcotráfico atualiza modus operandi do sistema seringalista

26 Ago, 2022

Apesar do histórico de massacres, exploração de recursos naturais e mão de obra escravizada, a região já vivenciou momentos de maior estabilidade quando o Estado se fez presente.
Nossos Parceiros
Ver Mais