18 de junho de 2015

Marãiwatsédé revolta-se contra extinção da CR de Ribeirão Cascalheira (MT). Funai volta atrás. Por: Andreia Fanzeres/OPAN São Félix do Araguaia, MT – Com estranheza e decepção, o povo Xavante de Marãiwatsédé recebeu no dia 16 de junho a notícia de que a Coordenação Regional (CR) da Funai em Ribeirão Cascalheira havia sido transferida para o município […]

Marãiwatsédé revolta-se contra extinção da CR de Ribeirão Cascalheira (MT). Funai volta atrás.

Por: Andreia Fanzeres/OPAN

São Félix do Araguaia, MT – Com estranheza e decepção, o povo Xavante de Marãiwatsédé recebeu no dia 16 de junho a notícia de que a Coordenação Regional (CR) da Funai em Ribeirão Cascalheira havia sido transferida para o município de Carolina, no Maranhão. A unidade, localizada a cerca de 130 quilômetros da Terra Indígena Marãiwatsédé, no nordeste de Mato Grosso, atendia a área com exclusividade e tinha autonomia para executar e gerir financeiramente seus recursos. O prédio em Ribeirão Cascalheira passaria a sediar não apenas uma, mas duas Coordenações Técnicas Locais (CTLs), subordinadas à Coordenação Regional da Funai em Cuiabá, a mais de mil quilômetros de distância.

Este foi um dos últimos atos do ex-presidente interino da Funai, Flavio Chiarelli Vicente de Azevedo, substituído no dia seguinte por João Pedro Gonçalves da Costa. O novo presidente, por sua vez, após uma reunião em Brasília mediada pela procuradora da República Márcia Zollinger, revogou a portaria que determinava a mudança.

Na prática, a alteração não era uma mera formalidade. “Isso vai nos enfraquecer muito. Estão judiando dos índios. A Funai não está sendo transparente”, reclamou Damião Paridzané. Segundo o cacique, há cerca de 15 dias ele conversou com a assessoria da presidência da Funai por telefone, que o tranquilizou a respeito da possibilidade de extinção da CR de Ribeirão Cascalheira. De acordo com o servidor Denivaldo Rocha, que estava ao lado de Paridzané nesta ocasião, a Funai tinha garantido que não havia a intenção de modificar a CR de Ribeirão Cascalheira sem consulta. “É um absurdo. Se fosse ter alteração, era para nos chamar e discutir. Vai ser praticamente impossível trabalhar”, disse o servidor diante dos Xavante, que se reuniram assim que souberam da notícia.

A surpresa da decisão em retirar a coordenação regional de Ribeirão Cascalheira foi também do procurador da República em Barra do Garças, Wilson Rocha de Assis, que coincidentemente estava fazendo uma visita à aldeia em Marãiwatsédé no momento em que os indígenas trouxeram a notícia. “Eu também fui pego de surpresa. Não tenho nenhuma informação sobre isso. Eu recebi um ofício da ex-presidente da Funai, Maria Augusta Assirati [junho de 2013 a setembro de 2014], que disse não haver, na época, nenhuma intenção ou proposta de extinção da CR de Ribeirão Cascalheira”.

Para a Funai, no entanto, todos estavam avisados sobre a mudança. “As lideranças da TI Marãwaitsédé, desde a instalação da CR Ribeirão Cascalheira, tinham conhecimento de que a unidade funcionaria provisoriamente e com o objetivo específico da desintrusão. O diálogo da Funai com essas lideranças vem sendo estabelecido desde então, sempre no sentido da necessidade de se retirar a unidade regional de Ribeirão Cascalheira para atendimento a contextos mais amplos”, informou, em nota.

Ainda de acordo com a Funai, a CR de Ribeirão Cascalheira foi criada com objetivo específico de viabilizar o processo de desintrusão da TI Marãiwatsédé. “Concluída a desintrusão, em janeiro de 2013, esgotou-se o motivo de sua existência, uma vez que não há razões técnicas, indigenistas ou administrativas que corroborem a continuidade de uma unidade regional para atendimento a apenas uma Terra Indígena e a cerca de mil indígenas”, diz a nota da Funai.

Cobertor curto

“Eu fiquei muito chateado. Quanto tempo demoramos para trazer a Funai para perto dos índios?”, lamenta o cacique, referindo-se às quatro décadas de peregrinação do grupo de Marãiwatsédé até seu território tradicional, de onde foram retirados à força pela ditadura militar, em 1966.

“A meu ver, a ação do [ex] presidente da Funai foi absurda. Passamos pouco tempo perto da Funai. Isso é forma de nos afastar de novo. Estão avisando no rádio que vão reinvadir Marãiwatsédé”, complementou Arimateia Tserenhitomo Utetse.

Caso os Xavante não conseguissem esclarecer esta questão, o Ministério Público Federal estava pronto para entrar na Justiça e tentar manter a CR. Os motivos são muitos. E o direito à consulta é um deles. “Marãiwatsédé ainda vive uma situação de muita vulnerabilidade. A gente precisa da estrutura de uma coordenação regional próxima e forte. A gente ainda está na terra indígena mais devastada da Amazônia Legal”, lembra o procurador Wilson Rocha.

Estrada que corta a TI Marãiwatsédé continua aberta para tráfego de veículos, deixando a terra indígena em situação de vulnerabilidade. Foto: Andreia Fanzeres/OPAN

O próprio site da Funai, na descrição sobre a CR de Ribeirão Cascalheira, reconhece esta situação de fragilidade ao informar que “a comunidade indígena Marãiwatsédé, embora tenha reconquistado seu território com a Operação Tsa’Ãmri, após anos de espera, ainda encontra-se em situação de vulnerabilidade em diversos aspectos essenciais à sua cultura, posse e usufruto da terra, pois permanece na região o conflito com antigos invasores, dificultando a efetiva ocupação de todo território. Tal conjuntura requer maior foco de ações da Coordenação Regional e dos indígenas para a proteção e monitoramento territorial e ambiental”.

Na nota enviada pela Funai antes da revogação da portaria, o órgão explica que o funcionamento de duas CTLs, transferidas do município de Carolina (MA) para Ribeirão Cascalheira, promoverá condições para o desenvolvimento das ações indigenistas da Funai junto às comunidades da TI Marãwaitsédé. “A CR Timbira, por sua vez, atenderá cerca de 10 mil indígenas dos Povos Apinajé, Krahô, Canela-Apãnjekrá, Canela-Ramkokamecrá, Krikati, Gavião Pikopjê e Gavião Parkatejê das Terras Indígenas Apinajé, Porquinhos, Kanela, Governador, Kraolândia e Krikati, dos estados de Tocantins e Maranhão. Possibilitará, ademais, o melhoramento das condições de trabalho das CRs Araguaia-Tocantins e Maranhão, as quais, atualmente, enfrentam problemas logísticos de grande profundidade e gama excessivamente extensa de problemas vivenciados pelas comunidades indígenas”.

Contatos com a imprensa

Andreia Fanzeres
andreia@amazonianativa.org.br
55 65 33222980
55 65 84765620
www.amazonianativa.org.br

COMO EVITAR A SAVANIZAÇÃO DA AMAZÔNIA

05 Set, 2022

Iniciativas de manejo sustentável de produtos da sociobiodiversidade são soluções que protegem a floresta, enquanto geram renda justa para comunidades indígenas.

Brô Mc’s: conheça o primeiro grupo de rap indígena a pisar no Rock in Rio

01 Set, 2022

Maior festival de música do mundo terá palco demarcado pela resistência indígena. Nos bastidores, grupo vai trazer mensagem especial sobre os isolados, indígenas que rejeitam contato com o restante da sociedade.

Vale do Javari: associação entre crimes ambientais e narcotráfico atualiza modus operandi do sistema seringalista

26 Ago, 2022

Apesar do histórico de massacres, exploração de recursos naturais e mão de obra escravizada, a região já vivenciou momentos de maior estabilidade quando o Estado se fez presente.
Nossos Parceiros
Ver Mais