03 de agosto de 2015

Encontro debate associativismo e gestão territorial sob ótica de mulheres indígenas do noroeste de MT. Por Mel Mendes/OPAN Brasnorte, MT – Mulheres indígenas das etnias Manoki, Nambiquara, Myky e Rikbaktsa reuniram-se entre os dias 13 e 15 de julho de 2015 na aldeia Cravari, Terra indígena Irantxe, localizada a 100 quilômetros da cidade de Brasnorte (MT). Elas […]

Encontro debate associativismo e gestão territorial sob ótica de mulheres indígenas do noroeste de MT.

Por Mel Mendes/OPAN

Mulheres Rikbaktsa dançam e cantam durante encontro de mulheres indígenas. Foto de Mel Mendes/OPAN.

Brasnorte, MT – Mulheres indígenas das etnias Manoki, Nambiquara, Myky e Rikbaktsa reuniram-se entre os dias 13 e 15 de julho de 2015 na aldeia Cravari, Terra indígena Irantxe, localizada a 100 quilômetros da cidade de Brasnorte (MT). Elas trocaram experiências, sementes, técnicas de produção de artesanato e artefatos, além de discutir o papel da mulher nas sociedades indígenas. O “I Encontro Intercultural de Mulheres Indígenas do noroeste de Mato Grosso”, realizado pela Operação Amazônia Nativa (OPAN), através do Projeto Berço das Águas, contou com o patrocínio da Petrobras e apoio da Embaixada da Noruega. As cerca de 60 mulheres reunidas inundaram toda a aldeia com um clima de alegria, aprendizado, debates e celebração dos jeitos de viver e fazer arte indígena.

A coordenadora do Projeto Berço das Águas, Artema Lima, explicou que a proposta do encontro foi promover o fortalecimento e a valorização do modo de vida indígena e a reflexão sobre a organização social e política das mulheres a partir de trocas de informações e exemplos de experiências positivas. Ela reforçou, ainda, que todas essas questões estão diretamente relacionadas à gestão dos territórios. “As mulheres têm um papel fundamental na gestão territorial e na organização social indígena. Elas produzem alimentos, artes a partir de produtos da natureza e cuidam das famílias, por isso conhecem e defendem o território como ninguém”, completou Artema.

Pena, fibras e diversas sementes servem de matéria-prima para as artes feitas pelas mulheres indígenas. Fotos de Mel Mendes/OPAN.

Para o cacique da aldeia Cravari, Paulo Sérgio Kapinxi, o encontro foi uma oportunidade única de aprendizado com outros povos e uma forma de mostrar a força e a coragem da mulher indígena. Ele destaca a importância da mulher na transmissão do conhecimento tradicional para as novas gerações em um cenário de pressões e imposições culturais por parte da sociedade envolvente. “A gente convive com muita coisa dos não indígenas, mas temos que valorizar, em primeiro lugar, o que é nosso. Quem prepara a gente para a vida é a nossa cultura, e as mães e avós são muito importantes para nossas tradições não morrerem, pois criam as crianças e cuidam dos jovens”, afirma Paulo Sérgio.

O cacique aponta, ainda, a participação das crianças, jovens e dos anciãos no evento como um indicador da mobilização e agregação social. “Tem idoso que a gente nem vê na aldeia, que não sai pra nada, mas que participou do evento todo, ensinou e aprendeu junto com as crianças e com os jovens. Isso deixa a comunidade mais forte”, conclui.

Artes que unem

Desde o primeiro dia do encontro, o que se via eram sorrisos, sementes, penas e cores para todos os lados. As indígenas trouxeram seus artesanatos e materiais para expor, comercializar, trocar e, o mais importante, compartilhar e produzir juntas. Após as apresentações das participantes, as mulheres se dividiram em grupos por etnia e elaboraram um pequeno inventário dos materiais que utilizam para fazer seus produtos. Sementes e fibras foram catalogadas e apresentadas com seus nomes na língua nativa, tipo de vegetação na qual são encontradas e época do ano ideal para coleta.

As apresentações dos trabalhos em grupo foram importantes momentos de troca de conhecimentos. Foto de Mel Mendes/OPAN.

Depois da exposição dos trabalhos em grupo e durante todo o segundo dia, o barracão comunitário onde ocorria o evento virou uma grande oficina de artes. Cada povo escolheu um tipo de técnica para demonstrar para os outros o seu jeito de fazer. Desse modo, enquanto as Rikbaktsa ensinavam a arte da fazer zamata, faixa de tecido trançado utilizado para carregar crianças, as Myky construíam um tear para tecer uma rede com fios de algodão trançado e cordas de tucum (fibra natural muito utilizada em artesanato). Em outro canto do barracão, as Manoki davam aula de como fazer flechas, e as Nambiquara “batiam” coco para fazer miçangas, que mais tarde virariam colares e pulseiras.

Lindalva Sabanê, que vive no Parque Indígena Aripuanã, é uma habilidosa artesã. Sua especialidade é fazer pequenas esculturas entalhadas na semente do inajá.  “Faço tatu, tamanduá, passarinhos e até gente, e usamos como chaveiro ou enfeite em colares e nas nossas casas”, explica. Ela diz que fica muito satisfeita ao ver seu trabalho reconhecido e tendo pessoas interessadas em aprender. Domitila Nanci, anciã da aldeia Treze de Maio (TI Irantxe), domina a arte de fazer flechas, colares, redes e abanos e conta que ensinou isso desde cedo a seus filhos e filhas. Mas tatu de inajá não sabia. Aprendeu com Lindalva Sabanê.

“Sou boa artesã, mas quando vi, falei pra ela: ‘fiquei com inveja do teu tatu [risos], quero fazer também’. Estou velha mas ainda posso aprender, e tenho muito a ensinar”.

Domitila Nanci

Experiências de associativismo

Na manhã do terceiro dia, todas as participantes reuniram-se para discutir formas de organização social, com destaque para as associações de mulheres. O tema foi apresentado a partir do pedido das representantes da TI Irantxe, que estão dando os primeiros passos na formação de sua associação, com diretoria já eleita.

A indigenista da OPAN, Catiúscia Custódio, apresentou diversos exemplos de associações, cooperativas e organizações de mulheres que atuam em várias frentes na defesa dos direitos indígenas e na garantia de melhorias na qualidade de vida das populações. O empoderamento da mulher indígena e o entendimento da associação como um elemento de fortalecimento cultural, agregação social e política foram os eixos norteadores da discussão. “Empoderamento da mulher tem a ver com ela se sentir forte, respeitada, capaz de falar pelo seu povo ou pela sua comunidade, e a associação é um instrumento para isso”, esclareceu a indigenista.

A presidente da Associação Indígena de Mulheres Rikbaktsa (Aimurik), Domingas Apatso Rikbaktsa, foi convidada para apresentar a experiência e as conquistas das mulheres do seu povo na gestão da organização. Ela contou que a associação foi criada a partir da mobilização das mulheres em torno da comercialização do artesanato produzido, mas logo outras demandas foram incorporadas, como: proteção do território, saúde, educação e a luta contra a discriminação em relação aos povos indígenas. “A gente viu que não era trabalho só dos homens batalhar por nós, pelo nosso povo, era nosso papel também. E começamos a nos organizar e buscar mais conhecimento e espaço nas decisões”, disse durante sua apresentação.

Domingas Apatso fala da importância da organização das mulheres indígenas. Foto de Mel Mendes/OPAN.

A presidente eleita da Associação de Mulheres Manoki, Cleonice Nasi Irantxe, falou sobre a importância desse intercâmbio. “Ouvir essas falas é uma oportunidade muito boa de aprender e conhecer mais sobre a experiência das Rikbaktsa, que já tem uma associação forte. Isso ajuda e motiva a gente, pra tocar a nossa associação que está só começando”, afirmou Cleonice.

A importância do território

“O artesanato e as apresentações vistas aqui refletem a riqueza da natureza presente nas terras indígenas e o conhecimento dos povos, principalmente das mulheres, no manejo dos recursos de suas terras”, destacou Artema Lima, da OPAN.

Marta Tipuici, liderança indígena e estudante de Ciências Sociais na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), lembrou que quando as mulheres buscam material para artesanato também fazem um importante serviço de monitoramento e vigilância territorial. Nesse sentido, defendeu que o artesanato tem tudo a ver com o território e a luta pela terra. “Sem um território garantido e os recursos conservados, não teremos como fazer nossas artes” afirmou.

Moradora da aldeia Treze de Maio, Marta chamou atenção para a necessidade e urgência da homologação da TI Manoki e as consequências da morosidade do processo (saiba mais aqui). “Existem matérias-primas que temos dentro de nossa terra demarcada, mas não podemos acessar por causa das invasões. Isso causa conflitos, e nós, donos da terra, ficamos impedidos de usar todos os recursos disponíveis no nosso território. Isso é uma violência”, concluiu Marta durante o encontro.

Conheça o site do Projeto Berço das Águas

Contatos com a imprensa

Mel Mendes

mel@amazonianativa.org.br

65 9948-0821 e 65 3322-2980

www.facebook.com/amazonianativa

COMO EVITAR A SAVANIZAÇÃO DA AMAZÔNIA

05 Set, 2022

Iniciativas de manejo sustentável de produtos da sociobiodiversidade são soluções que protegem a floresta, enquanto geram renda justa para comunidades indígenas.

Brô Mc’s: conheça o primeiro grupo de rap indígena a pisar no Rock in Rio

01 Set, 2022

Maior festival de música do mundo terá palco demarcado pela resistência indígena. Nos bastidores, grupo vai trazer mensagem especial sobre os isolados, indígenas que rejeitam contato com o restante da sociedade.

Vale do Javari: associação entre crimes ambientais e narcotráfico atualiza modus operandi do sistema seringalista

26 Ago, 2022

Apesar do histórico de massacres, exploração de recursos naturais e mão de obra escravizada, a região já vivenciou momentos de maior estabilidade quando o Estado se fez presente.
Nossos Parceiros
Ver Mais