14 de julho de 2016

OPAN realiza encontro com especialistas para discutir os desafios das cadeias produtivas sustentáveis na Amazônia. Por: Dafne Spolti/OPAN Manaus-AM – Será realizada no dia 20 de julho, às 9h, no mini campus da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), a mesa redonda “Cadeias produtivas da sociobiodiversidade: desafios e oportunidades”. O evento, realizado pela Operação Amazônia Nativa (OPAN)*, abordará […]

OPAN realiza encontro com especialistas para discutir os desafios das cadeias produtivas sustentáveis na Amazônia.

Por: Dafne Spolti/OPAN

Manaus-AM – Será realizada no dia 20 de julho, às 9h, no mini campus da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), a mesa redonda “Cadeias produtivas da sociobiodiversidade: desafios e oportunidades”. O evento, realizado pela Operação Amazônia Nativa (OPAN)*, abordará o assunto a partir do ponto de vista acadêmico, do governo e das comunidades extrativistas a fim de potencializar as discussões e os avanços nas cadeias produtivas da castanha-do-brasil, dos óleos vegetais, do manejo sustentável de pirarucu e outras. Há vagas (limitadas) para a mesa redonda.

Um dos convidados do evento é o professor do Henrique dos Santos Pereira, coordenador da pós-graduação em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia (PPG-CASA), da UFAM, que tem importantes pesquisas sobre a castanha-do-brasil e contribuiu na construção do modelo de manejo sustentável de pirarucu, quando superintendente do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Ele explicou que o maior desafio das cadeias produtivas na Amazônia é a inserção dos produtos no mercado a partir de estratégias específicas, que garantam sua valorização e um preço justo. Para o professor, é importante que diferentes públicos se envolvam com a temática para a conquista das melhorias da atividade por meio de políticas públicas.

Para apresentar o trabalho de comunidades extrativistas com a produção sustentável participarão Antônio Adevaldo da Costa, da Associação dos Produtores Rurais de Carauari (Asproc), no Médio rio Juruá, e Ocemir Salve dos Santos, da Associação dos Comunitários Que Trabalham Com Desenvolvimento Sustentável no Município de Jutaí (ACJ), do Médio rio Solimões. Eles trarão à discussão um foco para a organização dos moradores, fundamental para se pensar o desenvolvimento das cadeias produtivas.

Além deles, a mesa redonda contará com Thomaz Antonio Meirelles, da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) no Amazonas, que falará sobre as oportunidades de comercialização dos produtos da sociobiodiversidade para o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) e do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA).

No evento, a Rede Maniva de Agroecologia (Rema) vai apresentar sua atuação em prol da valorização da agroecologia, entre elas, a certificação com selo para produtos orgânicos da sociobiodiversidade. De acordo com o coordenador da Rede, Márcio Menezes, a certificação pode ser uma escolha interessante para quem trabalha com cadeias produtivas sustentáveis, já que atende as exigências do mercado em relação à garantia de qualidade, a partir de uma proposta diferenciada de trabalho participativo.

Para Leonardo Pereira Kurihara, da OPAN, a mesa “Cadeias produtivas da sociobiodiversidade: desafios e oportunidades” será um momento importante para compreender a visão crítica da academia as experiências e os caminhos percorridos, além de discutir as necessidades de desenvolvimento de políticas públicas. “A discussão abre a possibilidade de ampliar as ações em rede por meio desses vários olhares sobre a temática”, avalia.

*A mesa redonda sobre as cadeias produtivas será realizada pela OPAN, com apoio de parceiros e por meio do projeto Arapaima: redes produtivas, executado com recursos do Fundo Amazônia, nas bacias do Médio rio Solimões e Médio rio Juruá.

Contato com a imprensa

Dafne Spolti – dafne@amazonianativa.org.br

Telefone: (65) 3322-2980 / 9223-2494

www.amazonianativa.org.br

Indígenas da bacia do Juruena participam de festival de cinema em Brasília

02 Dez, 2022

Foram selecionadas duas produções audiovisuais do Coletivo Ijã Mytyli de Cinema Manoki e Myky e uma do povo Enawenê-Nawê

Flores, lágrimas e força

28 Nov, 2022

Países insulares seguem sendo grandes propulsores de avanços no debate sobre clima no mundo. Povos indígenas exigem participação em fundo sobre perdas e danos.

A PNGATI e a esperança por dias melhores

09 Nov, 2022

De diversas regiões da Amazônia, representantes indígenas compartilham na COP27 reflexões e experiências sobre a PNGATI à luz do novo governo no Brasil.
Nossos Parceiros
Ver Mais