14 de março de 2017

Por: OPAN A Operação Amazônia Nativa (OPAN) vem por meio desta manifestar total repúdio às declarações do novo ministro da Justiça, Osmar Serraglio (PMDB/PR), ao jornal Folha de São Paulo. No dia 10/03/2017, o ministro, relator da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 215, que pretende passar para o legislativo o poder de decidir sobre […]

Por: OPAN

A Operação Amazônia Nativa (OPAN) vem por meio desta manifestar total repúdio às declarações do novo ministro da Justiça, Osmar Serraglio (PMDB/PR), ao jornal Folha de São Paulo.

No dia 10/03/2017, o ministro, relator da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 215, que pretende passar para o legislativo o poder de decidir sobre a demarcação de terras indígenas, declarou que os envolvidos em conflitos no campo deveriam parar com a discussão sobre terras, que, segundo ele, “não enchem barriga de ninguém”. Para Serraglio, o que importa aos indígenas é ter “boas condições de vida”.

Ter boas condições de vida para os povos indígenas é ter garantido o direito às terras que tradicionalmente ocupam, conforme preconiza o artigo 231 da Constituição Federal de 1988. Desde a invasão europeia, os povos indígenas lutam para terem garantido seu território.

Por meio de uma política colonialista, escravagista, expansionista e mercantilista, europeus aqui chegaram com o intuito de dominar novas terras. E se há algo que permanece em nossa história até hoje é a disputa por terra. Esta é a principal questão a ser enfrentada.

Em 2012, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) encomendou uma pesquisa ao Instituto Datafolha com o intuito de provar que no país há “muita terra para pouco índio”. No entanto, a pesquisa revelou dados interessantes que corroboram a importância da demarcação das terras indígenas. Segundo resultados dessa pesquisa, 94% dos indígenas entrevistados praticam a agricultura; 85% caçam; e 86% pescam frequentemente, atividades que necessitam de áreas preservadas.

A pesquisa ainda revela que 68% dos indígenas da região sul do país, que ocupam apenas 0,18% das terras indígenas demarcadas, recebem cesta básica, apesar de a maioria ter trabalho remunerado; na região norte, que abriga 81% das terras indígenas demarcadas do país, apenas 7% dependem de cestas básicas, embora a maioria não tenha emprego remunerado.

Até hoje, o Brasil ainda não concluiu os processos de demarcação e homologação de centenas de terras indígenas no território nacional, ainda que pese o prazo estipulado na Constituição de 1988 de cinco anos para tal.

A morosidade nas demarcações das terras indígenas tem sido responsável pelo histórico genocídio dos povos indígenas no Brasil, sendo o caso do povo Guarani Kaiowá, no Mato Grosso do Sul, emblemático.

Dizer que “terra não enche barriga” no atual contexto político brasileiro, em que se constatam reiterados atos de desrespeito à Constituição e em que se avolumam os projetos e decretos visando o desmonte da legislação indigenista e dos meios institucionais de fazê-la valer, configura um cenário de acinte à promoção da justiça em nosso país.

 

Operação Amazônia Nativa

13 de março de 2017.

 

Veja outras manifestações sobre a declaração do ministro:

Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib).

Conselho Indigenista Missionário (CIMI).

Instituto Socioambiental (ISA).

Indígenas da bacia do Juruena participam de festival de cinema em Brasília

02 Dez, 2022

Foram selecionadas duas produções audiovisuais do Coletivo Ijã Mytyli de Cinema Manoki e Myky e uma do povo Enawenê-Nawê

Flores, lágrimas e força

28 Nov, 2022

Países insulares seguem sendo grandes propulsores de avanços no debate sobre clima no mundo. Povos indígenas exigem participação em fundo sobre perdas e danos.

A PNGATI e a esperança por dias melhores

09 Nov, 2022

De diversas regiões da Amazônia, representantes indígenas compartilham na COP27 reflexões e experiências sobre a PNGATI à luz do novo governo no Brasil.
Nossos Parceiros
Ver Mais