01 de janeiro de 2018

É com satisfação que apresentamos o Relatório Institucional da Operação Amazônia Nativa referente às atividades desenvolvidas pela OPAN junto aos povos indígenas, nossos parceiros, ao longo do ano de 2017. A luta contínua em defesa dos direitos dos povos indígenas, pela ampliação de sua autonomia e a luta conjunta com estes povos para a criação […]

É com satisfação que apresentamos o Relatório Institucional da Operação Amazônia Nativa referente às atividades desenvolvidas pela OPAN junto aos povos indígenas, nossos parceiros, ao longo do ano de 2017.

A luta contínua em defesa dos direitos dos povos indígenas, pela ampliação de sua autonomia e a luta conjunta com estes povos para a criação de um mundo mais justo, pluricultural, mais saudável do ponto de vista ambiental e social, tem sido o horizonte de
atuação de nossa entidade, a primeira organização do indigenismo alternativo no Brasil, que completará 50 anos de existência em 2019.

Ao longo das décadas, o que se iniciou como uma luta pelo direito à terra e à cultura própria frutificou, a partir destas raízes, na construção comum de alternativas ao modelo de vida “ocidental” que se mundializou, em especial ao modelo predatório que tem degradado crescentemente a região amazônica e o Cerrado e a qualidade de vida dos povos que ali habitam. Isso não significa um movimento de retorno ao passado de suas
formas de vida e trabalho, mas sim à criação de formas contemporâneas de vida individual e social com base nos valores e formas de articulação comunitária, de inspiração pluricultural, que propiciam ao mesmo tempo a continuidade de suas culturas (que, como todas, se transformam mantendo suas raízes) e respondam aos desafios do mundo atual.

Boa leitura!

Entenda em seis pontos as diretrizes do CNJ para os povos indígenas no acesso ao Judiciário

06 Mai, 2022

O ato recomendatório traz procedimentos para garantir o pleno exercício dos direitos dos povos indígenas na Justiça. Saiba o que pode ser exigido em um processo judicial quando há pessoas e povos originários envolvidos.

Estela Ceregatti homenageia cacica xavante em novo álbum

28 Abr, 2022

Carolina Rewaptu é a primeira cacica Xavante de Mato Grosso e faz parte do grupo de mulheres que coletam sementes nativas para o reflorestamento de áreas desmatadas.

Garimpo ilegal vitimou mais de 100 indígenas Yanomami em 2021 

26 Abr, 2022

Exploração sexual, fome, contaminação e destruição ambiental são as principais causas de mortes. Este é considerado o pior momento de invasão desde a demarcação do território.
Nossos Parceiros
Ver Mais