02 de abril de 2018

Avião dispersa agrotóxicos dentro da Terra Indígena Marãiwatsédé.

Cuiabá (MT) – No dia 16 de março de 2018, um avião agrícola foi flagrado despejando veneno dentro da Terra Indígena Marãiwatsédé, no nordeste de Mato Grosso. Ele sobrevoava uma lavoura da Fazenda Indiara, vizinha ao território xavante, mas dava numerosos rasantes e dispersava agrotóxicos em uma das poucas áreas de mata densa, ignorando a existência da terra indígena.

O cheiro insuportável do veneno incomodou os moradores da aldeia Madzabdzé e, segundo os Xavante, provocou um surto de doenças respiratórias especialmente entre as crianças. A legislação brasileira de “faz de conta” supõe proteção a aglomerações urbanas, rurais e mananciais a apenas 250 metros das áreas de pulverização aérea – o que, ainda assim, foi violado pelo piloto flagrado nas imagens.

Assista o vídeo:

Indígenas da bacia do Juruena participam de festival de cinema em Brasília

02 Dez, 2022

Foram selecionadas duas produções audiovisuais do Coletivo Ijã Mytyli de Cinema Manoki e Myky e uma do povo Enawenê-Nawê

Flores, lágrimas e força

28 Nov, 2022

Países insulares seguem sendo grandes propulsores de avanços no debate sobre clima no mundo. Povos indígenas exigem participação em fundo sobre perdas e danos.

A PNGATI e a esperança por dias melhores

09 Nov, 2022

De diversas regiões da Amazônia, representantes indígenas compartilham na COP27 reflexões e experiências sobre a PNGATI à luz do novo governo no Brasil.
Nossos Parceiros
Ver Mais