17 de maio de 2018

Atividade tradicional de coleta fortalece mulheres Xavante na gestão de seu território.

Por: Giovanny Vera/OPAN

Terra Indígena Marãiwatsédé, Bom Jesus do Araguaia, MT – Os Xavante da Terra Indígena (TI) Marãiwatsédé, no Mato Grosso, vivem em uma área que desde a década de 1960 foi invadida por projetos agropecuários, tendo sua vegetação devastada por posseiros, quando recebeu o título de terra indígena mais desmatada em 2011. Em 2013, os Xavante receberam a posse definitiva de seu território e novos acordos foram estabelecidos para sua gestão. Dentro deste contexto, as mulheres de Marãiwatsédé se destacam no trabalho com as sementes, lutando e resistindo dia a dia mediante o uso tradicional de seus recursos e a ocupação de seu território.

A TI Marãiwatsédé, com 165.241 hectares, retomada pelo povo Xavante em 2004, foi considerada em 2011 a terra indígena mais devastada da Amazônia Legal: teve 71,5% de sua superfície desmatada, de acordo com o Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal (Prodes). Com o intuito de reverter essa situação, desde 2009 diversas iniciativas de reflorestamento, fortalecimento das roças tradicionais e quintais em apoio à soberania alimentar e cultural do povo vêm sendo realizadas pelos indígenas junto com a OPAN. Atualmente a terra indígena ainda apresenta um cenário de áreas degradadas, com antigos pastos e sem a mata original.

É nesta paisagem que hoje em dia as mulheres Xavante realizam a coleta de sementes florestais, entre elas jatobá, urucum, jenipapo, inajá, tucum, pequi, caju, baru, xixá, feijão-guandu, carvoeiro e outras, que tradicionalmente são usadas para alimentação e rituais da comunidade. A novidade é que uma parte delas é vendida para a Associação Rede de Sementes do Xingu (ARSX), instituição parceira criada pelo Instituto Socioambiental (ISA) composta por grupos de indígenas e camponeses que coletam sementes da floresta e do Cerrado e as comercializa, com intuito de recuperar áreas degradadas.

Mulheres e crianças retornando da mata depois de coletar sementes. Foto: Arquivo OPAN

Com esta iniciativa, as coletoras de Marãiwatsédé mantêm e promovem sua cultura, garantem a alimentação das famílias e apoiam a gestão e o uso de seu território tradicional, enquanto geram uma pequena renda para a comunidade indígena.

Esperança nas sementes

A Associação Rede de Sementes do Xingu (ARSX) é formada por grupos de indígenas e camponeses que coletam sementes da floresta e do Cerrado e as comercializa, com intuito de recuperar áreas degradadas e gerar renda para os coletores.

Tudo começou em 2011, paradoxalmente o ano do maior desmatamento na terra indígena, quando coletores da ARSX visitaram Marãiwatsédé e apresentaram seu trabalho aos Xavante. Nessa ocasião foram mostrados os benefícios que a coleta oferece para a recuperação e reflorestamento de áreas degradadas e também o ganho social para os grupos coletores, como melhorias na alimentação das famílias e a geração de renda. Esta ação esteve acompanhada por um processo de sensibilização e debates entre os Xavante, indigenistas e técnicos para discutir as possibilidades de Marãiwatsédé de participar da iniciativa.

Depois desse trabalho as mulheres Xavante formaram o grupo Pi’õ Romnhá Ma’ubu’mrõiwa – que significa ‘Mulheres Coletoras de Sementes’ – com as primeiras 16 mulheres interessadas em participar. Logo iniciaram uma parceria com a ARSX, e, já organizadas, participaram de oficinas de formação em variados temas, como técnicas de manejo de espécies, etnomatemática, pesagem e outros, recebendo acompanhamento técnico. Como resultado desse primeiro ano, elas conseguiram entregar 30 quilos de sementes coletadas em Marãiwatsédé.

Grupo das Pi’õ Romnhá Ma’ubu’mrõiwa na aldeia central da TI Marãiwatsédé. Foto: Arquivo OPAN

“No começo eram poucas mulheres, a maioria anciãs”, disse Carolina Rewaptu, cacique da aldeia Madzabzé e elo do grupo de coletoras. “Mas com o tempo outras foram se animando porque viram que tinham resultados e que é importante para [a TI] Marãiwatsédé”, acrescentou.

Em 2012 e 2013 mais mulheres foram se incorporando ao grupo de coletoras, animadas pelos resultados mostrados pelas outras participantes. Com as capacitações e melhor organização, as coletas foram sendo aprimoradas e a produção mais eficiente.

O papel das coletoras de Marãiwatsédé se destaca tanto pelo histórico da luta pela terra como pelo papel da mulher nesta atividade, sendo uma peça fundamental para a conquista da soberania alimentar na comunidade. A coleta também se materializou em uma ferramenta de autonomia das mulheres Xavante, uma opção para a geração de renda e para a valorização de seu território, conforme explicou Carolina.

As sementes colhidas pelas Xavante de Marãiwatsédé são entregues com alta qualidede e limpeza. Foto: Arquivo OPAN.

Para Claudia Alves de Araújo, uma das diretoras da ARSX, além das coletoras apoiarem diretamente na gestão de seu território, ocupando-o, elas promovem o cuidado e a recuperação das áreas desmatadas. “É dessa vegetação que elas extraem as sementes que hoje alimentam seus filhos, que vai alimentar também amanhã, e elas sabem muito bem disso”, afirmou. Claudia destacou que a coleta é realizada de forma sustentável, para que a extração de sementes não seja prejudicial e para que produza ainda mais, considerando a precária situação da vegetação em Marãiwatsédé.

A coleta

Antigamente os Xavante realizavam expedições de caça e coleta em seu território que podiam durar entre duas semanas e três ou quatro meses, chamadas Dzomöri, e hoje em dia duram menos dias, explica a indigenista Sayonara da Silva em sua dissertação Alimentos, Restrições e Reciprocidade no Ritual Xavante do Wapté mnhõno (Terra Indígena Marãiwatsédé, Mato Grosso).

Atualmente as coletoras fazem a chamada Abahi, que é a coleta realizada na terra indígena e em seu entorno durante apenas um dia, e acontece normalmente em épocas secas (junho, julho, agosto, setembro), quando a maioria das sementes está amadurecendo.

A muvuca é uma técnica de semeadura direta com variedades de sementes que germinam simultaneamente e adubação verde, que é usada na recuperação de áreas degradadas.

Desde que participam da ARSX, o grupo de mulheres Pi’õ Romnhá Ma’ubu’mrõiwa elabora no final do ano uma lista potencial de produção de sementes disponíveis no território, na qual estimam quanto pretendem coletar para o ano seguinte. Os dados são enviados para a ARSX, que os compatibiliza com os pedidos dos compradores interessados nas sementes para suas muvucas. Posteriormente, a ARSX faz seu pedido de sementes para o semestre, definindo a quantidade de quilos por espécie que quer comprar.

No mês de março de 2017, as coletoras de Marãiwatsédé apresentaram à ARSX seu potencial de coleta, e em maio a associação solicitou o pedido de sementes de 27 espécies.

Quando o pedido da ARSX chega, o grupo de mulheres realiza reuniões onde são mostradas fotos das espécies solicitadas, tanto da casca, da semente e da árvore, o nome da espécie na língua Xavante, e cada mulher escolhe as que quer coletar, a partir das sementes que há nas proximidades de suas aldeias. Uma dificuldade encontrada é sobre o entendimento relacionado a pesos e medidas, para o qual foi proposto o uso de garrafas PET com diferentes tamanhos e pesos distintos.

As garrafas PET são usadas para armazenas as sementes coletadas. Foto: Arquivo OPAN

Em agosto, setembro, outubro e novembro de 2017 foram realizadas reuniões para acompanhamento da coleta, pesagem e entrega de sementes pelas coletoras nas aldeias de Marãiwatsédé, de acordo com o pedido da Associação Rede de Sementes do Xingu. Em total as mulheres Xavante entregaram 769 kg de sementes, e o restante foi armazenado na Casa de Sementes como reserva para o próximo pedido. Parte deste estoque já foi incorporado na venda de sementes deste ano.

Exemplos na região

As coletoras da TI Marãiwatsédé participam ativamente de eventos onde compartilham conhecimentos e experiências conseguidos na ARSX. Nesses encontros também acontecem trocas de sementes que permitem que os grupos possam conseguir novas espécies ou sementes melhoradas, além de estabelecer e reafirmar relacionamentos que fortalecem suas instituições.

Apresentação das coletoras de Marãiwatsédé durante um encontro da Rede de Sementes do Xingu. Foto: Arquivo OPAN.
Em 2017, as coletoras Xavante receberam o troféu Sementes da Resistência por terem conseguido o primeiro lugar na coleta de sementes de toda a ARSX no ano de 2016. “As Xavante normalmente saem para a mata para procurar e coletar o que a natureza lhes oferece. A coleta está presente na alimentação, cultura e tradição dos Xavantes”, explicou Carolina Pinheiro, indigenista da OPAN.O engajamento das coletoras e os resultados conseguidos promoveram o destaque e reconhecimento para o grupo na comunidade, fortalecendo a autonomia das mulheres, sua cultura e conhecimento tradicional, além de ampliar a participação da mulher dentro da terra indígena como fora dela. Lídia, liderança da aldeia A’õpá, frisou que “a coleta de sementes valoriza a cultura do nosso povo, e com a venda de parte das sementes que coletamos, a gente pode ter o nosso dinheirinho para comprar café, roupa, sabonete, bolsa, facão”.A coleta é mais um elemento na reconquista e valorização do território Xavante, é parte da história e também do futuro de Marãiwatsédé, “Começamos o trabalho para recuperar o nosso território que estava todo desmatado, tinha poucas sementes. A volta das matas e dos frutos para colher é importante para a cultura do nosso povo”, reconhece Carolina Rewaptu.

 

Contato com a imprensa
Giovanny Vera
gio@amazonianativa.org.br
(65) 3322-2980

 
 
 

Só com fé para seguir em frente

07 dez, 2023

Rede Juruena Vivo encerra participação na COP28 em evento que discutiu transparência, transição energética justa e espiritualidade.

Proteger os modos de vida para equilibrar o clima

05 dez, 2023

Evento paralelo na COP28 valoriza iniciativas locais na construção e utilização de instrumentos de gestão territorial e defesa de direitos.

Na COP 28, Marta Tipuici questiona investimento em hidrelétricas como alternativa energética

04 dez, 2023

Chamados de energia limpa, os empreendimentos hidrelétricos são planejados sem consulta às comunidades por eles afetadas
Nossos Parceiros
Ver Mais