22 de maio de 2018

Comunitários, pesquisadores e organizações se reúnem para apresentação de diagnóstico sobre o manejo sustentável de pirarucu no Amazonas.

Por: Dafne Spolti/OPAN

Manaus (AM) – Serão apresentados hoje (22), no seminário “Diagnóstico do manejo de pirarucu em áreas protegidas do Amazonas”, em Manaus, os resultados do estudo realizado no projeto “Parceria para a conservação da biodiversidade na Amazônia”*. Participam do lançamento comunitários das bacias dos rios Solimões, Juruá, Purus e rio Negro, além de pesquisadores e organizações públicas e da sociedade civil organizada.  A apresentação será das 9 às 12h, na Inspetoria Missionária Laura Vicuña.

A partir do diagnóstico, foram observados os benefícios do manejo, que envolveu mais de quatro mil pessoas em 2016. Foi constatado o aumento médio anual de 60% da quantidade de pirarucus e o fortalecimento da proteção a uma área de mais de 12 milhões de hectares, além do crescimento da soberania alimentar das populações e da geração de renda, em 55%, entre 2012 e 2016.

O trabalho também apontou os desafios da atividade, como a melhoria da estrutura, acesso a financiamento adequado para as comunidades, assistência técnica aos manejadores e uma maior organização do mercado.

“O diagnóstico vai fazer com que os manejadores possam visualizar os níveis em que estão os processos do manejo. Com isso, vão começar a dialogar melhor entre si, almejando que o manejo seja unificado, que tenha um melhor horizonte”, disse o servidor da Fundação Nacional do Índio (Funai) de Manaus, Luiz Ivanildo Moraes de Souza, que apoia a atividade com indígenas do Baixo rio Purus. Ele destacou ainda que com o diagnóstico é possível conseguir mais apoio dos órgãos responsáveis: “Vai ajudar para o Estado ver a importância que isso tem”.

Também para a técnica de pesca da Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Cujubim, Rosilda Araújo, o diagnóstico tem a função de unir as pessoas em torno do assunto. Com o acesso à informação poderão construir um maior diálogo sobre o manejo e buscar sua melhoria.

O lançamento do diagnóstico está sendo apresentado em três dias de seminário, em que os participantes devem pensar formas de avançar com o manejo sustentável de pirarucu para todo o Amazonas. “Estamos tendo uma grande oportunidade, nestes dias, de fortalecer o coletivo do manejo”, destacou o indigenista Leonardo Pereira Kurihara, da OPAN.

* Compõem o projeto “Parceria para conservação da biodiversidade na Amazônia” o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), a Fundação Nacional do Índio (Funai), Operação Amazônia Nativa (OPAN), Conservation Strategy Fund (CSF). A iniciativa conta com apoio do Serviço Florestal Americano e da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional.

Contatos com a imprensa

Dafne Spolti

dafne@amazonianativa.org.br

(92) 9 8405-1757

(65) 9 9223-2494

OPAN contrata indigenista para o Programa MT

11 Ago, 2022

É necessário morar em Cuiabá e ter disponibilidade para fazer viagens a campo na região noroeste de Mato Grosso

Homenagem à indigenista Silvia Maria Gasperini Bonotto

18 Jul, 2022

Nota da OPAN diante do falecimento de Silvia Maria Gasperini Bonotto, parceira das causas e povos indígenas do Brasil.

OPAN contrata profissional da área administrativa

15 Jul, 2022

A Operação Amazônia Nativa está contratando um profissional da área administrativa para se integrar à equipe do Setor Administrativo/Financeiro da instituição com sede em Cuiabá, Mato Grosso (MT).
Nossos Parceiros
Ver Mais