22 de maio de 2018

Comunitários, pesquisadores e organizações se reúnem para apresentação de diagnóstico sobre o manejo sustentável de pirarucu no Amazonas.

Por: Dafne Spolti/OPAN

Manaus (AM) – Serão apresentados hoje (22), no seminário “Diagnóstico do manejo de pirarucu em áreas protegidas do Amazonas”, em Manaus, os resultados do estudo realizado no projeto “Parceria para a conservação da biodiversidade na Amazônia”*. Participam do lançamento comunitários das bacias dos rios Solimões, Juruá, Purus e rio Negro, além de pesquisadores e organizações públicas e da sociedade civil organizada.  A apresentação será das 9 às 12h, na Inspetoria Missionária Laura Vicuña.

A partir do diagnóstico, foram observados os benefícios do manejo, que envolveu mais de quatro mil pessoas em 2016. Foi constatado o aumento médio anual de 60% da quantidade de pirarucus e o fortalecimento da proteção a uma área de mais de 12 milhões de hectares, além do crescimento da soberania alimentar das populações e da geração de renda, em 55%, entre 2012 e 2016.

O trabalho também apontou os desafios da atividade, como a melhoria da estrutura, acesso a financiamento adequado para as comunidades, assistência técnica aos manejadores e uma maior organização do mercado.

“O diagnóstico vai fazer com que os manejadores possam visualizar os níveis em que estão os processos do manejo. Com isso, vão começar a dialogar melhor entre si, almejando que o manejo seja unificado, que tenha um melhor horizonte”, disse o servidor da Fundação Nacional do Índio (Funai) de Manaus, Luiz Ivanildo Moraes de Souza, que apoia a atividade com indígenas do Baixo rio Purus. Ele destacou ainda que com o diagnóstico é possível conseguir mais apoio dos órgãos responsáveis: “Vai ajudar para o Estado ver a importância que isso tem”.

Também para a técnica de pesca da Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Cujubim, Rosilda Araújo, o diagnóstico tem a função de unir as pessoas em torno do assunto. Com o acesso à informação poderão construir um maior diálogo sobre o manejo e buscar sua melhoria.

O lançamento do diagnóstico está sendo apresentado em três dias de seminário, em que os participantes devem pensar formas de avançar com o manejo sustentável de pirarucu para todo o Amazonas. “Estamos tendo uma grande oportunidade, nestes dias, de fortalecer o coletivo do manejo”, destacou o indigenista Leonardo Pereira Kurihara, da OPAN.

* Compõem o projeto “Parceria para conservação da biodiversidade na Amazônia” o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), a Fundação Nacional do Índio (Funai), Operação Amazônia Nativa (OPAN), Conservation Strategy Fund (CSF). A iniciativa conta com apoio do Serviço Florestal Americano e da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional.

Contatos com a imprensa

Dafne Spolti

dafne@amazonianativa.org.br

(92) 9 8405-1757

(65) 9 9223-2494

Flores, lágrimas e força

28 Nov, 2022

Países insulares seguem sendo grandes propulsores de avanços no debate sobre clima no mundo. Povos indígenas exigem participação em fundo sobre perdas e danos.

A PNGATI e a esperança por dias melhores

09 Nov, 2022

De diversas regiões da Amazônia, representantes indígenas compartilham na COP27 reflexões e experiências sobre a PNGATI à luz do novo governo no Brasil.

Brasil dá seu recado no Egito

05 Nov, 2022

Delegação da Amazônia brasileira abre trabalhos na COP27 com contribuições técnicas na reunião da Plataforma Indígena da UNFCCC. Barreira do idioma ainda é desafio.
Nossos Parceiros
Ver Mais