22 de setembro de 2018

Pela primeira vez na região do vale do Araguaia, um indígena Xavante assumiu a presidência de uma Câmara Municipal.

Por: Giovanny Vera/OPAN

Terra Indígena Marãiwatsédé, Bom Jesus do Araguaia (MT)- Na semana anterior, dia 14, Vanderlei Temireté Xavante (PSDB), vereador indígena de Bom Jesus do Araguaia, no nordeste de Mato Grosso, assumiu a presidência interina da Câmara Municipal, logo que o prefeito Joel Ferreira (PSDB) e o vice-prefeito Edmárcio Moreira da Silva (PRP) tiveram seus mandatos cassados.

O vereador Vanderlei Xavante, de 32 anos, é indígena da etnia Xavante da Terra Indígena (TI) Marãiwatsédé e está em seu segundo mandato do município, que fica a 980 km de Cuiabá (MT). Sua primeira gestão foi em 2013, e em 2017 iniciou a segunda, quando assumiu a vice-presidência da Câmara Municipal. Agora, Daduwari, nome indígena do vereador, se converteu no primeiro Xavante presidente de uma Câmara Municipal nos municípios do vale do Araguaia.

“Desde 2012, quando fui eleito vereador, estou trabalhando para resolver as demandas e problemas dos indígenas e dos não indígenas, da nossa gente de Bom Jesus. Agora como presidente da Câmara, com o novo prefeito Ronaldo Oliveira e com os vereadores, vamos continuar esse trabalho”, disse o vereador Xavante. Ele é o único indígena na Câmara de Vereadores de Bom Jesus do Araguaia, e vem promovendo melhoras para a TI Marãiwatsédé, como a busca de recursos para obras para escolas, postos de saúde e abertura de estradas. Porém, ele afirmou que o objetivo de sua gestão é “resolver os problemas de toda a população do município, sejam indígenas, não indígenas, assentados ou habitantes da cidade”. Ele é Xavante, mas atua para toda a população, explicou.

Vanderlei acredita que é a espiritualidade indígena que o fortalece e o levou a ser eleito como vereador e continuar a luta pelos direitos de sua comunidade, ocupando espaços que anteriormente eram negados aos indígenas. Ele ressaltou que atualmente a Câmara Municipal de Bom Jesus do Araguaia desenvolve ações coordenadas entre os vereadores para encontrar soluções para melhorar a qualidade de vida de todos os habitantes do município.

Dessa forma, o vereador Vanderlei se mostra como mais um protagonista da luta indígena por seus territórios, por suas culturas e por suas vidas, ocupando espaços políticos que devem assegurar melhores condições para estes povos, que também são brasileiros.

Os Xavante de Marãiwatsédé foram retirados de seu território em 1966, sendo transferidos para a Missão Salesiana de São Marcos, a 330 quilômetros de sua terra. Desde essa época sempre mantiveram o interesse de regressar ao seu tradicional território. Em 2003, decidiram retornar definitivamente e ficaram acampados na BR-158, até que em 2004 conseguiram retomar legalmente 10% de seu território. Só em 2012, aconteceu a desintrusão da TI Marãiwatsédé, quando o Supremo Tribunal Federal reconheceu o direito territorial dos Xavante de Marãiwatsédé. Porém, a terra estava ambientalmente muito modificada, o que obrigou a comunidade xavante a se adaptar a essa nova realidade. Inicialmente era só um aldeia, mas para encontrar melhores condições de vida, hoje a população xavante está distribuída em oito aldeias, com maiores plantios de quintais e roçados.

Contato com a imprensa

Giovanny Vera
gio@amazonianativa.org.br
(65) 3322-2980

 

Indígenas da bacia do Juruena participam de festival de cinema em Brasília

02 Dez, 2022

Foram selecionadas duas produções audiovisuais do Coletivo Ijã Mytyli de Cinema Manoki e Myky e uma do povo Enawenê-Nawê

Flores, lágrimas e força

28 Nov, 2022

Países insulares seguem sendo grandes propulsores de avanços no debate sobre clima no mundo. Povos indígenas exigem participação em fundo sobre perdas e danos.

A PNGATI e a esperança por dias melhores

09 Nov, 2022

De diversas regiões da Amazônia, representantes indígenas compartilham na COP27 reflexões e experiências sobre a PNGATI à luz do novo governo no Brasil.
Nossos Parceiros
Ver Mais