22 de fevereiro de 2019

Indígenas Apurinã se reúnem a povos amazônicos da tríplice fronteira Brasil-Peru-Colômbia para trocar experiências sobre agricultura sustentável.

Por: Dafne Spolti/OPAN

Com apoio de Misereor e do projeto Raízes do Purus, patrocinado pela Petrobras por meio do Programa Petrobras Socioambiental, dois indígenas Apurinã e um membro da OPAN participaram na última semana do evento “Aula Viva”, um encontro com organizações indígenas, indigenistas, movimentos sociais e agricultores do Peru, Colômbia e do Brasil. Uma iniciativa da Fundación Caminos de Identidad (Fucai) e da Associação Caminhos de Abundância da Amazônia (Acaam), o evento vai contribuir para a ampliação de iniciativas de agricultura sustentável e da diversidade de alimentos cultivados.
 
A atividade foi marcada pela dinâmica agroecológica que tem como valores a coletividade, o compartilhamento de sementes, alimentos e experiências. Na chegada na comunidade Guanabara Três, do povo Tikuna, no Amazonas, os convidados foram recebidos com alimentos da aldeia e hospedados em grupos em casas de famílias. “A comida toda do evento era original, não tinha nada de ‘branco’”, destacou a dona Maria dos Anjos Nogueira, indígena Apurinã, conhecida em sua terra como rainha do SAF [sistema agroflorestal]. Pé de moleque de goma com banana, banana frita, moqueca de macaxeira, caiçuma de mandioca e pupunha, muitos sucos de camu camu, maracujá e carambola eram alguns dos alimentos. Todo o evento contou também com apresentações culturais do povo Tikuna.
 
A atividade foi marcada pela dinâmica agroecológica que tem como valores a coletividade, o compartilhamento de sementes, alimentos e experiências. Na chegada na comunidade Guanabara Três, do povo Tikuna, no Amazonas, os convidados foram recebidos com alimentos da aldeia e hospedados em grupos em casas de famílias. “A comida toda do evento era original, não tinha nada de ‘branco’”, destacou a dona Maria dos Anjos Nogueira, indígena Apurinã, conhecida em sua terra como rainha do SAF [sistema agroflorestal]. Pé de moleque de goma com banana, banana frita, moqueca de macaxeira, caiçuma de mandioca e pupunha, muitos sucos de camu camu, maracujá e carambola eram alguns dos alimentos. Todo o evento contou também com apresentações culturais do povo Tikuna.
 
Alimentos tradicionais, orgânicos. Foto: Magno de Lima dos Santos/OPAN.

Depois da noite de abertura os outros dias seguiram com falas dos presentes sobre sua agricultura e as atividades de campo. Divididos em grupos, um dos primeiros momentos foi o trabalho de evidenciarem a diversidade dos roçados e os modelos opostos a isso, em diferentes modelos agrícolas. “A aula teve objetivo de evidenciar o que é uma sociedade agricultora viver na escassez e na abundância”, explicou o indigenista da OPAN, Magno de Lima dos Santos. “Abundância somos nós que estamos nos organizando. É abundância porque tem diversidade de frutas”, detalhou o cacique Marcelino Apurinã.

Boa parte do aprendizado se deu no mutirão de agroecologia, onde todos foram compartilhar suas técnicas de plantio e trabalhar a terra em benefício de uma família escolhida para a atividade. Marcelino e Maria observaram maneiras diferentes de plantar e as possibilidades de utilizar alguns desses métodos. “Foi muito boa a forma das peruanas afofarem a terra”, destacou Maria. “Tinha coisa que a gente não estava trabalhando e agora vai estar”, disse Marcelino. Os dois disseram que pretendem fazer um encontro na terra deles para apresentarem a sua forma de fazer SAF também.

Depois da comunidade Guanabara Três, os grupos seguiram para a aldeia São Francisco, no município de Porto Nariño, na Colômbia, para conhecer um SAF implantado há 12 anos. A troca de informação continuou em uma área da Fucai, onde aprenderam sobre a extração de óleo de citronela e a fabricação de azeite de sachainchi.

Maria e Marcelino gostaram da experiência. Destacaram a receptividade dos anfitriões e a forma como organizaram o evento. “Principalmente a união foi o que eu vi lá. Todo mundo como irmão. Isso foi o que mais me chamou a atenção. Lá na minha comunidade o que eu vou explicar é essa forma de organização”, disse Marcelino. Ele e Maria também querem retomar as atividades culturais em sua aldeia. “A cultura deles foi muito linda. As crianças pequenininhas com roupa tradicional e tudo”, enfatizou ela.

O indigenista Magno também destacou que o evento foi positivo: “Do ponto de vista técnico o trabalho foi legal porque evidenciou que os países vizinhos, nossos irmãos peruanos e colombianos, estão desenvolvendo trabalhos sustentáveis, valorizando o ambiente como um todo”. Ele observou a metodologia teórica do trabalho de contraposição entre abundância e escassez e, ainda, a união fortalecida entre as organizações presentes. “A gente ir lá teve um caráter de ampliação de rede de parceiros para fora do país, o que foi importante”, concluiu.

Contatos com a imprensa

Dafne Spolti
dafne@amazonianativa.org.br
(92) 3213-5088 / 9 8405-1757
WhatsApp: (65) 9 9223-2494

COMO EVITAR A SAVANIZAÇÃO DA AMAZÔNIA

05 Set, 2022

Iniciativas de manejo sustentável de produtos da sociobiodiversidade são soluções que protegem a floresta, enquanto geram renda justa para comunidades indígenas.

Brô Mc’s: conheça o primeiro grupo de rap indígena a pisar no Rock in Rio

01 Set, 2022

Maior festival de música do mundo terá palco demarcado pela resistência indígena. Nos bastidores, grupo vai trazer mensagem especial sobre os isolados, indígenas que rejeitam contato com o restante da sociedade.

Vale do Javari: associação entre crimes ambientais e narcotráfico atualiza modus operandi do sistema seringalista

26 Ago, 2022

Apesar do histórico de massacres, exploração de recursos naturais e mão de obra escravizada, a região já vivenciou momentos de maior estabilidade quando o Estado se fez presente.
Nossos Parceiros
Ver Mais