16 de dezembro de 2019

Lançado em Manaus, livro “Raízes” oportuniza maior visibilidade sobre quatro povos indígenas do sul do Amazonas, apoiados pelo projeto Raízes do Purus.

O livro de fotografia “Raízes”, do fotógrafo Adriano Gambarini, produzido pela Operação Amazônia Nativa (OPAN), foi lançado na última semana na sede da Petrobras em Manaus, a patrocinadora do projeto “Raízes do Purus” por meio do Programa Petrobras Socioambiental. Além das equipes da empresa, estavam presentes organizações da sociedade civil, acadêmicos e membros do coletivo do manejo do pirarucu*. A obra agradou a indígenas retratados, aos trabalhadores e demais convidados, que puderam conhecer melhor o apoio da Petrobras ao projeto “Raízes do Purus” e conhecer os modos de vida dos povos Apurinã, Jamamadi, Paumari e Deni.

“Como amazonense e petroleiro, fico imensamente contente que a Petrobras tenha apoiado o projeto”, disse o funcionário da Petrobras, advogado Pedro Lucas Lindoso. “O livro Raízes retrata com esplêndida plasticidade o meio ambiente dos Paumari, a expressividade dos rostos do povo Jamamadi, a  rotina de trabalho dos Apurinã na busca da fartura de alimentos, os afazeres e a expressividade dos Deni, que parecem preservar suas tradições com orgulho”, avalia ele.

Para Pha’avi Hava Deni, um dos palestrantes durante o lançamento, presidente da Associação do Povo Deni do rio Xeruã (Aspodex), o livro é importante para divulgar a cultura dos Deni. “Algum kariva [não indígena] vai ver”, diz. Ele destacou que no livro é possível conhecer a história do pirarucu, peixe manejado pelos Deni com apoio do projeto: “O livro conta a história do ve’e [pirarucu], de como surgiu. Porque o povo Deni virou um pirarucu na nossa mitologia”.

Pha’avi durante lançamento do livro “Raízes”. Foto: Dafne Spolti/OPAN

Raimundo Paumari contou sobre os benefícios do manejo de pirarucu apoiado pelo projeto Raízes do Purus, explicando que a espécie estava ameaçada e que agora, com o manejo, existe muita fartura de peixes nas terras Paumari do rio Tapauá. A fartura garantida pelas formas de vida dos indígenas, algo que se busca garantir também entre os Jamamadi e Apurinã em sua maneira de gerir a terra, foi comentada pelo coordenador geral da OPAN, Ivar Busatto. “Com a alimentação farta na aldeia com as cadeias de valor é possível encontrar certa independência”, afirmou ele, dimensionando a amplitude dos resultados de trabalhos com as populações indígenas.

O fotógrafo Adriano Gambarini falou durante o lançamento sobre a nova trajetória que abriu no trabalho dele com populações indígenas e de que maneira ele deve ser realizado, com profundo respeito. “Primeiro quero aprender a conhecer o povo que eu estou fotografando”, explicou. Gambarini destacou a importância do registro histórico e de conhecer esses povos pensando também na proteção do ambiente. “Se tem uma maneira de conservar essa Amazônia é junto a esses povos”, enfatizou ele.

Adriano Gambarini com imagem do livro ao fundo. Foto: Dafne Spolti/OPAN.

O coordenador da Gerência Executiva de Responsabilidade Social da Petrobras no Amazonas, Vinicios Mousinho, também destacou a relevância do trabalho e da atividade. “Foi importantíssima a participação na Unidade porque acaba aproximando mais os projetos socioambientais da força de trabalho da Companhia”, disse, comentando que o lançamento foi bastante elogiado entre os trabalhadores. “Foi muito positivo o feedback do pessoal. Eles pediram mais oportunidades, mais ocasiões como essas. A gente vai estar sempre estimulando para que os projetos tenham esse espaço interno. Isso é muito válido”, concluiu ele.

Coordenador da Gerência de Responsabilidade Social, Vinicios Mousinho, ao centro. Foto: Dafne Spolti/OPAN.


* Chamado informalmente de “Coletivo de Pirarucu”, este grupo formado por organizações governamentais e não governamentais, parceiros e comunitários contribui para a valorização do manejo de pirarucu. Em sua trajetória, o coletivo já contou com atividades apoiadas pelo projeto Raízes do Purus.

Contatos com a imprensa
Dafne Spolti

dafne@amazonianativa.org.br
(65) 3322-2980 / 9 8476-5663

COMO EVITAR A SAVANIZAÇÃO DA AMAZÔNIA

05 Set, 2022

Iniciativas de manejo sustentável de produtos da sociobiodiversidade são soluções que protegem a floresta, enquanto geram renda justa para comunidades indígenas.

Brô Mc’s: conheça o primeiro grupo de rap indígena a pisar no Rock in Rio

01 Set, 2022

Maior festival de música do mundo terá palco demarcado pela resistência indígena. Nos bastidores, grupo vai trazer mensagem especial sobre os isolados, indígenas que rejeitam contato com o restante da sociedade.

Vale do Javari: associação entre crimes ambientais e narcotráfico atualiza modus operandi do sistema seringalista

26 Ago, 2022

Apesar do histórico de massacres, exploração de recursos naturais e mão de obra escravizada, a região já vivenciou momentos de maior estabilidade quando o Estado se fez presente.
Nossos Parceiros
Ver Mais