27 de janeiro de 2020

O seminário é organizado pela Operação Amazônia Nativa (OPAN), pelo projeto Berço das Águas e pela Rede Juruena Vivo.

Dias 3 e 4 de fevereiro acontece o seminário “Mulheres Indígenas: lutas, protagonismo e autonomia” na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), em Cuiabá. O evento é um espaço para compartilhamento de reflexões das mulheres indígenas e dos desafios enfrentados por elas, além de abrir para debates sobre a atuação indigenista junto às mesmas. Estarão presentes representantes de diferentes etnias, movimentos e associações indígenas, além de indigenistas e antropólogas. 

O seminário é organizado pela Operação Amazônia Nativa (OPAN), pelo projeto Berço das Águas e pela Rede Juruena Vivo. Conta também com a parceria da Universidade Federal de Mato Grosso, Faculdade de Nutrição-UFMT, Rede de Cooperação Solidária e Embaixada da Noruega.

No dia 3, o evento tem início com uma roda de conversa junto à Julieta Paredes. Pertencente a etnia Aymara, ela vem contribuído para formular o conceito de “feminismo comunitário” desde as bases indígenas bolivianas. No mesmo dia, à noite, abrem o seminário Telma Taurepang da União das Mulheres Indígenas da Amazônia Brasileira (UMIAB), Eloênia Boe Bororo da Organização das Mulheres Indígenas de Mato Grosso (Takiná) e Célia Xacriabá, da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), trazendo perspectivas da Amazônia, de Mato Grosso e do movimento indígena nacional. 

O evento conta com a presença de várias professoras e acadêmicas indígenas, que têm contribuído com novas epistemologias para refletir sobre as realidades dos povos indígenas brasileiros e amazônicos. As perspectivas indígenas sobre gênero são discutidas no dia 4 pela manhã. Julieta Paredes, co-fundadora do Mulheres Criando Comunidade: feminismo descolonial e comunitário de Abya Yala na Bolívia volta a falar, ao lado de Linda Terena, professora indígena e doutora em antropologia e de Kaiulu Yawalapiti Kamaiurá, da Associação Yamurikumã das Mulheres Xinguanas. 

Essa segunda mesa será coordenada por Naine Terena, professora indígena e doutora em educação. Perguntada sobre a importância do seminário, Naine contextualiza que “sempre é importante visibilizar o protagonismo das indígenas. Nos últimos anos, temos visto uma maior articulação e isso nos leva a ter que ampliar a visão da sociedade não indígena sobre quem são as mulheres indígenas e sua contribuição para o mundo”.

Na tarde do dia 4, o evento termina com um debate sobre a atuação das organizações indigenistas junto às mulheres indígenas e sobre como essas instituições têm refletido sobre questões de gênero para dentro de suas próprias estruturas. Nurit Bensusan fala sobre o Grupo de Trabalho de Gênero criado pelo Instituto Socioambiental (ISA). Ângela Sacchi, pós-doutora em antropologia, traz uma discussão sobre a relação entre as agendas das mulheres indígenas e o indigenismo. Catiúscia Souza, indigenista na OPAN, traz o histórico de trabalho da organização junto às mulheres indígenas de Mato Grosso e Amazonas. Ela espera que o evento “possa nos trazer à luz as questões que realmente são importantes para as mulheres indígenas na busca pela efetivação dos seus direitos e reconhecimento da representação feminina”. A mesa será coordenada por Tipuici Manoki, professora indígena e graduada em ciências sociais. 

O evento é aberto ao público, está sujeito a lotação e as inscrições serão realizadas no momento, com direito a certificado.

PROGRAMAÇÃO – Seminário Mulheres indígenas: lutas, protagonismo e autonomia

Local: UFMT – Universidade Federal de Mato Grosso, auditório do INPP – Instituto Nacional de Pesquisas do Pantanal
Data: 3 e 4 de fevereiro

3 de fevereiro, segunda feira (14-17h):

Roda de conversa com Julieta Paredes sobre feminismo comunitário e outros temas.

3 de fevereiro, segunda feira (19h)

Conferência de Abertura
– Telma Taurepang (União das Mulheres Indígenas da Amazônia Brasileira – Umiab)
– Eloênia Boe Bororo (Organização das Mulheres Indígenas de Mato Grosso – Takiná)
– Célia Xacriabá (Articulação dos Povos Indígenas do Brasil – APIB)
Coordenação: Lola Campos Rebollar (OPAN)

4 de fevereiro, terça feira (9-12h)

Mesa 1 – Mulheres indígenas e questões de gênero
– Julieta Paredes (Mujeres Creando Comunidad: feminismo descolonial e comunitário de Abya Yala na Bolívia)
– Linda Terena (professora indígena e doutora em antropologia)
– Kaiulu Yawalapiti Kamaiurá (Associação Yamurikumã das Mulheres Xinguanas)
Coordenação: Naine Terena de Jesus (professora indígena e doutora em educação)

4 de fevereiro, terça feira (14-17h)

Mesa 2 – Como as instituições indigenistas trabalham a questão de gênero?
– Nurit Bensusan (especialista em biodiversidade no Programa Política e Direito Socioambiental do Instituto Socioambiental  – ISA)
– Ângela Sacchi (pós doutora em antropologia)
– Catiúscia Souza (mestre em sociologia política e indigenista na OPAN)
Coordenação: Tipuici Manoki (professora indígena e graduada em ciências sociais)

 

Contato com a imprensa:
Lívia Alcântara
livia@amazonianativa.org.br

 

COMO EVITAR A SAVANIZAÇÃO DA AMAZÔNIA

05 Set, 2022

Iniciativas de manejo sustentável de produtos da sociobiodiversidade são soluções que protegem a floresta, enquanto geram renda justa para comunidades indígenas.

Brô Mc’s: conheça o primeiro grupo de rap indígena a pisar no Rock in Rio

01 Set, 2022

Maior festival de música do mundo terá palco demarcado pela resistência indígena. Nos bastidores, grupo vai trazer mensagem especial sobre os isolados, indígenas que rejeitam contato com o restante da sociedade.

Vale do Javari: associação entre crimes ambientais e narcotráfico atualiza modus operandi do sistema seringalista

26 Ago, 2022

Apesar do histórico de massacres, exploração de recursos naturais e mão de obra escravizada, a região já vivenciou momentos de maior estabilidade quando o Estado se fez presente.
Nossos Parceiros
Ver Mais