27 de janeiro de 2020

Dias 3 e 4 de fevereiro acontece o seminário “Mulheres Indígenas: lutas, protagonismo e autonomia” na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), em Cuiabá. O evento é um espaço para compartilhamento de reflexões das mulheres indígenas e dos desafios enfrentados por elas, além de abrir para debates sobre a atuação indigenista junto às mesmas. Estarão […]

Dias 3 e 4 de fevereiro acontece o seminário “Mulheres Indígenas: lutas, protagonismo e autonomia” na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), em Cuiabá. O evento é um espaço para compartilhamento de reflexões das mulheres indígenas e dos desafios enfrentados por elas, além de abrir para debates sobre a atuação indigenista junto às mesmas. Estarão presentes representantes de diferentes etnias, movimentos e associações indígenas, além de indigenistas e antropólogas. 

O seminário é organizado pela Operação Amazônia Nativa (OPAN), pelo projeto Berço das Águas e pela Rede Juruena Vivo. Conta também com a parceria da Universidade Federal de Mato Grosso, Faculdade de Nutrição-UFMT, Rede de Cooperação Solidária e Embaixada da Noruega.

No dia 3, o evento tem início com uma roda de conversa junto à Julieta Paredes. Pertencente a etnia Aymara, ela vem contribuído para formular o conceito de “feminismo comunitário” desde as bases indígenas bolivianas. No mesmo dia, à noite, abrem o seminário Telma Taurepang da União das Mulheres Indígenas da Amazônia Brasileira (UMIAB), Eloênia Boe Bororo da Organização das Mulheres Indígenas de Mato Grosso (Takiná) e Célia Xacriabá, da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), trazendo perspectivas da Amazônia, de Mato Grosso e do movimento indígena nacional. 

O evento conta com a presença de várias professoras e acadêmicas indígenas, que têm contribuído com novas epistemologias para refletir sobre as realidades dos povos indígenas brasileiros e amazônicos. As perspectivas indígenas sobre gênero são discutidas no dia 4 pela manhã. Julieta Paredes, co-fundadora do Mulheres Criando Comunidade: feminismo descolonial e comunitário de Abya Yala na Bolívia volta a falar, ao lado de Linda Terena, professora indígena e doutora em antropologia e de Kaiulu Yawalapiti Kamaiurá, da Associação Yamurikumã das Mulheres Xinguanas. 

Essa segunda mesa será coordenada por Naine Terena, professora indígena e doutora em educação. Perguntada sobre a importância do seminário, Naine contextualiza que “sempre é importante visibilizar o protagonismo das indígenas. Nos últimos anos, temos visto uma maior articulação e isso nos leva a ter que ampliar a visão da sociedade não indígena sobre quem são as mulheres indígenas e sua contribuição para o mundo”.

Na tarde do dia 4, o evento termina com um debate sobre a atuação das organizações indigenistas junto às mulheres indígenas e sobre como essas instituições têm refletido sobre questões de gênero para dentro de suas próprias estruturas. Nurit Bensusan fala sobre o Grupo de Trabalho de Gênero criado pelo Instituto Socioambiental (ISA). Ângela Sacchi, pós-doutora em antropologia, traz uma discussão sobre a relação entre as agendas das mulheres indígenas e o indigenismo. Catiúscia Souza, indigenista na OPAN, traz o histórico de trabalho da organização junto às mulheres indígenas de Mato Grosso e Amazonas. Ela espera que o evento “possa nos trazer à luz as questões que realmente são importantes para as mulheres indígenas na busca pela efetivação dos seus direitos e reconhecimento da representação feminina”. A mesa será coordenada por Tipuici Manoki, professora indígena e graduada em ciências sociais. 

O evento é aberto ao público, está sujeito a lotação e as inscrições serão realizadas no momento, com direito a certificado.

PROGRAMAÇÃO – Seminário Mulheres indígenas: lutas, protagonismo e autonomia

Local: UFMT – Universidade Federal de Mato Grosso, auditório do INPP – Instituto Nacional de Pesquisas do Pantanal
Data: 3 e 4 de fevereiro

3 de fevereiro, segunda feira (14-17h):

Roda de conversa com Julieta Paredes sobre feminismo comunitário e outros temas.

3 de fevereiro, segunda feira (19h)

Conferência de Abertura
– Telma Taurepang (União das Mulheres Indígenas da Amazônia Brasileira – Umiab)
– Eloênia Boe Bororo (Organização das Mulheres Indígenas de Mato Grosso – Takiná)
– Célia Xacriabá (Articulação dos Povos Indígenas do Brasil – APIB)
Coordenação: Lola Campos Rebollar (OPAN)

4 de fevereiro, terça feira (9-12h)

Mesa 1 – Mulheres indígenas e questões de gênero
– Julieta Paredes (Mujeres Creando Comunidad: feminismo descolonial e comunitário de Abya Yala na Bolívia)
– Linda Terena (professora indígena e doutora em antropologia)
– Kaiulu Yawalapiti Kamaiurá (Associação Yamurikumã das Mulheres Xinguanas)
Coordenação: Naine Terena de Jesus (professora indígena e doutora em educação)

4 de fevereiro, terça feira (14-17h)

Mesa 2 – Como as instituições indigenistas trabalham a questão de gênero?
– Nurit Bensusan (especialista em biodiversidade no Programa Política e Direito Socioambiental do Instituto Socioambiental  – ISA)
– Ângela Sacchi (pós doutora em antropologia)
– Catiúscia Souza (mestre em sociologia política e indigenista na OPAN)
Coordenação: Tipuici Manoki (professora indígena e graduada em ciências sociais)

 

Contato com a imprensa:
Lívia Alcântara
livia@amazonianativa.org.br

 

Em decisão histórica, STF reconhece direito territorial dos povos indígenas do Parque Aripuanã

17 Jan, 2022

Na decisão a Corte ainda condenou o estado mato-grossense a arcar com despesas do processo. O voto destaca a presença tradicional e histórica dos indígenas na região

Indígenas do povo Kanela sofrem com enchentes e pedem doações de alimentos e água potável

11 Jan, 2022

Os alagamentos vêm prejudicando a produção de alimentos de cerca de 189 pessoas da aldeia Nova Pukanū, localizada na região Araguaia, em Mato Grosso. No local não há água potável e as casas correm o risco de sofrerem novas inundações. Saiba como ajudar os indígenas atingidos por enchentes

Manejo de pirarucu e proteção de Terras Indígenas são destaque no Rio Gastronomia

22 Dez, 2021

Lideranças Deni e Paumari compartilharam suas experiências com os participantes do evento, que provaram diferentes pratos com o pirarucu pescado pelas comunidades
Nossos Parceiros
Ver Mais