30 de outubro de 2020

A OPAN, em parceria com a GWC, desenvolve o projeto chamado Proteção Territorial e Recuperação de Ecossistemas afetados por incêndios florestais na Amazônia Legal, apoiando comunidades tradicionais no enfrentamento e na prevenção de incêndios florestais.

Por Lola Rebollar/OPAN

No atual contexto político, com o discurso de incentivo às atividades ilegais e predatórias na Amazônia entoado pelo governo Jair Bolsonaro e o afrouxamento institucionalizado do aparato da fiscalização ambiental, temos vivenciado efeitos desastrosos durante os meses de estiagem dos últimos dois anos. As queimadas aumentaram 80% em 2019, se comparadas ao mesmo período de 2018, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Em 2020, na Amazônia Legal,   já se contabilizava (de 1º de janeiro a 17 de outubro) um aumento de 27,3% de queimadas, em relação ao mesmo período de 2019.

O Nordeste e Noroeste de Mato Grosso, como o Sul e Sudeste do Amazonas, são regiões que vivem a expansão da fronteira agrícola e pecuária, juntamente com a exploração madeireira, o garimpo, a pesca ilegal e a caça, provocando expropriação de terras públicas por especuladores, desmatamento, degradação, incêndios florestais, pressão, e até a expulsão de populações tradicionais de seus territórios.

Brigadista indígena combatendo o fogo na TI Marãiwatsédé. Foto: Jorge Torres

Essa dinâmica representa uma gravíssima ameaça para a diversidade biológica, rica em espécies endêmicas de extrema relevância para a conservação, assim como para os povos que vivem na floresta. A grande maioria de incêndios florestais que a Amazônia vem sofrendo não pode ser compreendida sem o entendimento de que o fogo é apenas um elo de uma cadeia de interesses pela exploração dos recursos naturais. Segundo a rede Amigos da Terra internacional, o fogo não é um fato isolado. “Trata-se uma das etapas de um processo que consiste na retirada e venda ilegal de madeira, seguida de queimadas e desmatamento, grilagem de terras e de águas através da ocupação com gado, processo impulsiona a continuidade da expansão da fronteira agrícola na região.”   Tudo isso com o apoio de grandes empresas transnacionais, também interessadas nas exploração de minérios.

A Operação Amazônia Nativa (OPAN), em parceria com a Global Wildlife Conservation (GWC), desenvolve o projeto chamado Proteção Territorial e Recuperação de Ecossistemas afetados por incêndios florestais na Amazônia Legal, apoiando povos indígenas e comunidades tradicionais nos estados de Mato Grosso e do Amazonas no enfrentamento e na prevenção de incêndios florestais. Esta proposta inclui ações de caráter emergencial em resposta à situação calamitosa de focos de calor e desmatamento na Amazônia Legal, e também trabalhos formativo-estruturantes que contribuem para a prevenção de novas ocorrências, recuperação florestal e conservação da biodiversidade.

Depois de anos de organização e lutas, o movimento indígena no Brasil, juntamente com uma diversidade de entidades parceiras, conseguiu que fosse instituída em 2012 a Política Nacional de Gestão Territorial e Ambiental de Terras Indígenas (PNGATI), um suporte legal para promover a gestão ambiental dos territórios indígenas.

A OPAN especializou-se em metodologias para facilitar a elaboração de Planos de Gestão Territorial e Ambiental em terras indígenas. Dentro dos planos construídos pelos povos, são eixos estratégicos a vigilância e monitoramento territorial, a conservação ambiental e o empoderamento das comunidades para a própria gestão. É nesse marco que situamos o apoio às brigadas indígenas.

Os povos indígenas sempre cuidaram dos ecossistemas onde habitam. Suas formas de manejo do solo, do fogo, das plantas e sementes vêm contribuindo historicamente para a conservação e enriquecimento da biodiversidade na Amazônia. A sobrevivência da floresta está estreitamente vinculada à sobrevivência dos povos indígenas e comunidades tradicionais. Nesse sentido, o projeto busca fortalecer quatro povos: os Manoki, os Myky, os Xavante de Marãiwatséde (MT) e os Tenharim no Amazonas. Juntos, eles cuidam de mais de 1,8 milhão de hectares.

O Programa de Brigadas Federais em Terras Indígenas surgiu em 2013, por meio de um Acordo de Cooperação Técnica entre Fundação Nacional do Índio (Funai) e o Ibama, autarquia responsável pela seleção, capacitação e contratação de brigadistas indígenas. Ao reunirem o conhecimento tradicional indígena às técnicas de Manejo Integrado do Fogo (MIF) e ao uso de novas tecnologias, as comunidades obtiveram mais base para proteger e monitorar as terras em que habitam. E não raro, passaram a contribuir com os combates fora delas neste contexto de pressões climáticas e macroeconômicas.

Quem pensa que o trabalho das brigadas indígenas se limita ao combate de incêndios, está muito equivocado. Uma parte importante centra-se em ações de prevenção com as queimas prescritas e controladas, a abertura de aceiros e limpeza de terrenos, juntamente com a recuperação de áreas degradadas. Este é o caso dos Xavante, que melhoraram a estrutura de seu viveiro. O canteiro conta atualmente com mais de 18 mil mudas aptas a serem plantadas em áreas degradadas da Terra indígena.

Em 2020, por causa da pandemia e de novas exigências do governo federal, a contratação das brigadas sofreu atrasos. Normalmente, esta contratação é realizada no início da estiagem, entre os meses de abril e maio, para implementar os cursos de formação de novos brigadistas e realizar as atividades de prevenção, aproveitando as taxas de umidade que ainda são suficientemente altas para ajudar no controle dos fogos.

A maior parte das contratações se efetivou apenas em julho, exigindo um esforço redobrado do Ibama, do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), da Funai e das equipes brigadistas para proteger os territórios.  

Brigadas Indígenas e Conservação vão de mão dada, assim como o esforço de milhares de grupos, entidades e cidadãos esclarecidos. Mas tudo será insuficiente se os responsáveis governamentais não tiverem a capacidade de enxergar a imensa riqueza da sociobiodiversidade e transitarem a história olhando, obtusos, as ganâncias das “boiadas”. 

* Lola Rebollar é coordenadora do projeto Proteção Territorial e Recuperação de Ecossistemas afetados por incêndios florestais na Amazônia Legal, doutora em Educação e atua na OPAN há 10 anos. 

** Colaborou: Coletivo de Cinema Ijã Mytyli / 

Flores, lágrimas e força

28 Nov, 2022

Países insulares seguem sendo grandes propulsores de avanços no debate sobre clima no mundo. Povos indígenas exigem participação em fundo sobre perdas e danos.

A PNGATI e a esperança por dias melhores

09 Nov, 2022

De diversas regiões da Amazônia, representantes indígenas compartilham na COP27 reflexões e experiências sobre a PNGATI à luz do novo governo no Brasil.

Brasil dá seu recado no Egito

05 Nov, 2022

Delegação da Amazônia brasileira abre trabalhos na COP27 com contribuições técnicas na reunião da Plataforma Indígena da UNFCCC. Barreira do idioma ainda é desafio.
Nossos Parceiros
Ver Mais