03 de novembro de 2020

Ele foi o coordenador do primeiro grupo de professores que atuou na educação e na alfabetização das crianças de seu povo e um dos principais responsáveis pelo início de uma educação escolar mais próxima à cultura Rikbaktsa.

Por Rinaldo Arruda / OPAN

Dos primeiros amigos que fiz nos Rikbaktsa, Arlindo era minha referência e meu hospedeiro nas numerosas vezes que fui lá. Fizemos várias viagens de reconhecimento no território Rikbaktsa, acampando, pescando e caçando no caminho.

Formou um belo casamento e uma família linda junto com Maria Isabel. Sempre morou na aldeia da Primeira Cachoeira. E, há alguns anos, fez sua “aldeinha” ali perto, com sua família, a aldeia Primavera do Oeste. Em 2017, quando fui lá com minha filha Marina, ele novamente me hospedou, com a generosidade e carinho que sempre demonstrou.

O Arlindo foi, em primeiro lugar, um guerreiro. Bom caçador e agricultor, excelente artesão e, principalmente, um grande pensador. Sempre intrigado com a natureza humana, com o mundo e com os caminhos importantes a serem seguidos.

Lia bastante e escrevia suas reflexões. Quando o encontrava, sempre tinha escritos e questões que gostava de mostrar e debater. Além de tudo, grande contador de casos e apresentador de charadas a serem decifradas, entre risadas e brincadeiras que acompanhavam qualquer conversa.

A vida inteira ele esteve na linha de frente das grandes lutas de seu povo. Se destacou na luta pela demarcação do Japuíra e do Escondido. Ele e Rafael foram os primeiros a fazer frente à invasão armada do batalhão que os atacou no Japuíra, nas lutas pela retomada daquela área. Depois, se destacou em várias ocasiões, como na expulsão do fazendeiro João Conte do Japuíra, e em outros momentos tensos e perigosos.

Foi o coordenador do primeiro grupo de professores Rikbaktsa que atuou na educação e na alfabetização das crianças de seu povo. Orientou os outros professores e procurou desenvolver material didático próprio, ainda na época em que esse importante trabalho era totalmente voluntário. Foi um dos principais responsáveis pelo início de uma educação escolar mais próxima à cultura Rikbaktsa.

Sinto no coração sua partida e fico triste em pensar que quando voltar por lá não mais o encontrarei. De todo modo, Arlindo, vivemos uma bela amizade e isso não se perde jamais.

Deixo aqui um abraço apertado para Maria Isabel e seus filhos e a todos os Rikbaktsa. Que o Arlindo descanse em paz, na aldeia ancestral, junto com todos os que para lá já foram.

 

COMO EVITAR A SAVANIZAÇÃO DA AMAZÔNIA

05 Set, 2022

Iniciativas de manejo sustentável de produtos da sociobiodiversidade são soluções que protegem a floresta, enquanto geram renda justa para comunidades indígenas.

Brô Mc’s: conheça o primeiro grupo de rap indígena a pisar no Rock in Rio

01 Set, 2022

Maior festival de música do mundo terá palco demarcado pela resistência indígena. Nos bastidores, grupo vai trazer mensagem especial sobre os isolados, indígenas que rejeitam contato com o restante da sociedade.

Vale do Javari: associação entre crimes ambientais e narcotráfico atualiza modus operandi do sistema seringalista

26 Ago, 2022

Apesar do histórico de massacres, exploração de recursos naturais e mão de obra escravizada, a região já vivenciou momentos de maior estabilidade quando o Estado se fez presente.
Nossos Parceiros
Ver Mais