O prêmio é organizado pela entidade alemã Schwelle Foundation e entregue a organizações que reconhecidamente promovem justiça social. O Bremen Peace Award existe desde 2003.

A Operação Amazônia Nativa (OPAN) é finalista do Prêmio Internacional Paz de Bremen 2021. A organização compõe a lista das cinco – entre 59 ONGs de diferentes países – indicadas por trabalhar em prol da justiça, igualdade e defesa dos direitos humanos, na categoria “iniciativas encorajadoras”. A vencedora será escolhida por processo de votação, até o dia 30 de junho. O resultado será anunciado em setembro.

O prêmio é organizado pela entidade alemã Schwelle Foundation e entregue a organizações que reconhecidamente promovem justiça social. O Bremen Peace Award existe desde 2003, quando a Schwelle Foudation premiou a polonesa Weronika Sakowska por seus 10 anos de trabalho em um campo para refugiados do genocídio, em Ruanda.

Na edição de 2021, um conselho de curadores selecionou, além da OPAN, entidade da Grécia que dá apoio a imigrantes que sofrem preconceito no país; organização da Turquia que atua em prol da educação; trabalho coletivo da França contra prisões arbitrárias; e ONG de Camarões que presta suporte a mulheres que sofrem com os conflitos políticos do país.

“A OPAN é uma entidade que nasceu a partir do engajamento de voluntários em prol das comunidades mais vulneráveis do país, em plena ditadura militar. É muito gratificante ver que nossa trajetória de 52 anos de contribuições ao Brasil está sendo reconhecida internacionalmente, ainda mais num momento tão delicado de retrocessos e autoritarismo, como vivemos hoje”, afirma  Andreia Fanzeres, coordenadora do Programa de Direitos Indígenas Política Indigenista e Informação à Sociedade, da OPAN.

Devido à pandemia, a cerimônia de entrega do prêmio só ocorrerá em 2022, informa a Schwelle Foundation. O evento acontecerá na sede da prefeitura de Bremen, no norte da Alemanha.

Para mais informações sobre o prêmio e os critérios para participar da votação, acesse: https://dieschwelle.de/nc/en/peace-award/peace-award-2021.html

Estado e municípios ignoram decisão judicial e não vacinam indígenas que vivem em cidades

Poderes se esquivam de responsabilidade e descumprem determinação do STF. Desde o dia 16 de março, o ministro Luís Roberto Barroso determinou que o poder público garanta também a prioridade de imunização a essa população.

Seis PCHs ameaçam deixar o rio Cuiabá sem peixes

Pescadores e entidades socioambientais realizam campanha para a não aprovação dos licenciamentos das usinas.

Brigadas indígenas reduzem incêndios florestais no interior e entorno de territórios

Estudo aponta que no período de atuação das equipes focos de calor diminuíram em três das quatro TIs analisadas; na TI Myky, redução de queimadas em seu interior foi de 74%
Nossos Parceiros
Ver Mais