31 de agosto de 2021

O trabalho remoto, que até então aplicava-se a raras relações trabalhistas, geralmente do ramo da burocracia estatal, passou a ser uma imposição, uma realidade. Mas a pergunta que tentaremos responder e registrar neste relatório é: como uma instituição indigenista continua atuando em um contexto de trabalho remoto?

A rotina de trabalho conhecida como “normal” antes do início da pandemia da covid-19 durou apenas dois meses do ano de 2020. Já em março, o cronograma de ações e compromissos com os projetos e comunidades deu lugar à pauta de ações emergenciais que a OPAN assumiu como forma de atenuar os impactos da doença entre os povos indígenas.

Após o processo de rearranjo interno, a OPAN defrontou-se com uma adversidade: era preciso obter informações confiáveis, atualizadas e precisas sobre a situação das comunidades sem pisar nas aldeias. O desafio foi superado com a elaboração de um protocolo de monitoramento remoto das terras indígenas.

Em 2020, a emergência das ações de saúde como prioridade fez com que a OPAN retornasse às suas origens. O cuidado com o bem viver dos povos sempre foi a matriz institucional da organização, e com a crise sanitária essa expertise foi bem aproveitada.

Leia mais:

A WEB3 como palco para a arte indígena

29 Jun, 2022

Ampliação das plataformas de exibição e comércio de produções digitais fornecem espaço cada vez maior para atuação de artistas que antes dependiam de curadorias tradicionais para divulgar e comercializar seus trabalhos.

82% das infrações ambientais julgadas pela SEMA-MT levam mais de 5 anos para serem concluídas

29 Jun, 2022

Relatório revela que dos 1012 processos administrativos julgados pelo Consema-MT, entre 2017 e agosto de 2021, apenas 18% foram concluídos em até 5 anos.

Povo Haliti-Paresi realiza expedições para avaliar roteiros de etnoturismo

28 Jun, 2022

Projeto propõe imersão cultural de uma semana em aldeias com exuberantes paisagens.
Nossos Parceiros
Ver Mais