15 de setembro de 2021

Ministro Alexandre de Moraes pediu vista após Nunes Marques votar a favor de tese que deturpa direitos dos povos originários

Helson França/OPAN

O julgamento do Recurso Extraordinário (RE) 1.017.365 no Supremo Tribunal Federal (STF), que versa sobre a possibilidade de se instituir um marco temporal à demarcação de terras indígenas – tese que viola os direitos originários das populações nativas sobre os seus territórios – , foi suspenso por tempo indeterminado nesta quarta-feira (15.09). A situação ocorreu porque o ministro Alexandre de Moraes pediu vista do processo. Agora, o caso somente volta à pauta do Supremo quando Moraes liberar os autos e uma nova sessão for agendada pela Corte.

Ele sustentou que precisava de um tempo maior para avaliar os votos anteriores dos colegas Edson Fachin e Nunes Marques, que divergiram, para somente então formar convicção sobre o tema e proferir sua decisão. Marques, recém-nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro, votou a favor da tese do marco temporal – algo já esperado, segundo juristas. 

“Não nos surpreendeu. Em seu argumento [a favor do marco temporal], o ministro chegou a citar linhões de energia e estradas que cruzam terras indígenas, opondo os direitos dos povos nativos à ideia de desenvolvimento econômico e progresso. Trata-se de uma narrativa retrógrada, expressão máxima do agronegócio ”, observou o advogado Eloy Terena, coordenador jurídico da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), durante transmissão virtual em que analisava o julgamento.

Fachin, que é o ministro-relator do processo, já havia lido o seu voto, contrário ao argumento, em junho, durante sessão virtual do tribunal. Na semana passada, ele ratificou o seu posicionamento.

Povos seguem mobilizados em todo o país. A 2ª Marcha das Mulheres, em Brasília, reuniu mais de 5 mil pessoas. Créditos: APIB.

Desde o dia 20 de agosto, milhares de indígenas estiveram na capital federal para acompanhar o julgamento. Um acampamento, denominado Luta Pela Vida, chegou a ser montado na Praça da Cidadania. Na semana passada, ainda foi realizada a 2ª Marcha das Mulheres, movimento pelo empoderamento feminino indígena, que reuniu mais de cinco mil pessoas. Mesmo assim, o julgamento, na pauta do desde o dia 30 de junho, foi sucessivamente adiado.

Marco temporal

Argumento defendido por ruralistas e setores interessados na exploração das terras indígenas, o marco temporal sustenta que os povos originários só podem reivindicar terras que eram ocupadas por eles na data da promulgação da Constituição Federal, em 5 de outubro de 1988 – ou áreas que disputavam judicialmente naquele momento.

O entendimento problemático desconsidera remoções forçadas e todas as violências sofridas pelos indígenas antes da Constituição.

Entre os povos que foram expulsos de suas terras, estão os Tapayuna. O grupo historicamente vivia em uma área situada na margem esquerda do Rio Arinos, via fluvial que atravessa os municípios mato-grossenses de Juara, Novo Horizonte do Norte, Porto dos Gaúchos, Itanhangá e Tabaporã.

Após quase serem dizimados pela violência e gripe levadas por invasores, seringueiros em sua maioria, os indígenas foram removidos compulsoriamente de suas terras em maio de 1970, durante a Ditadura Militar. Eles foram transferidos em aviões militares da Força Aérea Brasileira (FAB) para a região do Xingu – onde permanecem até hoje.

Outros povos que foram tirados dos locais de origem são os Kayabi, que habitavam a cabeceira do Rio Teles Pires e a região do Rio dos Peixes, no Norte de Mato Grosso. De forma semelhante aos Tapayuna, eles também foram levados para o Xingu, na década de 70.

O argumento do marco temporal contraria também a própria Constituição Federal, que no artigo 231 assegura aos indígenas seus “direitos originários sobre as terras que tradicionalmente ocupam”, e atribui à União a responsabilidade em “demarcá-las e protegê-las”. A tese ainda configura grave ameaça aos povos indígenas isolados, já que, em razão da condição em que vivem, a comprovação territorial desses grupos ficaria ainda mais difícil de ser realizada.

Na avaliação do coordenador geral da Operação Amazônia Nativa (OPAN), Ivar Busatto, a referida tese configura um “saque de direitos” das populações indígenas.

“O direito territorial dos povos indígenas foi reconhecido pela própria Constituição como sendo um direito originário e imprescritível, ou seja, que antecede inclusive a formação do Estado brasileiro e não perde o efeito ao longo do tempo. Pensar em estipular uma data para dizer qual povo pode ou não ter a terra demarcada, além de ser um retrocesso e não resolver as disputas territoriais, favorece o acirramento de conflitos”, observa.

Julgamento

O julgamento no STF faz parte de uma ação de reintegração de posse movida pelo governo de Santa Catarina contra o povo Xokleng, que se refere à TI Ibirama-Laklãnõ, onde vivem também indígenas Kaingang e Guarani. O Recurso Extraordinário possui status de repercussão geral – o que significa que a decisão tomada servirá de diretriz para casos semelhantes no país, em todas as esferas judiciais.

No caso de o argumento do marco temporal prevalecer no STF, todas as terras indígenas que se enquadrem no critério ficam ainda mais ameaçadas. Isso porque aquelas já demarcadas podem ser reduzidas e as outras, em trâmite para a regularização fundiária, podem não ter o processo concluído.

Dados do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), revelam que, das 1.298 terras indígenas no Brasil, 829 (63%) apresentam alguma pendência do Estado para a finalização do seu processo demarcatório e o registro como território tradicional indígena na Secretaria do Patrimônio da União (SPU).

O argumento do marco temporal voltou a ganhar força em 2017, durante o governo do ex-presidente Michel Temer. Na época, a Advocacia Geral da União (AGU) emitiu parecer favorável para que a tese, aplicada já no julgamento da Terra Indígena Raposa Serra do Sol, em 2009, fosse utilizada em outros casos semelhantes.

Localizado em Roraima, o território era reivindicado por ruralistas, apesar da reconhecida presença indígena. Em meio aos conflitos, a disputa chegou ao STF, que decidiu em favor dos povos originários.

Guia Socioambiental da Imprensa: informação a serviço da democracia

19 Out, 2021

Material reúne dados, reflexões, tira-dúvidas e um guia de fontes para apoiar comunicadores na produção de conteúdos relacionados aos povos tradicionais e assuntos socioambientais

Guia de Fontes

13 Out, 2021

O objetivo desse pequeno Guia de Fontes é reunir indicações confiáveis de instituições e porta-vozes que podem fornecer informações seguras, fidedignas e de qualidade sobre os povos indígenas.

Discussão amarga, mas necessária

13 Out, 2021

Tema do 3º encontro do curso sobre mudanças climáticas, regulamentação do mercado de carbono na COP26 enseja preocupação quanto à garantia de respeito aos direitos indígenas
Nossos Parceiros
Ver Mais