28 de janeiro de 2022

A atividade, prevista no Plano de Gestão Territorial e Ambiental dos Paresi, é alternativa sustentável para geração de renda e valorização cultural

Os indígenas do povo Haliti Paresi que vivem na aldeia Wazare, localizada na Terra Indígena Utiariti, no município de Campo Novo dos Parecis, em Mato Grosso (MT), receberam a anuência da Fundação Nacional do Índio (Funai) para executar seu projeto de Turismo de Base Comunitária (TBC) na aldeia, no final de dezembro de 2021. A atividade permite a valorização da cultura tradicional, além de colaborar para a autonomia financeira dos indígenas. 

Paulo Zenazokemae, presidente da associação Waymaré, do povo Paresi, conta que a ideia da realização de atividades turísticas no território Haliti começou na aldeia do Rio Formoso, localizada no município de Tangará da Serra. “Isso foi há muito tempo, a comunidade de Wazare também se interessou em buscar o turismo comunitário, para complementar a renda das atividades que estão sendo realizadas hoje pela comunidade. Mas a questão mais importante é o incentivo à cultura, a tradição, que o turismo fortalece aqui dentro da aldeia da comunidade Paresi”, diz orgulhoso.

O turismo comunitário da aldeia Wazare se fortaleceu com o Plano de Gestão Territorial e Ambiental (PGTA) das nove terras indígenas Haliti Paresi, elaborado entre 2016 e 2019. Para a implementação do PGTA Paresi, as associações Waymaré e Halitinã -organizações representantes do povo Haliti – escolheram seis aldeias que já vinham realizando atividades turísticas no território. Com o apoio técnico da Operação Amazônia Nativa (OPAN), The Nature Conservancy (TNC) e Garupa, em 2019 iniciou-se o projeto para o fortalecimento do turismo de base comunitária, com a elaboração de planos de visitação no território Haliti, e a realização de oficinas de formação e expedições de mapeamento das trilhas e da estrutura local.

Aldeia Wazare, localizada na Terra Indígena Utiariti, no município de Campo Novo dos Parecis, em MT / Foto: Rony Paresi

Giovanny Vera, indigenista da OPAN, ressalta a importância da autonomia dos indígenas na distribuição de recursos oriundos do etnoturismo, e com isso o fortalecimento da governança local. “As tomadas de decisão são feitas pela  comunidade, com protagonismo deles no desenvolvimento e na operação da atividade turística.”

Ele reitera que o Plano de Visitação dos indígenas Haliti Paresi traz diversos benefícios à comunidade. “Um dos maiores benefícios é o do povo valorizar ainda mais a sua própria cultura, quando percebe que pessoas de fora vêm justamente para poder conhecer suas tradições, para conhecer a história dos indígenas, não para olhar simplesmente uma cachoeira, mas sim para conhecer a história da cachoeira.”

O indigenista lembra que a Wazare é uma das seis aldeias que atuam com o turismo comunitário. “Essas aldeias já vinham realizando atividades turísticas, então as associações Halitinã e Waymaré propuseram a elaboração do Plano de Visitação delas.”

Indígenas Haliti Paresi em Wazare / Foto: João Bispo/CNP Turismo

Publicada em junho de 2015, a Instrução Normativa nº 03 da Funai orienta o desenvolvimento de atividades de visitação turística em TIs. A normativa foi aprovada restringindo a atividade ao modelo de base comunitária, nas modalidades de etnoturismo e ecoturismo, prevendo também o turismo de pesca esportiva, desde que sejam realizados os estudos de impacto ambiental necessários. Segundo a instrução, cabe aos indígenas decidir sobre o uso dos recursos naturais existentes em seu território – desde que a atividade em questão seja desenvolvida com o protagonismo das comunidades e de maneira coletiva, não podendo ser realizada por um grupo restrito ou à revelia da maioria.

De acordo com o Plano de Visitação da aldeia Wazare, o turismo tem contribuído para aumentar a geração de renda dos indígenas. E a renda anual dessa atividade gira em torno de R$ 15.000,00 (quinze mil reais), recurso distribuído entre moradores da aldeia, melhora da infraestrutura e aquisição e manutenção de materiais relativos à atividade”, diz um trecho do documento que conta a conexão dos indígenas com o turismo que começou em 2009.

Demonstrações de danças, cantos e pinturas são algumas das atividades turísticas oferecidas aos viajantes / Foto: João Bispo/CNP Turismo

A renda do turismo comunitário é dividida igualmente entre todos. “Metade do recurso é destinado a reaplicação e investimento no próprio projeto de turismo cultural, e os outros 50% são distribuídos de forma igualitária, independente de gênero e de idade, justamente para a gente não trazer desigualdade interna na comunidade”, explica Rony Paresi, cacique da aldeia Wazare.

Rony afirma que os ganhos financeiros não são o bem maior do projeto. “Através do turismo é que socializamos a nossa cultura, os nossos pensamentos, a nossa espiritualidade, os nossos modos de viver na conjuntura atual, e com isso podemos quebrar paradigmas, preconceitos, essa visão estereotipada que muita gente tem com relação aos povos indígenas”, salienta. “A gente passa a perceber que muitos desses preconceitos são por falta de realmente conhecer a fundo o que é a cultura indígena hoje.”

A liderança destaca que o turismo comunitário tem fortalecido a identidade cultural de seus parentes, à medida em que são explicadas aos turistas a história de origem dos Paresi, além das pinturas corporais, dos jogos tradicionais e parte do conhecimento. “Essas atividades têm envolvido grande parte dos comunitários, sobretudo as crianças. Hoje em dia, crianças e jovens têm orgulho de sua identidade Haliti-Paresi”, conclui.

Mulheres e crianças da Aldeia Wazare / Foto: João Bispo/CNP Turismo

Ainda no Plano de Visitação, o cacique narra como se deu a constituição da Aldeia Wazare e seus respectivos projetos de sustentabilidade. O início do processo originou-se em 1970, por um dos principais líderes do Povo Haliti-Paresi, Daniel Matenho Cabixi, seu pai, que atuou na defesa dos direitos de seu povo e teve de deixar de lado o sonho de constituir uma aldeia junto à sua família, por conta da intensa luta indigenista.

Em meados de 2009, com vontade de realizar o sonho do pai Daniel Cabixi, Rony Paresi passou a projetar junto de seus irmãos e mãe a construção da aldeia Wazare. “Entre 2009 e 2011, foi elaborado um planejamento com foco em várias vertentes consideradas primordiais à futura comunidade. No dia 09 de maio de 2011, toda a família Cabixi fez uma visita de reconhecimento (in loco) para confirmar a viabilidade da construção da aldeia denominada Wazare, cujo nome foi escolhido para referenciar e eternizar a cosmologia do líder mítico do nosso povo Haliti-Paresi. Wazare, junto do sábio irmão Kamahiye, ensinou aos nossos antepassados todos os conceitos e aspectos de sobrevivência no esplêndido Chapadão dos Parecis”, diz o Plano.

Criada em 16 de julho de 2011, a aldeia Wazare possui estrutura arquitetônica tradicional, segundo o Plano, com hatis (casas da cultura Haliti-Paresi) e mantendo o espaço circular do terreiro.

Além da criação de galinhas e da piscicultura, a horticultura e o plantio de árvores para sombra e produção de frutas são outras também atividades sustentáveis complementares para a geração de renda, junto com o plantio de soja e milho, realizado em uma pequena área da TI Utiariti. 

Na experiência turística é oferecido banho natural, passeio de barco no rio Verde e demonstração de pesca tradicional / Foto: Drone

A indigenista e coordenadora do Programa Mato Grosso da OPAN, Artema Lima, que atuou diretamente no PGTA Haliti-Paresi, destaca que o turismo pode proporcionar a conservação dos rios, cachoeiras e de todo o universo cultural dos Paresi. Esta é uma das premissas do turismo de base comunitária, aliar geração de renda e a conservação ambiental. “É uma alternativa para a conservação do Cerrado e das águas. Os territórios Paresi têm um potencial hídrico enorme. Localizados na bacia do rio Juruena e seus afluentes como o Rio Verde, Rio Papagaio, Rio Sacre e também o Rio Formoso, rios com potencial para a realização de esportes radicais como rapel e rafting nas corredeiras e nos saltos, além de proporcionar aos visitantes um turismo contemplativo e cultural”, finaliza. 

Flores, lágrimas e força

28 Nov, 2022

Países insulares seguem sendo grandes propulsores de avanços no debate sobre clima no mundo. Povos indígenas exigem participação em fundo sobre perdas e danos.

A PNGATI e a esperança por dias melhores

09 Nov, 2022

De diversas regiões da Amazônia, representantes indígenas compartilham na COP27 reflexões e experiências sobre a PNGATI à luz do novo governo no Brasil.

Brasil dá seu recado no Egito

05 Nov, 2022

Delegação da Amazônia brasileira abre trabalhos na COP27 com contribuições técnicas na reunião da Plataforma Indígena da UNFCCC. Barreira do idioma ainda é desafio.
Nossos Parceiros
Ver Mais