28 de junho de 2022

Projeto propõe imersão cultural de uma semana em aldeias com exuberantes paisagens.

Vivenciar por alguns dias o modo de vida de uma comunidade indígena, conhecer aldeias, cachoeiras, histórias míticas, lugares sagrados, jogos tradicionais e cenários deslumbrantes em uma das regiões com maior diversidade de paisagens do mundo. Esta é a proposta de etnoturismo do povo Haliti-Paresi (MT), que está se preparando para receber viajantes em expedições experimentais que visam estruturar o turismo de base comunitária nas terras indígenas.

Os interessados podem realizar a pré-inscrição no site do projeto, onde também há informações detalhadas sobre os dois roteiros disponíveis, bem como datas e valores. Cada roteiro prevê a experiência de uma semana nas Terras Indígenas Utiariti e Rio Formoso, sedes das associações Waymaré e Halitinã, nos municípios de Campo Novo do Parecis e Tangará da Serra-MT – região entre Amazônia, Cerrado e as nascentes do Pantanal. 

O etnoturismo é uma das diretrizes do Plano de Gestão Territorial e Ambiental Haliti-Paresi, publicado em 2019. As famílias viram no turismo uma oportunidade essencial de valorização da cultura tradicional e fonte de renda. “A importância é mostrar ao mahalitihyarenae (não indígena) que o indígena não é como ele pensa. É importante que conheça como somos, vivemos e pensamos”, explica Rony Walter Azoinayce, cacique da aldeia Wazare.

TURISMO DE IMERSÃO

Em algumas aldeias, o turismo já é uma realidade há anos. Porém, com a crescente procura por passeios nas cachoeiras, tornou-se necessário estruturar a atividade. A ideia é atingir um público que busca, para além dos atrativos naturais, uma imersão e permanência de mais tempo no território, daí a opção pelo turismo de base comunitária. 

Trata-se de uma prática que colabora com a proteção do meio ambiente e com a melhoria de vida das pessoas e a economia do lugar onde é praticada. A principal atração turística, neste contexto, é a própria possibilidade de imersão no modo de vida da comunidade. Aliás, experiências de turismo indígena demonstram a indissociabilidade entre natureza e cultura, ou seja, entre eco e etnoturismo.

Neste sentido, os visitantes ficarão hospedados nas hati (casas tradicionais) ou em locais para acampamento. As refeições serão elaboradas com ingredientes locais, combinando receitas tradicionais e regionais. Haverá momentos para apresentar o modo de vida Haliti-Paresi por meio de exposições, conversas e atividades. Também estão previstas rodas de conversa de avaliação das vivências, para que todos possam compartilhar suas observações e sugestões.

Além dos anfitriões indígenas, também estará presente um facilitador, que irá acompanhar os visitantes durante toda a expedição. Ele auxiliará na mediação entre o grupo e as lideranças e costumes locais, além de dar dicas sobre a programação e ajudar na preparação das atividades.

Caso alguém queira levar uma lembrança material desta experiência, poderão ser adquiridas peças de artesanato, contribuindo com a geração de renda local. E as exuberantes artes plumárias e pinturas corporais, elementos fundamentais da cultura Haliti-Paresi, também poderão ser experimentadas pelos visitantes. 

As aldeias têm energia elétrica, banheiros e estrutura de lazer e descanso. Não há sinal de celular, mas para emergências é possível utilizar a conexão wi-fi das escolas. As expedições experimentais são iniciativas no âmbito das ações estratégicas para a estruturação do turismo nas Terras Indígenas Haliti-Paresi, por meio da parceria com a The Nature Conservancy (TNC) e Operação Amazônia Nativa (OPAN) e com consultoria da ONG Garupa.

HALITI-PARESI

De acordo com dados do Instituto Socioambiental (2008), o povo Paresi (autodenominação Haliti) é um grupo com pouco mais de 2 mil pessoas. Eles falam uma língua da família Arawak, cujo representante mais próximo é o Enawenê-Nawê, falado em território mais ao norte. Os vizinhos mais próximos são os Nambikwara (família Nambikwara) em áreas indígenas ao norte e sudoeste da porção Paresi.

Segundo a tradição Haliti, a humanidade surgiu quando um grupo de irmãos saiu do interior da terra, por uma fenda aberta por Toakaihoreenoharetse, Enorê (criador e Deus do Raio) na Ponte de Pedra, formação natural existente no rio Sucuriu-Winã, afluente do rio Arinos. Ao sair do interior da pedra onde viviam, descobriram o mundo externo e todos os rios, animais terrestres, pássaros, árvores e paisagens. 

Assim como no mito de criação, a história do povo Haliti-Paresi é marcada por encontros com o “mundo exterior”, desde a passagem com os bandeirantes até o encontro com a Operação Rondon. Eles sempre tiveram que articular com estes “mundos” para se manterem em suas terras – o etnoturismo é mais uma das estratégias encontradas neste sentido.

Flores, lágrimas e força

28 Nov, 2022

Países insulares seguem sendo grandes propulsores de avanços no debate sobre clima no mundo. Povos indígenas exigem participação em fundo sobre perdas e danos.

A PNGATI e a esperança por dias melhores

09 Nov, 2022

De diversas regiões da Amazônia, representantes indígenas compartilham na COP27 reflexões e experiências sobre a PNGATI à luz do novo governo no Brasil.

Brasil dá seu recado no Egito

05 Nov, 2022

Delegação da Amazônia brasileira abre trabalhos na COP27 com contribuições técnicas na reunião da Plataforma Indígena da UNFCCC. Barreira do idioma ainda é desafio.
Nossos Parceiros
Ver Mais