Intercâmbio culinário entre chefs cariocas e o povo Paumari

Nesta segunda-feira chefs da cozinha carioca seguem para o sul do Amazonas onde vão conhecer o manejo de pirarucu do povo Paumari do rio Tapauá

Lábrea (AM) – Chefs de cozinha do Rio de Janeiro farão na próxima segunda-feira (01/07) uma viagem para as terras indígenas do povo Paumari do rio Tapauá, na bacia do Purus, sul do Amazonas. A bordo de um barco regional, acompanhados por organizações da sociedade civil e governamentais, pesquisadores e antropólogos vão realizar um intercâmbio para conhecer o manejo de pirarucu e trocar conhecimentos culinários sobre o peixe, visando a valorização da atividade no mercado carioca.

Realizada pelo projeto “Gosto da Amazônia – sabor que preserva a floresta”, com apoio do projeto Raízes do Purus, patrocinado pela Petrobras por meio do Programa Petrobras Socioambiental, a viagem terá duração de uma semana. O encontro, que conta também com o chef Milton Neto, do restaurante manauara Estória de Pescador, inclui visita aos lagos de manejo, acompanhamento ao pré-beneficiamento do pirarucu, realização de experimentos culinários e troca de saberes com as mulheres Paumari.

Receita de pirarucu da chef Ana Pedrosa, realizada em atividade do projeto Gosto da Amazônia. Foto: Bel Corção.

“O que está sendo fantástico, não só pra mim, mas pra outros chefs que estão indo do Rio, e também as outras pessoas envolvidas nesse coletivo, é a oportunidade da gente visitar pessoalmente um lugar onde essa pesca é feita totalmente integrada com a natureza, com o entorno, com as populações, visando o bem de todos”, destaca Teresa Corção, ecochef, presidente do Instituto Maniva, que executa o projeto Gosto da Amazônia junto ao Sindicato de Bares e Restaurantes do Rio (SindRio).

A programação do evento começa já no barco, onde haverá rodas de conversa sobre conservação da biodiversidade e populações tradicionais, etnografia indígena do povo Paumari, o apoio de organizações da sociedade civil aos povos tradicionais, o fortalecimento das organizações comunitárias após os ciclos da borracha e os desafios da produção extrativista em escala comercial. “A gente vai ter a oportunidade de uma verdadeira aula flutuante”, disse Teresa Corção, falando que será momento para reflexões sobre o contexto local, o manejo de pirarucu e o que a gastronomia tem a ver com isso.

O indigenista da Operação Amazônia Nativa (OPAN), Felipe Rossoni, especialista em manejos participativos, enfatizou que será uma experiência única para todo o grupo e que o importante para os chefs será conhecer as outras dimensões do manejo do pirarucu. “Será interessante o pessoal conhecer outros atributos do pirarucu manejado, que vão muito além do pescado que chega no mercado. Eles vão ter contato com as questões socioculturais e ambientais que envolvem o manejo e isso vai agregar valorização ao produto”, observou.

Ao final dos sete dias de viagem, será realizado com os Paumari um “banquetaço” preparado com ingredientes amazônicos pelos chefs e pelos indígenas. No retorno o grupo passa pela cidade de Lábrea, onde poderão visitar as unidades de sistemas agroflorestais (SAFs) do povo indígena Apurinã, na Terra Indígena Caititu, e por Manaus, onde o grupo se despede com um almoço no restaurante Caxiri, parceiro no projeto, saboreando um menu com pirarucu combinado com as Plantas Alimentícias não Convencionais (PANCs), elaborado pela chef Debora Shornik.

SAF Apurinã da TI Caititu. Foto: Adriano Gambarini/OPAN.

A partir da experiência, o projeto Gosto da Amazônia tem como objetivo a divulgação do manejo, possibilitando que o conjunto de seus valores seja devidamente associado ao peixe. “A gente pretende mostrar o que está por trás do produto”, disse o indigenista Felipe Rossoni. Teresa Corção destaca que as expectativas envolvem levar, além do pirarucu – e do conhecimento aprofundado sobre o manejo – outros produtos da Amazônia: “Que a gente esteja abrindo um canal da floresta amazônica com o estado do Rio de Janeiro, pra que a gente sirva de embaixadores desses produtos, que possa divulgar pra outros estados e mostrar o quanto é importante nossa participação ativa e produtiva para os povos da floresta e a manutenção da biodiversidade”.

O projeto Gosto da Amazônia, executado pelo Instituto Maniva e pelo SindRio é resultado da parceria entre o governo brasileiro e a Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (Usaid), com apoio do Serviço Florestal Americano (USFS), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Fundação Nacional do Índio (FUNAI), Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável (GIZ), OPAN, Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (IDSM), Memorial Chico Mendes (MCM), Associação dos Produtores Rurais de Carauari (Asproc) e Associação dos Comunitários que trabalham com Desenvolvimento Sustentável no Município de Jutaí (ACJ).

Conheça abaixo os chefs que participarão da viagem:

Ana Pedrosa
Formada pela Natural Gourmet Institute, em Nova York (EUA), e mestre em culinária pelo Instituto de Culinária Italiana para Estrangeiros (ICIF, no Piemonte). Membro do Convivium Slow Food, é uma das pioneiras da culinária natural no Rio de Janeiro. Representou o movimento Slow Food no Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (CONSEA).

Ana Ribeiro
É uma chef “mineiroca” como simpaticamente se intitula. Nascida no Vale do Jequitinhonha, iniciou sua carreira profissional no Rio de Janeiro, onde foi a primeira e única mulher na cozinha do estrelado Le Méridien, chefiado pelo Chef Pierre Landry. A chef, discípula de Paul Bocause, com quem trabalhou, coleciona prêmios e restaurantes famosos em seu currículo como consultora e Chef Executiva. Ana é hoje reconhecida por seu trabalho dedicado às PANCs.

Andressa Cabral
É carioca de família gaúcha, cozinheira, filha da Angela, mãe da Valentina. Tensa, intensa. Vascaína, portelense. Arrojada, sonhadora. Faz um monte de coisas ao mesmo tempo. Pós- graduada em Design Estratégico pelo IED, formada em Gastronomia pela Alain Ducasse Formation, sócia e head chef do Meza Bar, professora de Projeto de Criação em Gastronomia. É especialista em Cozinha Soul, das heranças africanas pelo mundo e seus temperos, cores e sabores e Embaixadora do Turismo da Cidade do Rio de Janeiro.

Bianca Barbosa
Bianca Barbosa tem em sua história familiar o talento para cozinhar. Filha da chef Kátia Barbosa, mãe e filha dividem o comando das três unidades do Aconchego Carioca, berço do famoso bolinho de feijoada. Com apenas 30 anos, Bianca se multiplica criando receitas, dando aulas de ecogastronomia e comandando o Aconchego Carioca.

Fredéric Monnier
Frédéric Monnier, chef francês de nascimento, conheceu o Brasil em 2001, se apaixonou e tornou-se chef executivo e em 2005 abriu seu próprio restaurante, sofisticado e aconchegante, o Brasserie Rosário. Chef embaixador do Senac desde 2011; possui um espaço ‘bistrot’ em parceria com a Aliança Francesa dentro da instituição de Botafogo; e foi o idealizador do projeto “Alimentando Cidadãos do Futuro” dentro do Lycée francês Molière, conduzido pelo SEBRAE, que entrou como parceiro da agricultura orgânica familiar de produtores do estado do Rio.

Jéssica Trindade
É a chef responsável pelo mais novo restaurante do Grupo Troisgros, o Chez Claude. Há doze anos trabalhando no Grupo, a premiada chef é a primeira mulher a ingressar na cozinha de Claude Troisgros.

Marcelo Barcellos
Iniciou sua vida empreendedora vendendo sanduíches na praia. Inaugurou em 2010 o Barsa, o primeiro restaurante do Cadeg comandado por um chef e em 2019 abriu sua segunda casa, na Barra da Tijuca. Sua cozinha, premiada, serve pratos com influências mediterrâneas, autorais, mesclando o Brasil com o mundo.

Ricardo Lapeyre
Carrega em seu DNA o dom da cozinha. Filho de renomado chef, teve sua primeira experiência profissional aos 14 anos. Premiado, o chef já esteve nas melhores cozinhas da França. Hoje, comanda o restaurante Laguiole, onde encanta pela criatividade, sabor e rigor técnico francês.

Teresa Corção
Chef proprietária do Restaurante O Navegador fundou e é Presidente do Instituto Maniva e Ecochefs Embaixadora da Cozinha Brasileira Senac RJ foi palestrante no TEDX Campos e no TED GLOBAL – SOUTH , foi em 2016 finalista do Basque Culinary World Prize. Reconhecida como chef ativista e conhecedora da culinária brasileira, saudável e sustentável.

Contatos com a imprensa
Dafne Spolti
www.amazonianativa.org.br
dafne@amazonianativa.org.br
Operação Amazônia Nativa – Projeto Raízes do Purus
(92) 9 8405-1757
(65) 9 9223-2494

NOTÍCIAS Intercâmbio culinário entre chefs cariocas e o povo Paumari

NOTÍCIAS