Facebook - OPAN Google+ - OPAN Twitter - OPAN Youtube - OPAN

Notcias

SELECT m.*, IF(LENGTH(fotos)<15 AND galeria=1,(SELECT id FROM w186_post_fotos WHERE post=m.id ORDER BY principal DESC, id LIMIT 1),fotos) AS fotoprinc FROM w186_post AS m WHERE m.id=234 - 234

Culinria tradicional

Por: Andreia Fanzeres/OPAN
Xavante retomam receita do tsadar, favorecendo transmisso de saberes em Mariwatsd.

Ancis fazem bolo de milho tradicional e transmitem conhecimento para os mais jovens.
Foto de Danilo Guimares/OPAN

São Félix do Araguaia, MT – Um grupo de mulheres da Terra Indígena Marãiwatsédé voltou a produzir a receita tradicional do bolo de milho xavante feito na brasa (tsadaré). Elas participaram de uma oficina apoiada pela escola indígena e pela OPAN no mês de abril e transmitiram seus saberes culinários às moças mais jovens. Muitas disseram que até aquele momento nunca tinham cozinhado o tsadaré do jeito como as anciãs ensinaram.  

Os Xavante escolheram uma receita com o milho xavante (nodzö), aproveitando sua sazonalidade, já que muitos indígenas haviam feito a colheita semanas antes. A professora e liderança xavante Carolina Rewaptu foi uma das responsáveis por conduzir o processo de ensino-aprendizagem, junto com 25 jovens (de 12 a 20 anos), quatro mulheres adultas e cinco anciãs.

Elas cozinharam três bolos de milho e assaram mandiocas com casca na brasa de forma tradicional. O tsadaré é um bolo feito em cerimônias rituais e possui grande importância nas relações de troca-reciprocidade, geralmente consumido pelos anciãos da aldeia. Na experiência da oficina, os anciãos elogiaram a iniciativa e ficaram satisfeitos com o retorno do alimento. Enquanto as mulheres fazem o tsadaré, os homens empenham-se em atividades de caça para que a carne complete a refeição. A caça é uma atividade de altíssimo valor cultural para os Xavante, e, mesmo utilizando cada vez mais a carne de animais domésticos no cotidiano, ela não substitui seu status para os indígenas.

Em função da situação generalizada de desmatamento e degradação do território de Marãiwatsédé, fruto de duas décadas de invasões, a realização de expedições de caça é um desafio. Do mesmo modo, a escassez de milho tradicional tem feito com que as mulheres adicionem farinha de trigo e açúcar à receita, afastando-se do modo tradicional e sem aproveitar as propriedades do nodzö.

Além do tsadaré, as mulheres assaram também outros bolos de milho menores, de cozimento mais rápido no borralho, isto é, diretamente nas cinzas sem a proteção de folhas de bananeira-brava. Esta é uma técnica de armazenamento do alimento, para que dure em tempos de escassez.


Receita do bolo de milho tradicional xavante

tsadaré


Ingredientes:

Milho xavante debulhado

Água

Folha de bananeira-brava

Terra de cupinzeiro


Modo de fazer:

Primeiramente, o milho foi pilado e peneirado, transformando-se em uma farinha. As indígenas adicionaram água e fizeram uma massa, colocando-a nas folhas de bananeira-brava em formato circular. Durante a montagem do bolo, as anciãs quebraram os cupinzeiros e jogando-os encima do fogo com madeira. A terra de cupinzeiro tem propriedades que permitem a absorção de uma grande quantidade de calor, sem carbonizar o alimento. Após a montagem do bolo nas folhas de bananeira, eles foram colocados sobre o fogo e a terra dos cupinzeiros. Deste modo, cozinhou por aproximadamente três horas. 

Matrias relacionadas

22/09/2018
Xavante ocupa espao na poltica local
12/08/2015
Mariwatsd em chamas
02/07/2015
Uma luz sobre Mariwatsd
18/06/2015
Um giro de 360 graus
10/06/2015
Sementes que inspiram
06/04/2015
Etnozoneamento em Mariwatsd
20/02/2015
Dois anos e grandes desafios
22/02/2013
Sem gua, sem sade
13/10/2014
Mariwatsd dos Xavante!
12/08/2014
Um territrio em transformao
SELECT id, titulo, data, horario, fotos, post_sub_id AS post_sub_id, chamada, i_cadastro, arquivado FROM w186_post WHERE (i_publicacao<=NOW() OR i_publicacao=0) AND (i_expiracao>=NOW() OR i_expiracao=0) AND id!='234' AND post_sub_id=2 AND aprovado!=0 ORDER BY i_cadastro DESC LIMIT 0, 8
22/09/18 - Xavante ocupa espao na poltica local
Pela primeira vez na regio do vale do Araguaia, um indgena Xavante assumiu a presidncia de uma Cmara Municipal.
17/09/18 - Um manejo colorido de urucum
Relato da Indigenista Tarsila dos Reis Menezes sobre a pesca manejada do povo Deni
17/09/18 - Infogrficos: o manejo de pirarucu
Dados mostram benefcios e desafios da atividade no Amazonas
03/09/18 - Nota de pesar sobre o incndio no Museu Nacional
03/09/18 - ndio Presente: a srie
Confira a entrevista com o diretor Srgio Lobato
29/08/18 - Edital: professor de lngua inglesa
OPAN abre processo seletivo para profissionais interessados em ministrar 15 aulas de ingls
27/08/18 - Divulgao de um trabalho mpar
Manejo de pirarucu apresentado no congresso internacional Belm+30.
21/08/18 - A parte mais viva de Mato Grosso
Xavante, Myky e Manoki de Mato Grosso mostram como protegem a natureza e a biodiversidade no Belm + 30.
Todos os direitos reservados para a Operação Amazônia Nativa - OPAN
Website Security Test