Facebook - OPAN Google+ - OPAN Twitter - OPAN Youtube - OPAN

Notcias

SELECT m.*, IF(LENGTH(fotos)<15 AND galeria=1,(SELECT id FROM w186_post_fotos WHERE post=m.id ORDER BY principal DESC, id LIMIT 1),fotos) AS fotoprinc FROM w186_post AS m WHERE m.id=326 - 326

Fortalecendo a cultura Nambikwara

Por: Mel Mendes/OPAN
Povo realiza troca de sementes e mudas durante festa da Menina-Moa.

Vilhena, RO – O povo Nambikwara da Terra Indígena Pirineus de Souza esteve em festa entre os dias 26 e 28 de setembro de 2015. Receberam dezenas de convidados para celebrar a festa da menina-moça, rito de passagem das meninas para a vida adulta. Participaram indígenas dos povos Myky, Manoki e Nambikwara, de Mato Grosso.

Foram dias de alegria e fartura, que contaram também com troca de sementes e mudas nativas, apresentação cultural dos povos convidados e visitas às roças dos donos da casa, quando eles trocaram experiências e técnicas de cultivo. As atividades foram apoiadas pela Operação Amazônia Nativa (OPAN) através do projeto Berço das Águas, patrocinado pela Petrobras.

Os Nambikwara mostraram aos visitantes suas ricas roças, com plantios de banana, mandioca, cará e diversos tipos de frutasm, além de outras espécies que fazem parte da alimentação tradicional do povo. Valdir Sabanê, liderança de Pirineus de Souza, estava orgulhoso. “Hoje a gente pode receber bem os nossos convidados. Temos roça farta e condições de alimentar todos e garantir o oferecimento do ritual”, conta.

Para o coordenador de campo do projeto Berço das Águas, Fabiano da Matta, o encontro mostra a riqueza cultural e a forte organização social dos povos envolvidos. “Este momento estimula a retomada do plantio de variedades tradicionais e também a produção de alimentos para os rituais, que complementam o ciclo de vida dos povos, muito associado à terra e  a relação com os espíritos”, afirma. “Tudo isso fortalece o movimento indígena, a aproximação entre as etnias e a discussão dos problemas sociais e estruturais que os afetam”, completa Fabiano da Matta.

De meninas a mulheres    

O ritual começa quando acontece a primeira menstruação das meninas. Na ocasião, a comunidade se reúne para iniciar os preparativos da festa, que envolve a todos no cuidado com a roça, na realização de expedições de caça e pesca, no preparo dos ornamentos rituais e na articulação com parceiros.

As mulheres da aldeia constroem, então, uma pequena casa de palha no pátio. As meninas são conduzidas pelos anciãos até a casinha, e lá permanecem reclusas por até três meses, só saindo no ultimo dia da festa. Durante esse tempo, são alimentadas pelas mães e por outras mulheres mais velhas, ouvem histórias e recebem orientações de como se comportar como uma mulher. Os homens são proibidos de entrar em contato com elas durante esse período. Depois que passam pelo ritual, as moças nambikwara já podem casar.

Acompanhe a festa pelo olhar do fotógrafo Adriano Gambarini, convidado pela OPAN e pelo povo Nambikwara para registrar o ritual.

Na manhã do primeiro dia da festa a comunidade prepara o pátio para a troca de sementes e mudas:

1 -Arrumando.JPG

 

Indígenas expõem e trocam  mudas de diversas expécies:

 4 - troca de mudas.JPG

 

Também expuseram os produtos de suas roças, como cará, mandioca e cana:

5 - Produtos da roça.JPG

 

Sementes e fibras usadas na confecção de artesanato chamaram bastante atenção.

3 - Troca de sementes.JPG

 

À tarde, os convidados conheceram algumas áreas de roça dos Nambikwara. 

 Visita a roça.JPG

 

Depois, homens, mulheres e crianças Nambikwara começam a se arrumar para a festa. São pinturas, colares e outros ornamentos cheios de significados.

6 -Se arrumando.JPG

 

7 - Se arrumando.JPG

 

Se arrumando homem.JPG

A comunidade toda se organiza para garantir a alimentação dos convidados e participantes. 

Comida.JPG

 

2-Preparando a comida.JPG

 

Antes do sol se pôr, já arrumados, retornam ao pátio da aldeia para iniciar a festa. Homens e mulheres formam filas separadas e seguem para o centro da comunidade.

8 - Indo para a roda.JPG

 

9 - Indo para roda.JPG

 

Antes de iniciar a roda, já com todos reunidos, os povos convidados fazem uma apresentação de suas danças e cantos.

10 - Convidados.JPG

Jovens Myky.

 

11- Convidados.JPG

Mulheres Manoki.

12- Convidados.JPG

Nambikwara de Tirecatinga.

 

Inicia-se então a grande roda, formada por homens e mulheres da comunidade e os convidados da festa.

13 - começa a dança.JPG

A dança atravessa a noite, sem parar. Os cantos são puxados pelos pajés, que ficam no centro da roda.  Os indígenas se revezam para se alimentar e dormir. 

14 - Dança a noite a toda.JPG

 

Durante esse período, as meninas ficam dentro da casinha.

CAsa onde as meninas estão.JPG

 

De tempos em tempos, são retiradas pelos padrinhos, escolhidos pelos seus pais, para dançar na roda. Os padrinhos seguram em suas mãos todo o tempo e as meninas mantém a cabeça baixa enquanto dançam. Aqui, já aparecem enfeitadas, próximo ao final do ritual.

padrinhos.JPG

 

Em certo momento, é realizado o oferecimento. Os padrinhos recebem peixes, beijus e outros alimentos que representam a fartura da alimentação tradicional, entregues pelos pais das meninas.

15 - Oferecimento.JPG

 

Quando o sol nasce, após quase 12 horas de danças e cantos, termina o ritual. As meninas são levadas para o centro da roda pelos padrinhos e são purificadas pelos pajés, para protegê-las contra doenças. Nesse momento, pintadas, enfeitadas e com as franjas cortadas, podem erguer a cabeça e olhar o mundo com outros olhos.

16 - FInal.JPG

 

A partir de então, as meninas nambikwara se tornam mulheres.

Leia mais:

Identidade Nambiquara 

Contatos com a imprensa

Mel Mendes - mel@amazonianativa.org.br

Telefones: 65 9948-0821 e 65 3322-2980

www.amazonianativa.org.br

www.facebook.com/amazonianativa

 

 

 

Matrias relacionadas

17/10/2018
Um encontro entre culturas
03/08/2015
Territrio feminino
30/07/2014
Identidade Nambiquara
16/07/2014
Mais uma etapa do plano de gesto Nambiquara
02/06/2014
Hantavirose silenciada
21/08/2018
A parte mais viva de Mato Grosso
07/05/2018
Indgenas unidos no ATL
23/03/2018
OPAN lana vdeo do projeto Arapaima
03/08/2017
Nossa histria no comea em 1988!
31/07/2017
Roas Nambikwara: alimento e cultura
SELECT id, titulo, data, horario, fotos, post_sub_id AS post_sub_id, chamada, i_cadastro, arquivado FROM w186_post WHERE (i_publicacao<=NOW() OR i_publicacao=0) AND (i_expiracao>=NOW() OR i_expiracao=0) AND id!='326' AND post_sub_id=2 AND aprovado!=0 ORDER BY i_cadastro DESC LIMIT 0, 8
16/10/18 - Contratao de comunicador/jornalista
Busca-se jornalista com experincia em comunicao popular/indigenista
16/10/18 - Contratao de comunicador em audiovisual
Busca-se profissional com experincia em comunicao popular/indigenista
16/10/18 - Ensaio sobre a cegueira
Com honrosa inspirao e licena potica, vamos falar (tambm) sobre meio ambiente e os povos indgenas nessas eleies.
11/10/18 - Nota de protesto do Povo Myky
Indgenas rebatem publicao que afirma que teriam recebido Exrcito com flechadas durante eleies.
03/10/18 - Navegar preciso
Barco com estrutura de armazenamento e pr-beneficiamento reduz gastos e proporciona maior autonomia a manejadores do Mdio rio Juru.
22/09/18 - Xavante ocupa espao na poltica local
Pela primeira vez na regio do vale do Araguaia, um indgena Xavante assumiu a presidncia de uma Cmara Municipal.
17/09/18 - Um manejo colorido de urucum
Relato da Indigenista Tarsila dos Reis Menezes sobre a pesca manejada do povo Deni
17/09/18 - Infogrficos: o manejo de pirarucu
Dados mostram benefcios e desafios da atividade no Amazonas
Todos os direitos reservados para a Operação Amazônia Nativa - OPAN
Website Security Test