15 de junho de 2009

A Terra Indígena Marãiwatsédé, do povo Xavante, localiza-se no nordeste do estado do Mato Grasso, em uma região divisora de águas entre as bacias dos rios Xingu e Araguaia, na transição entre os biomas cerrado e amazônico. Trata-se de uma região extremamente rica em biodiversidade, exatamente pelo fato de estar em uma zona de transição. […]

A Terra Indígena Marãiwatsédé, do povo Xavante, localiza-se no nordeste do estado do Mato Grasso, em uma região divisora de águas entre as bacias dos rios Xingu e Araguaia, na transição entre os biomas cerrado e amazônico. Trata-se de uma região extremamente rica em biodiversidade, exatamente pelo fato de estar em uma zona de transição. Todavia, esta é também a TI mais devastada da Amazônia Legal, visto que suas terras estão ocupadas por posseiros e fazendeiros que esperam decisão do Supremo Tribunal Federal sobre a legalidade da homologação, ocorrida em 1998; enquanto isso permanecem explorando seus recursos.

A OPAN, em parceria com a ANSA, ONG atuante na região do Baixo Araguaia, vem desenvolvendo um projeto de fortalecimento da agricultura tradicional e apoio à diversificação do banco genético de espécies vegetais dos A’uwẽ (autodenominação Xavante), com o intuito de ajudar a reverter a grave situação de insegurança alimentar e degradação ambiental que esse povo enfrenta. Para isso, algumas atividades vêm sendo desenvolvidas desde setembro de 2008, como:

1) a construção de um viveiro junto a escola para a produção de mudas dentro da própria aldeia em parceria com os professores e junto com os alunos, bem como o plantio de espécies de adubos verdes para recuperação do solo e posterior implantação de um pomar;

2) a realização de uma oficina de apicultura que contou com a participação de cerca de 20 pessoas em duas etapas. Essas etapas foram teórico-práticas e o próximo passo será a captura de enxames para iniciar a implantação de um apiário;

3) o plantio de mudas e sementes nos quintais e nas roças tradicionais objetivando o aumentando da variedade de frutíferas, cuja coleta é muito apreciada por este povo.

Os Xavante, de modo geral, garantiram tradicionalmente a sua subsistência através de atividades de coleta silvestre, da caça e da agricultura. Devido à sedentarização compulsória deste povo e à destruição da vegetação nativa, a coleta e a caça tiveram uma diminuição drástica, tanto na quantidade quanto na variedade de espécies. Este fatores contribuíram para o crescimento da relevância da agricultura como alternativa de sobrevivência dos Xavante nos últimos 40 anos. Em Marãiwatsédé vivem cerca de 800 pessoas e a pressão sobre os escassos recursos disponíveis aumenta a cada dia. Estes índios estão ocupando apenas 20.000 ha de pasto, aguardando a decisão do STF. Atividades que visam contribuir para a melhoria das condições de vida desses indígenas são de extrema importância, e medidas de maior escala como a recuperação das áreas degradadas (pastagens, nascentes e áreas de proteção permanente) são necessárias para a melhoria das condições de vida dos A’uwẽ de Marãiwatsédé.

 

 

Contatos com a imprensa
comunicacao@amazonianativa.org.br
(65) 3322-2980

COMO EVITAR A SAVANIZAÇÃO DA AMAZÔNIA

05 Set, 2022

Iniciativas de manejo sustentável de produtos da sociobiodiversidade são soluções que protegem a floresta, enquanto geram renda justa para comunidades indígenas.

Brô Mc’s: conheça o primeiro grupo de rap indígena a pisar no Rock in Rio

01 Set, 2022

Maior festival de música do mundo terá palco demarcado pela resistência indígena. Nos bastidores, grupo vai trazer mensagem especial sobre os isolados, indígenas que rejeitam contato com o restante da sociedade.

Vale do Javari: associação entre crimes ambientais e narcotráfico atualiza modus operandi do sistema seringalista

26 Ago, 2022

Apesar do histórico de massacres, exploração de recursos naturais e mão de obra escravizada, a região já vivenciou momentos de maior estabilidade quando o Estado se fez presente.
Nossos Parceiros
Ver Mais