07 de junho de 2011

Por: Comunicação OPAN Alto Boa Vista (MT) – Entre os dias 16 e 21 de maio, o Ibama esteve na Terra Indígena Marãiwatsédé para realizar um curso de 40 horas e capacitar jovens, guerreiros e lideranças Xavante como interlocutores locais. A OPAN apoiou a realização da oficina. O principal objetivo foi orientar os indígenas a se […]

Por: Comunicação OPAN

Alto Boa Vista (MT) – Entre os dias 16 e 21 de maio, o Ibama esteve na Terra Indígena Marãiwatsédé para realizar um curso de 40 horas e capacitar jovens, guerreiros e lideranças Xavante como interlocutores locais. A OPAN apoiou a realização da oficina.

O principal objetivo foi orientar os indígenas a se posicionar como um interlocutor sobre as questões ambientais que afetam Marãiwatsédé junto ao Ibama e outros órgãos públicos. O Ibama vem realizando nos últimos anos frequentes operações de fiscalização embargando e apreendendo o cultivo ilegal de grãos dentro do território tradicional xavante. Nesse processo, a participação dos índios é fundamental para o fim de atividades de fiscalização da terra indígena. De acordo com Mauro Baldini, analista ambiental do Ibama que conduziu a oficina, as orientações pretenderam mostrar como agir de forma preventiva em questões que apresentam risco ambiental, como participar ou propor palestras de educação ambiental para o povo indígena, sugerir a solução de conflitos socioambientais e como evitar e se proteger de situações de perigo.

De maneira participativa, os indígenas discutiram a história, a cultura, a saúde, a educação e o meio ambiente em Marãiwatsédé, expressando seu olhar sobre cada um desses temas e mostrando de que maneira se relacionavam com órgãos públicos. O Ibama ajudou na compreensão dos papéis dos órgãos ambientais e introduziu itens sobre legislação indigenista e ambiental.

A oficina abrangeu atividades teóricas e dinâmicas de grupo, assim como ações práticas em campo, que valorizaram a observação e o senso crítico dos índios sobre seu cotidiano. A OPAN avaliou que a metodologia utilizada pelo Ibama para tocar em questões pertinentes ao povo Xavante foi acertada.

Durante os dias da oficina, os indígenas ressaltaram por meio de falas e desenhos a importância dos recursos naturais em seu território tradicional, lamentando a destruição de grande parte da natureza da qual utilizavam para manterem uma boa qualidade de vida e indicando que estão empenhados na recuperação ambiental da terra indígena.

OPAN

A OPAN foi a primeira organização indigenista fundada no Brasil, em 1969. Atualmente suas equipes trabalham em parceria com povos indígenas do Amazonas e do Mato Grosso, desenvolvendo ações voltadas à garantia dos direitos dos povos, gestão territorial e busca de alternativas de geração de renda baseadas na conservação ambiental e na manutenção das culturas indígenas.

Contatos com imprensa

Andreia Fanzeres: +55 65 33222980 / 81115748

Email: comunicacao@amazonianativa.org.br

OPAN – Operação Amazônia Nativa

http://www.amazonianativa.org.br

Flores, lágrimas e força

28 Nov, 2022

Países insulares seguem sendo grandes propulsores de avanços no debate sobre clima no mundo. Povos indígenas exigem participação em fundo sobre perdas e danos.

A PNGATI e a esperança por dias melhores

09 Nov, 2022

De diversas regiões da Amazônia, representantes indígenas compartilham na COP27 reflexões e experiências sobre a PNGATI à luz do novo governo no Brasil.

Brasil dá seu recado no Egito

05 Nov, 2022

Delegação da Amazônia brasileira abre trabalhos na COP27 com contribuições técnicas na reunião da Plataforma Indígena da UNFCCC. Barreira do idioma ainda é desafio.
Nossos Parceiros
Ver Mais